Aumenta a núvem de Gas no Mar do Norte N| Common Dreams

 

Expansão da núvem de gas força evacuação das plataformas no Mar do Norte

Plataforma pertencente à França foi abandonada sem respostas para a calamidade em curso

– Common Dreams staff

Growing Gas Cloud Forces Evacuation of Oil Rig in North Sea | Common Dreams.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Os caminhos que conduzem ao desastre

Os caminhos que conduzem ao desastre.

Reflexões do companheiro Fidel
Quinta, 22 Março 2012 12:47

http://diarioliberdade.org/index.php?option=com_content&view=article&id=25456:os-caminhos-que-conduzem-ao-desastre&catid=263:reflexoes-do-companheiro-fidel&Itemid=21

Fidel Castro

Esta Reflexão poderá ser escrita hoje, amanhã ou qualquer outro dia sem risco de equívoco. Nossa espécie se defronta com problemas novos.


Quando expressei há 20 anos na Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento no Rio de Janeiro que uma espécie estava em perigo de extinção, tinha menos razões do que hoje para advertir sobre um perigo que via talvez à distância de 100 anos.

Então uns pocos líderes dos países mais poderosos dirigiam o mundo. Aplaudiram por mera cortesia minhas palavras e continuaram placidamente cavando a sepultura de nossa espécie.

Parecia que em nosso planeta reinava o senso comum e a ordem. Há tempos que o desenvolvimento econômico apoiado pela tecnologia e a ciência parecia ser o Alfa e o Ômega da sociedade humana.

Agora tudo está muito mais claro. Verdades profundas foram abrindo caminho. Quase 200 Estados, supostamente independentes, constituem a organização política à qual teoricamente corresponde a tarefa de reger os destinos do mundo.

Cerca de 25 mil armas nucleares em mãos de forças aliadas ou antagônicas dispostas a defender a ordem em mutação, por interesse ou por necessidade, reduzem virtualmente a zero os direitos de bilhões de pessoas.

Não cometerei a ingenuidade de atribuir à Rússia ou à China a responsabilidade pelo desenvolvimento desse tipo de armas, depois da monstruosa matança de Hiroshima e Nagasaki, ordenada por Truman, após a morte de Roosevelt.

Tampouco cairia no erro de negar o holocausto que significou a morte de milhões de crianças e adultos, homens e mulheres, principalmente judeus, ciganos, russos e de outras nacionalidades, que foram vítimas do nazismo. Por isso, repugna a política infame dos que negam ao povo palestino seu direito a existir.

Alguém pensa por acaso que os Estados Unidos serão capazes de atuar com a independência que o preserve do desastre inevitável que os espera?

Em poucas semanas os 40 milhões de dólares que o presidente Obama prometeu arrecadar para sua campanha eleitoral só servirão para demonstrar que a moeda de seu país está muito desvalorizada e que os Estados Unidos, con sua insólita e crescente dívida pública que se aproxima dos 20 trilhões de dólares, vive do dinheiro que imprime e não do que produz. O resto do mundo paga o que eles dilapidam.

Ninguém crê tampouco que o candidato democrata seja melhor ou pior que seus adversários republicanos: chame-se Mitt Romney ou Rick Santorum. Anos luz separam os três de personagens tão relevantes como Abraham Lincoln ou Martin Luther King. É realmente inusitado observar uma nação tão poderosa tecnologicamente e um governo ao mesmo tempo tão órfão de ideias e valores morais.

O Irã não possui armas nucleares. Acusa-se o país de produzir urânio enriquecido que serve como combustível energético ou componente de uso médico. Queira-se ou não, sua posse ou produção não é equivalente à produção de armas nucleares. Dezenas de países utilizam o urânio enriquecido como fonte de energia, mas este não pode ser empregado na confecção de uma arma nuclear sem um processo prévio e complexo de purificação.

Contudo, Israel, que com a ajuda e a cooperação dos Estados Unidos fabricou o armamento nuclear sem informar nem prestar contas a ninguém, hoje sem reconhecer a posse destas armas, dispõe de centenas delas. Para impedir o desenvolvimento das pesquisas em países árabes vizinhos, atacou e destruiu os reatores do Iraque e da Síria. E declarou o propósito de atacar e destruir os centros de produção de combustível nuclear do Irã.

Em torno desse crucial tema tem girado a política internacional nessa complexa e perigosa região do mundo, onde se produz e fornece a maior parte do combustível que move a economia mundial.

A eliminação seletiva dos cientistas mais eminentes do Irã, por parte de Israel e de seus aliados da Otan, se converteu em uma prática que estimula os ódios e os sentimentos de vingança.

O governo de Israel declarou abertamente seu propósito de atacar a usina produtora de urânio enriquecido no Irã, e o governo dos Estados Unidos investiu centenas de milhões de dólares na fabricação de uma bomba com esse propósito.

Em 16 de março de 2012 Michel Chossudovsky e Finian Cunningham publicaram um artigo revelando que “Um importante general da Força Aérea dos EUA descreveu a maior bomba convencional – a anti-bunkers de 13,6 toneladas – como ‘grandiosa’ para un ataque militar contra Irã”.

“Um comentário tão loquaz sobre um artefato assassino em massa teve lugar na mesma semana na qual o presidente Barack Obama se apresentou para advertir contra a ‘fala leviana’ sobre uma guerra no Golfo Pérsico.”

“…Herbert Carlisle, vice-chefe do Estado Maior para operações da Força Aérea dos EUA. […] agregou que provavelmente a bomba seria utilizada em qualquer ataque contra o Irã ordenado por Washington”.

“O MOP, ao qual também se referem como ‘a mãe de todas as bombas’, está projetado para perfurar através de 60 metros de concreto antes de detonar sua bomba. Acredita-se que é a maior arma convencional, não nuclear, no arsenal estadunidense.”

“O Pentágono planifica um processo de ampla destruição da infraestrutura do Irã e massivas vítimas civis mediante o uso combinado de bombas nucleares táticas e monstruosas bombas convencionais com nuvens em forma de cogumelo, incluídas a MOAB e a maior GBU-57A/B ou Massive Ordenance Penetrator (MOP), que excede a MOAB em capacidade de destruição.

“A MOP é descrita como ‘uma poderosa nova bomba que aponta diretamente para as instalações nucleares subterrâneas do Irã e Coreia do Norte. A imensa bomba –maior do que que 11 pessoas colocadas ombro a ombro, ou mais de 6 metros desde a base até a ponta’.”

Peço ao leitor que me desculpe por esta complicada linguagem do jargão militar.

Como se pode verificar, tais cálculos partem do pressuposto de que os combatentes iranianos, que totalizam milhõnes de homens e mulheres conhecidos por seu fervor religioso e suas tradições de luta, se renderão sem disparar um só tiro.

Em dias recentes os iranianos viram como os soldados dos Estados Unidos que ocupam o Afeganistão, em apenas três semanas, urinaram sobre os cadáveres de afegãos assassinados, queimaram os livros do Corão e assassinaram mais de 15 cidadãos indefesos.

Imaginemos as forças dos Estados Unidos lançando monstruosas bombas sobre instituições industriais capazes de penetrar 60 metros de concreto. Jamais semelhante aventura tinha sido concebida.

Não é preciso uma palavra mais para compreender a gravidade de semelhante política. Por esse caminho nossa espécie será conduzida inexoravelmente para o desastre. Se não aprendemos a compreender, não aprenderemos jamais a sobreviver.

De minha parte, não abrigo a menor dúvida de que os Estados Unidos estão a ponto de cometer e conduzir o mundo ao maior erro de sua história.

Fidel Castro Ruz

21 de março de 2012, 19h35

Fonte: Cubadebate

Tradução de José Reinaldo Carvalho, da redação do Vermelho

As armas nucleares são financiadas pelos bancos

As armas nucleares são financiadas pelos bancos.

E tem gente que acha isto bonito!

http://diarioliberdade.org/index.php?option=com_content&view=article&id=25537:as-armas-nucleares-sao-financiadas-pelos-bancos&catid=89:laboraleconomia&Itemid=99

240312_bomb

A indústria mundial de armas nucleares é financiada e mantida viva por mais de 300 bancos, fundos de pensão, companhias de seguros e gestores de ativos, segundo um novo estudo.

Essas instituições realizam substanciais investimentos na fabricação de armas atômicas.

Divulgado pela Companhia Internacional para Abolir as Armas Nucleares (ICAN), o estudo de 180 páginas assinala que as nações com poder nuclear gastam mais de 100 milhões de dólares por ano fabricando novas ogivas, modernizando as velhas e construindo mísseis balísticos, bombardeiros e submarinos para lançá-las.

Grande parte deste trabalho é realizado por corporações como BAE Systems e Babcock International na Grã-Bretanha, Lockheeed Martin e Northrop Gurmman nos Estados Unidos, Thales e Safran, na França, e Larsen & Toubro, na Índia.

“Instituições financeiras investem nessas companhias provendo empréstimos e comprando ações e bônus”, indica o informe, considerado o primeiro nesta pesquisa.

Intitulado “Don’t Bank on the Bomb: The Global Financing of Nuclear Weapons Producers” (“Não confiem na bomba: O financiamento mundial dos produtores de armas nucleares”), o estudo contém detalhes das transações financeiras com 20 empresas intensamente envolvidas na fabricação, manutenção e modernização das forças atômicas estadunidenses, britânicas, francesas e da Índia.

É necessário uma urgente campanha mundial coordenada, pelo não investimento em armas nucleares, adiciona.

Um movimento assim poderia ajudar a parar os programas de modernização e fortalecimento de armamentos e impulsionar as negociações em direção a uma proibição universal desse tipo de bombas. “Deixar de investir nas companhias de armas nucleares é uma forma efetiva que o mundo corporativo avance à meta de uma abolição nuclear”, afirma o estudo.

O trabalho chama as instituições financeiras para que deixem de investir na indústria armamentista atômica.

“Qualquer uso de armas nucleares violaria o direito internacional e teria catastróficas consequências humanitárias. Ao investir nos fabricantes, as instituições financeiras estão de fato facilitando a construção de forças atômicas”, indica.

No prólogo do informe, o arcebispo anglicano sul-africano Desmond Tutu, prêmio Nobel da Paz, assinala: “Ninguém deveria fazer lucros com esta terrível indústria da morte, que nos ameaça a todos”. O líder pacifista instigou as instituições financeiras que apóiem os esforços para eliminar a ameaça atômica, e destacou que o término dos investimentos foi vital na campanha para colocar fim ao apartheid (sistema de segregação racial contra a maioria negra) na África do Sul. A mesma tática poder e deve ser empregada para enfrentar a criação mais maligna do homem: a bomba nuclear adicionou.

Por sua parte, TIM Wright, diretor de campanhas da ICAN e coautor do informe, disse a IPS que algumas das instituições identificadas no trabalho já expressaram sua “intenção de adotar políticas proibindo os investimentos na fabricação de armas atômicas”.

A campanha para que cessem os investimentos “provavelmente será mais exitosa nos países onde a oposição às armas nucleares é mais forte”, por exemplo, os escandinavos e o Japão, indicou.

Destacou que cada vez mais, os bancos reconhecem que se deve aplicar algum tipo de critério ético aos investimentos, e que apoiar a fabricação de armas capazes de destruir cidades inteiras num instante, era algo claramente contrário à ética.

Das 322 instituições financeiras identificadas no informe, quase a metade tem sede nos Estados Unidos e um terço na Europa. O estudo também denuncia a instituições da Ásia, Austrália e Meio Oriente.

As mais envolvidas com a indústria de armas nucleares são: Bank of America, Blackrock e JP Morgan Chase nos Estados Unidos, BNP Paribas na França, Allianz e Deutsche Bank na Alemanha, Mitsubishi UJF Financial no Japão, BBVA e Banco Santander na Espanha, Credit Suisse e UBS na Suíça, Barclays, HSBC, Lloyds e Royal Bank of Scotland na Grã-Bretanha.

Consultado sobre se seria viável uma campanha para boicotar essas entidades, Wright disse a IPS: “Se os bancos resistem a ceder, os clientes terão que buscar alternativas éticas”.

Muitos outros bancos, particularmente pequenos, negam-se a ter qualquer tipo de vínculo com esta indústria, destacou: “Se multidões de pessoas começarem, isto enviará um poderoso sinal ao banco de que seu apoio às companhias de armas nucleares é inaceitável”. No caso das instituições multinacionais, uma campanha coordenada de boicote em vários países seria efetiva, sustentou.

O estudo também cita Setsuko Thurlow, sobrevivente da bomba atômica lançada pelos Estados Unidos sobre a cidade japonesa de Hiroxima em 1945, o qual fez um chamado para investir de uma forma ética e a não contribuir com atividades que ameacem a Terra.

Fonte: http://www.ipsnoticias.net/nota.asp…

Tradução de Vera Vassouras

Corrupção Real: Genro do rei espanhol é acusado de criar 510 sociedades para lavagem de capitais

Corrupção Real: Genro do rei espanhol é acusado de criar 510 sociedades para lavagem de capitais.

Estado espanhol – Institucional Quarta, 21 Março 2012 02:00

Diário Liberdade210312_bourbonContinuam as investigações contra Iñaki Urdangarin, marido da filha mais nova do rei de Espanha, Juan Carlos de Bourbon, no processo contra ele que se segue por suposta malversação de fundos públicos, prevaricação, fraude à administração e falsidade documental.


Segundo recentes publicações da promotoria anticorrupção espanhola, depois da análise do relatório apresentado pela Polícia Judicial, Urdangarin, junto a seu sócio Diego Torres e seu assessor financeiro Salvador Trinxet, criaram 510 sociedades comerciais em todo mundo, especialmente em paraísos fiscais, para lavarem dinheiro público, informou La Jornada.

 

210312_bourbon

 

 

O documento revela que o maridos da infanta Cristina utilizou o Instituto Nóos, fundado em 1999 como entidade sem fins lucrativos, para obter contratos públicos e desviar fundos a paraísos fiscais.

O referido documento afirma que o dinheiro, além de o Estado espanhol, foi parar a empresas fantasmas em Costa Rica, Reino Unido, Belice, Malta, Panamá, Romênia, Antilhas Holandesas, Holanda, Hungria, Portugal, Ilhas Virgens Britânicas, Hong Kong, Chipre, Luxemburgo, Alemanha, Uruguai, Itália, França e Estados Unidos (Wyoming, Delaware, Nova York, Arkansas, Nevada e Oregon).

Nestas provas é que se baseou o magistrado José Castro para argumentar o processamento de Urdangarin e seus colegas.

Grande burguesia ligada à Família Real… privilégios, milhões e corrupção

O esposo da filha menor dos reis espanhóis, obteve este dinheiro através dos bons relacionamentos com autoridades locais e autonômicas, principalmente políticos do Partido Popular (PP). Convém lembrar que Urdangarín é conselheiro da multinacional Telefónica e sua mulher diretora da área social de La Caixa, um importante banco catalão, cargos aos quais acederam diretamente por serem integrantes da Família Real espanhola. Antes disso, foi membro do Comité Olímpico Espanhol, diretor da empresa Octagon Esedos SL, administrador conselheiro de Motorpress Ibérica SA, etc. Tudo a partir de casar com a filha do Rei espanhol, que por sua vez é um dos chefes de estado com maior património do mundo, se bem ele próprio provinha já da grande burguesia basco-espanhola.

Do dinheiro obtido no caso da Fundação Nóos, ao menos 650 mil euros foram enviados a Belice, usando como suporte à Fundação Deporte, Cultura e Integração Social (FDCIS), criada por Urdangarin em 2006, supostamente para ajudar meninos discapacitados.

O Ministério das Finanças também apresentou provas contundentes contra o marido da infanta Cristina. Um relatório que esta instituição forneceu ao juiz José Castro revela que, entre 2004 e 2006, o Instituto Nóos obteve 2,3 milhões de euros do Governo das Ilhas Baleares e mais de 3 milhões de euros do Executivo de Valência.

Desses mais de 5 milhões de euros, 3,2 milhões foram parar a duas empresas de Urdangarin, a Consultoria Nóos (um adendo do Instituto Nóos e Aizoon S.L.)

Precisamente esta terça-feira foi sentenciado a seis anos de prisão Jaume Mata, o ex presidente da comunidade autônoma espanhola das Ilhas Baleares (1996-1999 e 2003-2007) e ex ministro de Ambiente do conservador José María Aznar (2000-2003).

Mata foi acusado de fraude à Administração, de falsidade em documento oficial, falsidade em documento mercantil, prevaricação, malversação e tráfico de influência. Entre outras coisas, foi condenado por ter beneficiado com dinheiro público o jornalista que lhe escrevia os discursos, Antonio Alemany.

Justamente Mata esteve à frente do Governo balear quando foram enviados fundos desta administração para o Instituto Nóos de Urdangarin.

“Não vou ser o único da família que não se dedique aos negócios”

O Rei e atual chefe do Estado espanhol não se pronunciou sobre o caso Urdangarin. Até o momento, o único que Juan Carlos I fez é proibir a participação de sua genro em atos oficiais, segundo um anúncio feito público por Rafael Spottorno, o chefe da Casa real. Também falou indiretamente do assunto em seu discurso de Natal, em dezembro de 2011, afirmando que “qualquer atuação censurável deverá ser julgada e sancionada consoante a lei. A justiça é igual para todos”.

Durante as declarações feitas à promotoria anticorrupção no final de fevereiro, Urdangarin assinalou que o Rei lhe pediu em 2006 que rompesse relacionamentos com o Instituto Nóos, depois de conhecer a existência de milionários contratos com os governos das Ilhas Baleares e Valencia, supostamente para organizar eventos esportivos. Nessa altura, Urdangarin respondeu, segundo algumas informações jornalísticas, que ele não iria ser “o único da família que não se dedicasse aos negócios”.

 

Greve Geral: a sério só com ocupação das empresas, das ruas e das praças

Greve Geral: a sério só com ocupação das empresas, das ruas e das praças.

Portugal – Laboral/Economia Sábado, 24 Março 2012 02:00

AIT-Portugal – “A libertação d@s trabalhadoras/es só pode ser obra d@s própri@s” – e não de presidentes, ministros e deputados – ou não será libertação nenhuma!… (Máxima da antiga CGT -Confederação Geral do Trabalho portuguesa, anarco-sindicalista, destruída pelo fascismo salazarista nos anos 30 e 40 e hoje também o lema da AIT-SP (Associação Internacional d@s Trabalhadoras/es – Secção Portuguesa).


Qualquer PARTIDO não fará mais do que substituir um governo por outro! E os governos, mesmo que constituídos por ditos “representantes” do povo… GOVERNAM-SE A ELES! Porque os REPRESENTANTES dos trabalhadores NÃO SÃO OS PRÓPRIOS TRABALHADORES e quando sem o controlo pela MAIORIA do povo, em ASSEMBLEIAS LOCAIS, tenderão sempre a acumular privilégios, a afastar-se do povo e a transformar-se em novos burgueses burocratas!

Quase 50 anos de fascismo salazarista (1926 a 1974) e quase 40 de “democracia representativa” (1974 a 2012) chegam-nos para ver como alguns “representam” bem no pior dos teatros: o da MENTIRA e DA ROUBALHEIRA legal em que tanto o parlamento, como os vários parlamentosinhos locais (assembleias municipais e de freguesia) se transformaram!

Hoje, só a DEMOCRACIA DIRECTA dos trabalhadores e do povo, como chegou a funcionar logo após o 25 de Abril de 74, em ASSEMBLEIAS SOBERANAS em empresas e bairros, poderá evitar, que quaisquer representantes eleitos se corrompam e possam ser então imediatamente revogáveis e substituídos por outros, se a maioria assim o entender, não se podendo colocar acima dos que os escolheram para qualquer tarefa , mas sim sendo apenas PORTA VOZES e APLICADORES da vontade de todos!…

Mas que é que isto tudo tem a ver com a próxima greve geral?

– Tem que, sendo ela convocada pela CGTP, que agrupa hoje a maioria dos sindicatos de trabalhadoras/es mais conscientes sobre a exploração patronal e a opressão governamental, sem dúvida, continua no entanto a basear-se no REPRESENTATIVISMO e não na DEMOCRACIA DIRECTA dos trabalhadores…

– Tem que, por muito que respeitemos o esforço e o activismo voluntário, ao longo dos anos, de muitos destes camaradas trabalhadores eleitos, o REPRESENTATIVISMO não deixa de ser aquilo que o patronato, a alta finança e os seus governos se dispõem a conceder aos trabalhadores, seja na “concertação social”, seja no parlamento. E isto está a ficar cada vez mais gasto! A hora será pois cada vez mais da DEMOCRACIA DIRECTA e da ACÇÃO DIRECTA (sem intermediários) dos trabalhadores e do povo.

Porque, quando:

– “direitos fundamentais” (contratação colectiva, salários, compensação por trabalho suplementar, férias, 13º mês, compensação por despedimento, etc.), são roubados aos trabalhadores…

– estão a ser cozinhadas novas leis laborais (até Novembro) que só favorecem os mais ricos, o patronato e os altos cargos governamentais…

– a SAÚDE e os SERVIÇOS PÚBLICOS deixam de ser “direitos” e se tornam privilégios para os que os podem pagar…

É tempo então de decidirmos tod@s e agirmos directamente sobre tudo o que nos tolhe a vida e não mais tempo de esperarmos o que quaisquer “messias”, “chefes supremos” e “representantes” possam fazer! É para isso que podem servir as ASSEMBLEIAS DE TRABALHADORES e as ASSEMBLEIAS POPULARES.

Nesta próxima Greve Geral, sabemos que muit@s trabalhadoras/es temem ficar na “lista negra”para os próximos despedimentos e deslocalizações anunciados já pelo patronato, pela banca e pelo seu governo. Sabemos que quem trabalha em regime precário, com ou sem “recibos verdes”, teme a vingança dos gestores privados e públicos!…

Mas será que é só quem faz greve que está ameaçado pelos despedimentos e pelo desemprego?

Não!… Porque o que patronato, governo/s, banca eTroika (UE, BCE, FMI) pretendem é REDUZIR AO MÍNIMO AS CONDIÇÕES DE TRABALHO com o objectivo de conseguirem LUCROS CHORUDOS MÁXIMOS com o mínimo de custos! E NISTO estamos todas e todos metidos, mesmo @s trabalhadoras/es desempregad@s – que o patronato tentará utilizar para impor a todos as piores das condições! Por isso esta greve TAMBÉM É D@S DESEMPREGAD@S!

Por tudo isso, esta greve geral não será GERAL de facto nem alcançará os resultados que todos queremos – o recuo do patronato, do seu governo e da Troika – se não for:

Participada de alguma forma por toda a gente que é alvo das várias medidas antipopulares do governo e da Troika (Lei dos despejos, aumentos de preços da electricidade e serviços públicos, cortes nas pensões e apoios sociais, etc…) OCUPANDO AS RUAS E PRAÇAS;

GREVE com OCUPAÇÃO dos locais de trabalho – garantindo que nada é sabotado nem roubado pelo patronato e administrações e seus agentes;

GREVE EXPROPRIADORA – nos casos em que a administração esteja a ameaçar fechar a empresa, ocupando-a e tomando-a @s trabalhadoras/es e fazendo-a funcionar em AUTOGESTÃO – como fizeram as trabalhadoras da “Afonsinho”, em Arcos de Valdevez, durante cerca de 4 anos;

GREVE DE “CIDADANIA” – recusando-nos a desempenhar o papel de pagantes, “esmifrad@s”, obedientes passivos e bem comportadinhos, que governantes e “cães grandes” em geral esperam de nós…

 

 

 

Porque, se no dia a seguir a mais esta Grev250312_ocupae Geral tudo estiver na mesma e nada

 

 

 

houver mudado, precisaremos pensar tod@s o que teremos de fazer de forma a que estas greves não venham a ser apenas a forma de governantes, patrões e quem ao serviço deles esteja, soltarem a “válvula de escape” para que a revolta d@s trabalhadoras/es e do povo não rebente o tacho da roubalheira patronal e estatal.

À GREVE GERAL TOD@S , DIA 22 DE MARÇO! É PRECISO TRAVAR QUEM NOS ANDA A ROUBAR!

“CONCERTAÇÃO SOCIAL” – ALDRABICE PATRONAL! CONTRA A EXPLORAÇÃO – LUTA DE CLASSES!

CONTRA O DESEMPREGO – SEMANA DE 30 HORAS! CONTRA A DESLOCALIZAÇÃO -OCUPAÇÃO! AUTOGESTÃO!

SOLIDARIEDADE COM AS LUTAS D@S TRABALHADORAS/ES NO MUNDO INTEIRO: NA GRÉCIA, EM ESPANHA OU NA CHINA!

“UNID@S E AUTO-ORGANIZAD@S NÓS DAMOS-LHES A CRI$E !”

SOV – Sindicato de Ofícios Vários – do PORTO da AIT-SP (Associação Internacional d@s trabalhadoras/es – Secção Portuguesa )

The Pirate Bay combaterá a censura com servidores voadores

The Pirate Bay combaterá a censura com servidores voadores.

 

 

 

 

 

 

Rusia Today – O multirastreador de arquivos Torrent, The Pirate Bay, um dos sítios web mais perseguidos pelos advogados de Hollywood, anunciou o lançamento de aviões não-tripulados (drones) equipados com miniservidores que evitarão a censura na rede. Assim, seguirá tendo o sistema “mais resistente da Galáxia”.


O popular sítio web, cujos usuários defendem “a independência da Internet”, detalhou sua “extraordinária” estratégia: o projeto LOSS, com o qual se colocará parte do hardware de seu servidor em drones controlados por GPS.

O experimento implica habilitar miniaeronaves com ao redor de 100 Mbps a distâncias de até 50km entre cada uma para evitar o fechamento do sítio web pelos censuradores. “Desta maneira nossas máquinas terão que ser derrubadas com aviões, se quiserem apagar o sistema. Um verdadeiro ato de guerra”, informa o blog do sítio web.

Sistema invulnerável

Com este projeto, The Pirate Bay responderá às múltiplas intimidações das autoridades e “seguir tendo sistema mais resistente da Galáxia”.

“Quando chegar o momento, vamos estar em todas as partes da Galáxia, sendo fiéis ao nosso lema de ter o sistema mais resistente. E todas as peças que utilizaremos para construir este sistema poderão ser descarregadas”, anunciou a página do blog de TPB.

Fundada nos finais de 2003, The Pirate Bay é agora o portal mais perseguido do mundo, já que corporações discográficas e cinematográficas consideram que as ferramentas facilita o intercâmbio de arquivos, muitos dos quais são filmes, músicas e outros materiais protegidos pelas leis de direito de autor.

Tradução de Diário Liberdade

 

200312_tpb

Apoie Bradley Manning em particular durante a audiência 24-26 de Agosto

Bradley Manning Support Network

Apoie  Bradley Manning durante a audiência,

  24-26 de Abril

Haverá eventos em  Washington DF e internacionalmente em solidariedade ao accusado de ter estourado a boca do balão com os WikiLeaks.

Nobel Peace Prize nominee Bradley Manning’s next appearance in court will take place April 24-26 at Ft. Meade, MD. At the previous hearing on March 15th,

Bradley Manning, apontado para o Prêmio Nobel da Paz, aparece na corte militar em Forte Meade, MD, entre os dias 24 e 26 de Agosto. Na audiência anterior,de Março, o seu advogado fez uma solicitação de que todas as acusações fossem imediatamente cancelas tendo base na ausência de evidências por parte do governo Americano. Além disto uma âmpla coalição de meios de comunicacação filed a motion to submeterem uma ação contra a secrecidade no trato dos documentos da justiça militar com respeito ao julgamento, praticamente nada do que se passa na corte militar é liberado para conhecimento público. (Leia mais a respeito da incapacidade dos militares de oferecer um processo justo neste  caso.)

Estamos apelando para que os cidadão de todas as partes do mundo para se organizarem em apoio a Bradley Manning no momento desta audiência. Nossos pedidos incluem a retirada de todas as acusações contra Bradley Manning e a punição de todos os criminosos de guerra em vez de atacar aqueles que abriram as torneiras dos segredos.

Por favor, registre aqui algum evento que consiga organizar.

 

Planned events:

Tuesday, April 24 ~ 11am – 2pm

Occupy the Department of Justice (Washington DC)
Join the “Free Bradley Manning” contingent at Occupy the Justice Department The DoJ is a leading collaborating agency involved in the prosecution of accused WikiLeaks whistle-blower US Army PFC Bradley Manning. 950 Pennsylvania Avenue, NW Washington, DC – at the Department of Justice
* “Free Bradley Manning and all political prisoners”
* “End solitary confinement and stop torture”

RSVP here.

Wednesday, April 25 ~ 8am

Stand with Bradley inside and outside the courtroom (Fort Meade MD)
Join the all-day vigil for Bradley Manning at the Fort Mead Main Gate, 8am-5pm (Maryland 175& Reece Rd, Fort Meade, MD 21113). We’ll be holding signs and banners throughout the day. Supporters are also encouraged to attend the courtroom proceedings for all or part of the day. We are currently investigating chartering a bus that would leave from Washington D.C.

RSVP here.

Supporters are encouraged to attend Bradley Manning’s court martial motion hearing at Fort Meade on Tuesday, April 24. This hearing is scheduled for April 24-26, beginning at 9am daily. To attend, go to the Fort Meade Visitor Control Center at the Fort Meade Main Gate (Maryland 175 & Reece Rd, Fort Meade, MD 21113). We suggest arriving when the visitor center opens at 7:30am (if you arrive late, you should still be able to get into the courtroom later in the morning).

Supporters are also encouraged to attend the courtroom proceedings for all or part of the day on Thursday, April 26.

For more information about organizing an event in your community April 24-26, please contact emma@bradleymanning.org for ideas and resources.