A onda verde dos dias de hoje

Subject: Fw: DESABAFO da velhinha no Supermercado

autor: alguém na Internet

Na fila do supermercado o caixa diz uma senhora idosa:

– A senhora deveria trazer suas próprias sacolas para as compras uma vez
que sacos de plástico não são amigáveis com o ambiente.

A senhora pediu desculpas e disse:

– Não havia essa onda verde no meu tempo.

O empregado respondeu:

– Esse é exatamente o nosso problema hoje minha senhora. Sua geração
não se preocupou o suficiente com o nosso ambiente.

– Você está certo – responde a velha senhora – nossa geração não
se preocupou adequadamente com o ambiente. Naquela época as garrafas de
leite garrafas de refrigerante e cerveja eram devolvidos à loja. A loja
mandava de volta para a fábrica onde eram lavadas e esterilizadas
antes de cada reuso e eles os fabricantes de bebidas usavam as garrafas
umas tantas outras vezes.

Realmente não nos preocupamos com o ambiente no nosso tempo. Subíamos a
s escadas porque não havia escadas rolantes nas lojas e nos escritórios.
Caminhávamos até o comércio ao invés de usar o nosso carro de 300 cavalos
de potência a cada vez que precisamos ir a dois quarteirões.

Mas você está certo. Nós não nos preocupávamos com o ambiente. Até
então as fraldas de bebês eram lavadas porque não havia fraldas
descartáveis. Roupas secas: a secagem era feita por nós mesmos
não nestas máquinas bamboleantes de 220 volts. A energia solar e aeólica
é que realmente secavam nossas roupas. Os meninos pequenos usavam as roupas
que tinham sido de seus irmãos mais velhos e não roupas sempre novas.

Mas é verdade: não havia preocupação com o ambiente naqueles dias.
Naquela época tínhamos somente uma TV ou rádio em casa e não
uma TV em cada quarto. E a TV tinha uma tela do tamanho de um lenço
não um telão do tamanho de um estádio que depois será descartado como?

Na cozinha tínhamos que bater tudo com as mãos porque não havia máquinas
elétricas que fazem tudo por nós. Quando embalávamos algo um pouco
frágil para o correio usavamos jornal amassado para protegê-lo e
não plastico bolha ou pellets de plástico que duram cinco séculos
para começar a se degradar. Naqueles tempos não se usava um motor a gasolina
apenas para cortar a grama era utilizado um cortador de grama que
exigia músculos. O exercício era extraordinário e não precisavamos
ir a uma academia e usar esteiras que também funcionam a eletricidade.

Mas você tem razão: não havia naquela época preocupação com o ambiente.
Bebíamos diretamente da fonte quando estávamos com sede
em vez de usar copos plásticos e garrafas pet que agora lotam os oceanos.
Canetas: recarregávamos com tinta umas tantas vezes ao invés de comprar
uma outra. Abandonamos as navalhas ao invés de jogar fora todos os aparelhos

‘descartáveis’ e poluentes só porque a lâmina ficou sem corte.

Na verdade tivemos uma onda verde naquela época. Naqueles dias as pessoas
tomavam o bonde ou ônibus e os meninos iam em suas bicicletas ou a pé
para a escola ao invés de usar a mãe como um serviço de táxi 24 horas.
Tínhamos só uma tomada em cada quarto e não um quadro de tomadas
em cada parede para alimentar uma dúzia de aparelhos. E nós
não precisávamos de um GPS para receber sinais de satélites a milhas
de distância no espaço só para encontrar a pizzaria mais próxima.

Então não é risível que a atual geração fale tanto em “meio ambiente”
mas não quer abrir a mão de nada e não pensa em viver um pouco como
na minha época?

(Agora que voce já leu o desabafo se quiser envie para os seus amigos
que têm mais ou menos de 50 anos de idade… Favor não reclamar. Eu
também recebí.)

Nota pública do SINDIUVA – SS – ANDES

SINDIUVA – SS do ANDES-SN SINDIUVA

SINDIUVA – Seção Sindical do ANDES – Sindicato Nacional

Sexta-feira, dia 30 de Setembro

>

A BARBÁRIE!

Ficamos todos horrizados com o ato de violência e barbárie (vejam foto
abaixo) ocorrida com os nossos colegas professores da rede estadual de
ensino na assembleia legislativa cearense!

Estamos horrorizados, chocados, indignados, comovidos, revoltados! Porém,
nem um pouco surpresos, pois os princípios que regem essa atual gestão
pública do Estado do Ceará sempre irão se materializar em uma práxis de
violência moral, ética, física, emocional e constitucional/jurídica!

Os princípios da “lei do mais forte”, do “ame-o ou deixe-o”, do “aos meus
tudo, aos outros nada”, do “tem que rezar na minha cartilha para se dar
bem”, do “os fins justificam os meios”, da eliminação de tudo que se
constitua como oposição ou cítica, que não seja obediência cega,
subserviência incondicional, que não legitime a manutenção do poderio
absolutista do “rei e sua corte”.

É a versão mais cínica de um despotismo não esclarecido, chulamente
disfarçado de moderno, arrojado e eficiente!

E a assembleia legislativa, que deveria ser a casa do povo, virou masmorra
do povo, palco de tortura e truculência, aos moldes da ditadura militar!
Hoje, na assembleia legislativa cearense, quem manda e legisla, sem medo de
ser contrariado, é o desmando do executivo, o desgoverno de um homem só!
Onde se pratica a não democracia, a não vontade popular, a sim violência
contra os direitos humanos, contra os direitos constitucionais!

O Sindicato dos Docentes da Universidade Estadual Vale do Acaraú – SINDIUVA
(SS ANDES) se solidariza com nossos colegas professores do ensino
fundamental e médio, covardemente agredidos em plena assembleia legislativa,
repudia o infame acontecimento e se manifesta, publicamente, contrário a
atual política governamental para a educação e a ciência e tecnologia!

Nós, professores, estamos todos no mesmo barco, seja do ensino fundamental e
médio ou universitário, pois as universidades públicas estaduais
encontram-se na mesma situação de precarização, sem condições de exercer
suas reais funções sociais de ensino, pesquisa e extensão. Estamos num barco
furado, remando contra a maré, mas com muita disposição e garra para não
afundar e alcançar a margem!

Essa sim, é a nossa verdadeira “prova de amor” pela profissão: lutar sem
medo e cheios de esperança, por UM SISTEMA PÚBLICO EDUCACIONAL DEMOCRÁTICO,
GRATUITO E DE QUALIDADE, QUE ZELE PELO BEM-ESTAR DE PROFESSORES E ALUNOS,
GARANTINDO SEUS DIREITOS E CONDIÇÕES IDEAIS DE TRABALHO E (CON)VIVÊNCIA.

POR TUDO ISSO, PROPOMOS UMA GRANDE ASSEMBLEIA UNIFICADA, DE TODOS OS
PROFESSORES DA REDE PÚBLICA ESTADUAL, PARA DISCUTIRMOS E DELIBERARMOS AÇÕES
DE RESISTÊNCIA E DE CONQUISTA DOS NOSSOS DIREITOS PROFISSIONAIS E DEMANDAS POR
UM SISTEMA PÚBLICO EDUCACIONAL DEMOCRÁTICO, GRATUITO E DE QUALIDADE!

PROFESSOR COVARDEMENTE AGREDIDO PELO BATALHÃO DE CHOQUE DA PM NA ASSEMBLEIA
LEGISLATIVA.

[image: Batalhão de Choque foi acionado para conter a manifestação dos
professores. (Foto: Frank Costa/Blog do
Eliomar)]

Professores  na Assembleia Legislativa

Fonte:  O POVO Online/Fortaleza

(101) Envie seu comentário

29.09.2011| 10:13

Batalhão de Choque foi acionado para conter a manifestação dos professores. (Foto: Frank Costa/Blog do Eliomar)

A Ocupar a Wall Street +vídeos

Ocupar Wall Street +vídeos.

 

Mundo Laboral/Economia Ocupar Wall Street (+vídeos)
Ocupar Wall Street (+vídeos) Versão para impressão Enviar por E-mail
(0 votos, média de 0 em 5)
Share
Estados Unidos – Laboral/Economia
Quarta, 21 Setembro 2011 02:00

210911_wallstOutras Palavras – [Idelber Avelar, na Revista Forum] Protestos da juventude chegam aos EUA e perturbam o sono dos que especulam no mercado de capitais. Terão futuro?


Não foi uma multidão de proporções egípcias mas, para o contexto dos EUA, é extremamente significativo e ela promete não ir embora. Começou a ocupação de Wall Street. Alguns poucos milhares de pessoas saíram às ruas, neste sábado, no sul da ilha de Manhattan, o coração do capital financeiro dos EUA. Elas prometem permanecer lá e muitos apostam que a concentração vai crescer neste domingo. Completamente ignorada pela mídia televisionada e impressa, o movimento se articulou pela internet. Convocada pelo movimento Ocupar Wall Street, dentro do qual se faz presente o Anonymous, a manifestação inclui uma série de demandas que há muito tempo não eram vistas na esfera pública estadunidense:

  1. Que os protestos continuem ativos nas cidades. Que cresçam, se organizem, se conscientizem. Nas cidades em que não há protestos, que eles sejam organizados e quebrem o sistema.
  2. Convocamos os trabalhadores não apenas a entrar em greve, mas a tomar coletivamente os seus locais de trabalho e organizá-los democraticamente. Convocamos professores e alunos a agirem juntos e a lecionar democracia, não apenas os professores aos alunos, mas os alunos aos professores. Ocupem as salas de aula e libertem as cabeças juntos.
  3. Convocamos os desempregados a se apresentarem como voluntários, a aprenderem, a ensinarem, a usarem as habilidades que tenham para se sustentarem como parte da comunidade popular que se revolta.
  4. Convocamos a organização de assembleias populares em cada cidade, cada praça, cada câmara municipal.
  5. Convocamos a ocupação e o uso de prédios abandonados, de terras abandonadas, de todas as propriedades ocupadas e abandonadas pelos especuladores, para o povo e para cada grupo que organize o povo.

Mostrando que a democracia dos EUA já não é a mesma, a polícia bloqueou os quarteirões de Wall Street que ficam entre as ruas Broadway e William. Não houve grandes distúrbios neste sábado, mas a polícia nitidamente se confundiu com o caráter descentralizado da manifestação. Vários presentes relataram que era insistente a demanda “queremos falar com o líder”, ante a qual a resposta recebida era invariavelmente “não há líder”.

Há um total blecaute midiático sobre o movimento. Fox News, CNN e MSNBC, os três principais canais de notícias da TV a cabo, não noticiaram nada. As quatro principais emissoras da TV aberta, ABC, CBS, FOX e NBC, também não. Na seção de tecnologia de seu site, a CNN deu uma bizarra matéria que dizia que o movimento “tentava imitar o Irã“. O New York Times não deu uma linha no jornal propriamente dito, mas só uma notinha no blogue.

Na noite de sábado, a assembleia popular decidiu passar a noite lá e, neste domingo, espera-se a chegada de mais gente. Muitos manifestantes falam em permanecer em Wall Street durante semanas ou meses, num grito de revolta contra o capital financeiro. Na segunda-feira, evidentemente, a polícia já não terá como fechar Wall Street, e é nisso que o movimento aposta.

Há algumas fontes para acompanhar esse auspicioso acontecimento. A tag no Twitter é #OccupyWallStreet. Neste domingo, deve se reiniciar a transmissão ao vivo do protesto no site do Global Revolution. Também deve haver streaming todo o dia no AdBusters, que é parte da organização. O Anonymous está postando vídeos. A pequena cadeia de televisão de Washington RT Television está cobrindo o evento. Também há notícias e vídeos no Scoop it.

Dada a acumulação de revolta contra o capital financeiro nos EUA, o movimento tem muito potencial para crescer. Pode ser que fique interessante a coisa.


Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Microdoaçom de 1 euro:

Doaçom de valor livre:

EUR USD GBP CHF AUD HKD CAD JPY NZD SGD SEK DKK PLN NOK HUF CZK ILS MXN


Notícias relacionadas:
Notícias recentes:
Notícias anteriores: