Guerra é mentira | Vamos tentar a Democracia

War Is A Lie | Let’s Try Democracy.

Tradução: Tarcisio Praciano-Pereira

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

http://davidswanson.org/warisalie

Guer é uma mentira  é um livro que refuta cuidadosamenbte qualquer argumento para justificar guerras, baseado em evidência das numerosas outras gerras e colocando no foco examente estas guerras que foram amplamente defendidas como justas. É manual, uma espécie de ajuda para desmascarar as mentiras à frente das futuras guerras antes que elas comecem.

 

WAR IS A LIE is a thorough refutation of every major argument used to justify wars, drawing on evidence from numerous past wars, with a focus on those wars that have been most widely defended as just and good. This is a handbook of sorts, a manual to be used in debunking future lies before future wars have a chance to begin.

“O livro de David Swanson  Guerra é uma mentira (War Is A Lie  ) possivelmente é o melhor texto anti-guerra que seja possivel encontrar em inglês. – Kvin Young (Znet)

 

“David Swanson’s War Is A Lie (Charlottesville, VA, 2010) may be the most comprehensive antiwar statement available in the English language.” — Kevin Young, ZNet

 

“David Swanson despresa guerras e mentiras, e as desmascara com rara inteligência. Aprendi alguma coisa nova em cada página.” — Jeff Cohen, fundador de  FAIR e autor do  Cable News Confidential.

“David Swanson despises war and lying, and unmasks them both with rare intelligence. I learn something new on every page.” — Jeff Cohen, founder of FAIR and author of Cable News Confidential.

“Há três livors muito esclarecedores que eu li explicando como e porque nada que preste pode sair da dependência que os Estado Unidos atualmente tem de suas forças militares e em guerras na busca da  ‘Pax Americana’: War Is A Racket pelo General Smedley Butler; War Is A Force That Gives Us Meaning por Chris Hedges, e War Is A Lie por  David Swanson.” — Coleen Rowley, antido agente especial do  FBI, um denunciante e pessoa do ano do Time magazine.

 

“There are three insightful books I’ve read that explain how and why no good can come of the current U.S. reliance on military force and war in seeking its desired ‘Pax Americana’: War Is A Racket by General Smedley Butler; War Is A Force That Gives Us Meaning by Chris Hedges, and War Is A Lie by David Swanson.” — Coleen Rowley, former FBI special agent, whistleblower, and Time magazine person of the year.

Índice
Introdução 7
1. Guerras não se as faz contra o demônio 15
2. Guerrass não feitas em Defesa 47
3. Guerras Não feito por Generosidade 86
4. Guerras não são indispensáveis  106
5. Guerreiros  não são  Herois 131
6. Fazedores de Guerras não tem motivos  Nobres 168
7. Guerras não se prolongam pelo bem dos  Soldados 196
8. Guerras não ganhas no campo de batalha 212
9. Não se ganham Guerras, e nem se as termina aumentando-lhes o tempo  235
10. As notícias sobre as Guerras não nos chegam por Observers desinteressados 250
11. Guerras não nos trazem segurança e nem são  Sustentáveis 267
12. Guerras não são atos  Legais 291
13. Guerras tanto podem ser planejada como evitadas 312
14. Se pode pagar a Guerra se você quiser fazê-lo 323
Notes 337
Index 352
Agradecimentos 369
Sobre o Autor 371

 

Table of Contents
Introduction 7
1. Wars Are Not Fought Against Evil 15
2. Wars Are Not Launched in Defense 47
3. Wars Are Not Waged Out of Generosity 86
4. Wars Are Not Unavoidable 106
5. Warriors Are Not Heroes 131
6. War Makers Do Not Have Noble Motives 168
7. Wars Are Not Prolonged for the Good of Soldiers 196
8. Wars Are Not Fought on Battlefields 212
9. Wars Are Not Won, and Are Not Ended By Enlarging Them 235
10. War News Does Not Come From Disinterested Observers 250
11. War Does Not Bring Security and Is Not Sustainable 267
12. Wars Are Not Legal 291
13. Wars Cannot Be Both Planned and Avoided 312
14. War Is Over If You Want It 323
Notes 337
Index 352
Acknowledgments 369
About the Author 371

 

Analise com cuidado:
“Se você parar para pensar e de fato estiver preocupado; e sonhar com um Mundo novo e melhor, peço-lhe que leia este livro, eu acabei de fazê-lo. É um livro de um autor que se autopublica, escrito de forma brilhante e apaixonada, e ao mesmo tempo que que lhe fala a verdade está cheio de esperança de destruir o complexo industrial-jornalístico-congressista-imperial-presidencial-militar. É isto,  “War Is A Lie” (Guerra é uma mentira)  por David Swanson.” – Mumia Abu-Jamal.

Nota do tradutor –  Mumia Abu-Jamal é há trinta anos um prisioneiro político americano, recentemente conseguiu mostrar graves defeitos em seus processos e com isto ter sua sentença de morte ficado inviável, mas ele continua preso.

 

Praise:
“If you stop and think, and genuinely wonder; and long for a new, better world, I urge you to read a book I’ve just finished. It’s self-published, brilliantly and passionately written, and while being truthful is full of hope of destroying the military-industrial-media-congressional-imperialpresidential-complex. It’s “War Is A Lie” by David Swanson.” – Mumia Abu-Jamal.

Se as decisões para se sair para guerra fossemrealmente feitas com base na razão e em cima de fatos, em vez deserem justificadas pela ganância e poder,o brilhante livro de David Swanson iria porum fim a elas. Aqueles de nós que conhecemos Davidentendemos   que ele escrevee de forma rápida,eloquente, honestae poderosamente,  seguindo umfio lógicoao longo de todo o caminho até a sua conclusão. Ele tem a mente de um filósofo com a precisão de um computador e  sempre mantém uma indignação justificável, uma raiva moral das mentiras dos criminosos que fazem guerra..deixando claros os seus crimes, detalhandoa carnificina que operam, abrindo buracos em suas desculpas.A leitura de War Is a Lie é como ler War Prayer “, de Mark Twain,apenas no formato de livro.  Steve Cobble,IPS Associar Fellow, PDA co-fundador, co-fundadorAfterDowningStreet.org, Jackson & Kucinich conselheiro de campanha.

 

“If decisions to go to war were really made on the basis of reason and facts, rather than greed and power, David Swanson’s brilliant new book would put a stop to them. Those of us who know David understand that he writes quickly and eloquently, speaks honestly and powerfully, and follows a logical point all the way to its conclusion. He has a philosopher’s mind with a computer’s precision. And he always maintains a justifiable moral outrage at the lies of the war criminals — calling out their crimes, detailing their carnage, poking holes in their excuses. Reading ‘War Is a Lie’ is like reading Mark Twain’s ‘War Prayer,’ only in book form.” — Steve Cobble, IPS Associate Fellow, PDA co-founder, AfterDowningStreet.org co-founder, Jackson & Kucinich campaign advisor.

Apesar de os americanos elejam líderese que eles confiam que sejam honestos,corretos e realmente se preocupem com as crianças que eles enviam para morte em nome donosso país, War Is A Lie revela década após década o lado sórdidodesta história  que os nossos representantes eleitosnos mentem sobre as  guerrascom impressionante e embaraçosa regularidade e estão pouco preocupados com os danos causados a civis inocentes, muito menoscom os  membros do nosso próprio exército “- coronel (aposentado) Ann Wright, autor deDissent:. Vozes da Consciência.

 

“While Americans elect leaders whom they trust are honest, truthful and really care about the kids they send to kill for our country, War Is A Lie reveals decade after decade the sordid side of our history — that our elected officials lie us into war with stunning and embarrassing regularity and are little concerned about the harm to innocent civilians, much less to members of our own military.” — Colonel (retired) Ann Wright, author of Dissent: Voices of Conscience.

 

________________________________________

A respeito da Publicação e venda:
O livro está sendo vendido por um preço um pouco superior ao preço de custo (incluindo gastos para o envio), de tal forma que os grupos pacifistas possam comprá-lo em quantidade e revender com algum lucro ou mesmo distribuí-lo em eventos ou nas entradas dos pontos de recrutamento militar. Ao comprar 10 ou mais na página o preço será apenas de $10 por livro (isto paga os cusotos de envio), é a metade do preço de venda.

 

About the Publication and Sale:
I’m making the book available at little more than cost (including shipping cost), so that peace and justice groups can buy it in bulk and sell it for their own profit or distribute it at events or outside recruiting stations. If you buy 10 or more through this website, the price is only $10 each (which covers shipping too), half the list price.

Voce também pode ficar com um e distribuir 9 como presente, inclusive para o seu representante no Congresso.

 

You can also keep one and give nine great holiday gifts to friends and elected representatives.

 

Desisti de três grandes editoras que queriam publicar o livro em 2011 ou 2012 para fazer a publicação por mim mesmo em 2010. A auto-publicação elimina grandes lapsos de tempo e permite que um lucro maior venha para as mãos do autor. Comprando este livro você dá apoio ao meu trabalho não o de uma editora.

I’ve turned down three major publishers who wanted to publish this book in 2011 or 2012 in order to publish it myself in 2010. Self-publishing avoids huge delays and allows more of the profit to go to the author. Purchasing this book supports my work, not a corporation.
________________________________________

 

CLIPS

 

I discuss the new book in this radio interview with Coy Barefoot: Listen here.
And this additional one with Coy Barefoot: Listen here.
Also this one with Bob Connors and Don Thompson: Listen here.
Another from OpEdNews: Listen here.
Here’s one from Antiwar.com: Listen here.
And the FireDogLake Book Salon is archived here.
Here’s audio from KPFK’s World Focus: Listen here.
Here’s an interview on KOPN: Listen here.
Here’s a lengthy interview on Radio Active Lunch: Listen here.
Here’s an hour with Christianne Brown: Listen here.
Deanna Spingola was an informed host with good calls from listeners. This audio is choppy for first 30 seconds or so, just speed past that: mp3.
________________________________________

 
Click for very large PDF of front cover:

agencia@apn.org.br Neste 1º de Maio somos todos trabalhadores do Comperj

Neste 1º de Maio somos todos trabalhadores do Comperj

APN – Agência Petroleira de Notícias | http://www.apn.org.br

Neste 1º de Maio somos todos trabalhadores do Comperj

O Complexo Petroquímico do Estado do Rio de Janeiro é a segunda maior obra
do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) no Brasil, incluindo duas
refinarias. As empresas encarregadas da construção estão recebendo mais de
R$ 15 bilhões, repassados pela Petrobrás. Trabalham atualmente no Comperj
cerca de 16 mil operários.Trabalhadores estão em greve há mais de 20 dias.

Mas assim como os consórcios, a direção da Petrobrás, que projetou a obra,
está tratando os trabalhadores como bandidos.

Trabalhadores estão em greve há mais de 20 dias

Os operários estão parados desde 9 de abril. Apesar do alto lucro das
empresas, os trabalhadores têm sido tratados sem nenhum respeito. A comida é
servida estragada. Os trabalhadores de outras regiões do país não têm
direito a folga para visitar as famílias, como manda a legislação.

O FGTS não está sendo depositado há mais de seis meses. Apesar de estarem na
data-base, os consórcios (empresas) estão ignorando as reivindicações dos
trabalhadores e não apresentam nenhuma proposta. As empresas não pagam hora
extra nem têm banco de horas.

Obra pode dobrar de valor!

Apesar de maltratarem os trabalhadores e desrespeitarem seus direitos, as
empresas podem faturar o dobro do que estava inicialmente previsto: a obra
pode custar aos cofres públicos R$ 31 bilhões!

O Sindipetro-RJ apresentou denúncia ao Ministério Público Federal (MPF) para
apurar a origem e o destino de todo esse dinheiro. Também vai entrar com
denúncia junto ao Tribunal de Contas da União (TCU). Dentre as empresas que
atuam no canteiro de obras estão a Delta e a Locanty, acusadas de
superfaturamento. A sociedade está indignada com o mau uso do dinheiro
público e com o desrespeito aos trabalhadores!

Os trabalhadores do Comperj precisam da nossa solidariedade! A greve é justa
e tem que continuar até a conquista das reivindicações. Parados há mais 20
dias, os trabalhadores em greve estão sem salário, enquanto os supervisores
continuam recebendo.

DOAÇÃO DE ALIMENTOS

Por enquanto, estamos recebendo cestas básicas ou um quilo de alimento não
perecível. As doações podem ser feitas no Sindipetro-RJ:

RIO: Avenida Passos, 34, no centro (próximo à Praça Tiradentes). Telefone
3034-7300.

ITABORAÍ: Rua Mendonça Sobrinho, 57, sala 3. centro. Telefone 2645-7288.

BASES DA PETROBRÁS:

Nas bases da Petrobrás, o carro do Sindipetro-RJ vai recolher a doação de
alimentos

Fonte: Agência Petroleira de Notícias

Leia mais

A municipalidade de Aveiro – Portugal promovendo a bicicleta

Copenhagenize.com – Bicycle Culture by Design: copenhagenize heroes.

A Municipalidade de  Aveiro em Portugal  produziu  este belo filme promovendo o ciclismo na cidade.

It’s springtime in Year 3 of the Bicycle Boom and the number of films about cycling are many. When a municipality produces a film like this, however, it really gives me hope that this bicycle thing is gonna stick.

É a primaver e o Ano 3 do boom do ciclismo, e a quantidade de filmes que mostram o ciclismo como a grande alternativa são muitos. Quando uma municapalidade produz um filme deste a gente começa a pensar que a coisa vai pegar.

Copenhagenize.com – Bicycle Culture by Design: Hungarian Bike to Work Campaign

Copenhagenize.com – Bicycle Culture by Design: Hungarian Bike to Work Campaign.

Se houvesse um campeonato mundial sobre Promoção Positiva da Bicicleta os húngaros corriam o risco de ganhar.

If there were a World Championship for Promoting Cycling Positively, the Hungarians would be the bookmakers favourites to win every time.

Mas infelizmente esta competição não existe. Os holandeses seriam possivelmente os único competidores à altura, mesmo assim haveria o risco de que os húngaros ganhassem, por uma pequena margem, por que eles estão dando um duro para aumentar o ciclismo nas cidades e estabelecendo uma cultura de ciclistas, isto os colocaria na primeira linha.
There’s simply very little competition out there to compete with them. The Dutch would be the only real competitors. Even so the Hungarians would probably win by a spoke simply because they’re working towards increasing urban cycling and estabishing a bicycle culture and that energy would put them over the line first.

O filme acima foi feito para a campanha nacional campanha nacional Vá de bicleta para o trabalho (Bike to Work campaign – Bringázz a Munkába.Aqui está uma outra forma de promover a bicicleta da mesma campanha mostrando que muitos ainda a bicicleta uma possibilidade baixa como candidato nas movimentaçoes urbanas
The above film is for the national Bike to Work campaign – Bringázz a Munkába. Showing cycling as normal and accepted. Highlighting community. Here’s another one from the same campaign, showing what many might consider to be an unlikely candidate for cycling to work enjoying his commute. Selling it positively:

(vá à página e veja o filme – é filme sem som, a imagem diz tudo)

http://www.copenhagenize.com/2010/02/hungarian-bike-to-work-campaign.html

A federação húngara de ciclistas – Magyar Kerékpárosklub- é uma legenda da promoção do ciclismo.  Tive o prazer de me encontrar com eles para discutir a promoção comportamental nas campanhas. Eles sáo extremamente bem informados e apaixonados, sentar a mesa com eles é simplesmente infeccioso. Eles estão com o foco na questão do ciclismo urbano, reestabelecer a bicicleta como uma forma respeitável de transporte, tendo cuidado com os aspectos culturais que a questão envolve mas objetivando levar o cidadão comum para o ciclismo. Examine mais neste ensaio As dificuldade impostas pelo hábito.

The Hungarian Cyclists Federation – Magyar Kerékpárosklub – are legends at promoting cycling positively. I’ve had the pleasure to meet with them and discuss promotion and behavioural campaigns. They are extremely well-informed and passionate and just sitting around a table with them is infectious. Their focus is, rightly, on mainstreaming urban cycling. Reestablishing the bicycle as a respected transport option. Respecting the sub-cultural aspects but aiming high at getting regular citizens to ride. For more about that there’s always the Behavourial Challenges for Urban Cycling essay.

Aqui outro filme da campanha. E temos aqui bastante húngaros que leem este blog e que podem fazer-lhe a tradução.

Here’s another film from the campaign. We have enough Hungarian readers on this blog to be able to muster a translation, don’t we? Chuck ‘em into the comments.

E aqui outro clip de uma outra campanha – Vá para o trabalho de bicicleta Fique certo de que há outras cidades pelo mundo que estão fazendo a coisa certa, investindo em campanhas que mostram que a viagem urbana de bicicleta é rápida, sem grande esforço, e agradável. Temos vários clips neste blog mostrando como outra cidades estão promovendo a bicicleta.

And here’s an advert from a previous Bike to Work campaign: Rest assured, there are other cities doing the right thing and investing in campaigns that portray urban cycling for what it is; quick, effortless, enjoyable, etc. We have a few of them in this post about How Other Cities are Promoting Cycling.

 

And here’s an advert from a previous Bike to Work campaign: Rest assured, there are other cities doing the right thing and investing in campaigns that portray urban cycling for what it is; quick, effortless, enjoyable, etc. We have a few of them in this post about How Other Cities are Promoting Cycling.

Porém há municipalidades que não conseguiram entender a questão básica como no clip mostrado na outra reportagem a respeito da forma ridícula de promover a bicicleta em Los Angles.
But then there are cities who haven’t understood the marketing basics. Like the last film in the above post about other cities, or the laughable attempt at ‘promoting’ cycling from Los Angeles DoT.

 

 

 

 

The President

Estavamos falando de campeões mundiais em que o prêmio é um aumento significativo do número de Cidadãos Ciclistas, em cidades que promovam o ciclismo enfrentando os preconceitos centrados no automobilismo, algumas municipalidades não chegariam a meta final enquanto que cidades como Budapest venceriam e já vão sentir os benéficios da vitória.
If we’re talking World Championships, with the prize being a sharp rise in the number of Citizen Cyclists, cities that promote cycling with fear myths and car-centric angles won’t even finish the race while cities like Budapest et al will win all the amazing societal benefits to be won.

Estive brincando com uma série de fotos de Herois de de Copenhagen, fotos de gente que eu tive a satisfação de encontrar com na bicicleta e que me inspiram assim como a cidade de Copenhagen.Vamos logo começando:

Copenhagenize Hero #1 – Janos Laszlo, Presidente do Clube Húngaro de Ciclismo( of the Hungarian Cyclists Club). Pelos seu otimismo sem fronteiras, por sua paixão e objetivo visionários em colocar de volta a bicicleta em na Hungria na sua campanha Cidadão  na Bicicleta (Citizen Cyclists) no pais afora.

I’ve been toying with the idea of a series of Copenhagenize Heroes photos. Portraits of people I’ve been lucky enough to meet on my bicycle travels and who inspire me and Copenhagenize. Let’s start tout suite.

Copenhagenize Hero #1 – Janos Laszlo, President of the Hungarian Cyclists Club. For his undying optimism, passion and visionary goals for putting the bike back into Hungary, under the bottoms of Citizen Cyclists across the land.

 

 

Polícia Espanhola molesta pai com filhas na bicicleta – Copenhagenize.com – Bicycle Culture by Design:

Copenhagenize.com – Bicycle Culture by Design: Spanish Police Harass Father on Bicycle.

Publicado em greensavers.pt

Apesar dos esforços de alguma sociedade civil em trabalhar pela mudança de mentalidades, há comportamentos que nunca mudam. Que o diga o inglês Olivier Green, detido na semana passada pela polícia de Pozuelo de Alarcón, subúrbios de Madrid, por levar as suas filhas à escola nesta bicicleta (ver foto).

 

 

 

Segundo conta o britânico no seu blog, os agentes da autoridade abordaram-no de forma agressiva, disseram que a bicicleta não estava homologada para levar crianças e chegaram a pedir uma ficha técnica do veículo, algo que não existe.

 

“A bicicleta é uma Kemper Pack Max Duo, com uma cadeira Bobike Junior e uma Bobike Maxi, ambas homologadas segundo as normas europeias. As minhas filhas têm cinco e dois anos”, explicou Green no seu blog, criado após este episódio.

 

Como conta o cidadão inglês, os polícias implicaram depois pelo facto de ele pedalar 200 metros pelo passeio – para evitar uma parte mais perigosa da Av. Juan XXIII – quando, há dias, a própria polícia lhe tinha dito para ir por aquele local, por ser mais seguro para as crianças.

 

“Acabaram por ficar com os meus dados e vão redigir um carta para a Câmara e outra para os serviços sociais, por ser um pai irresponsável. Um disparate e um absoluto abuso de poder. Há anos que utilizo a bicicleta como meio de transporte diário e levo as minhas filhas ao colégio todos os dias, desde que se começaram a sentar”, explicou Green.

 

“Estou indignado. Indignado por aguentar estas tontarias quando há carros a fazer infracções de todo o tipo, incluindo a falta de respeito pelos ciclistas, pela falta de infra-estruturas adequadas, pelo mau gasto dos dinheiros públicos e dos recursos policiais”, desabafou Green.

 

Entretanto, a história chegou ao mediático Copenhagenize, que está apelar aos seus leitores que passem pelo site do Ayuntamiento de Pozuelo de Alarcón, nem que seja para os responsáveis da cidade terem um outro ponto de vista sobre o incidente.

 

 

 

 

 

Dia primeiro de Maio de 2012 | May Day 2012

http://maydaynyc.org/may-day-2012

MAY DAY 2012

 

 

 

Nós estamos ainda em processo de planejamento, eventos, ações e ajuda mútua para o 1º de Maio, isto quer dizer que você ainda pode dar sua opinião sobre a forma como desejar se juntar a nós. Junte-se ao movimento, ajude, organize!

We’re still in the process of planning events, actions, and mutual aid on May 1st — that means that you have a voice in what it’s going to look like. Join us and help organize!

 

QUE VAI ACONTECER NO 1º DE MAIO?

WHAT’S HAPPENING ON MAY DAY?

No 1º de Maio estamos criando uma espécie de feriado –  O Feriado do Povo – apenas não deve ter o sentido consumista, pelo contrário vamos imaginar um mundo além do consumo.

On May 1st, 2012, we are creating a new kind of holiday – A People’s Holiday – one that’s not just another flavor of consumerism, but which invites us to image a world beyond consumerism.

Pedimos-lhe escolha uma alternativa na comemoração deste dia

1) Se não gosta do que faz, não o faça! Use o dia para fazer alguma coisa que você goste de fazer.

2) Se você gosta daquilo que faz, faça-o de graça! Dê um salto qualitativo, leve aquilo que você faz (e gosta) para o público.

 

We ask you to do one of two things to commemorate this day:

1) Don’t like what you do? Don’t do it. Take one day to do something you love instead.

2) Love what you do? Do it for free. Take it to the next level and bring it to the public.

É este o sentido de uma greve, atualmente. Se junte a nós na tentativa de imaginar uma outra forma de vida.

This is what it means to strike today. Join us as we imagine another way of living.

PROGRAMA DO 1º DE MAIO

MAY DAY SCHEDULE

Observe que este programa é experimental. Datas e locais estão sujeitos à mudanças (radicais).

Note: this schedule is tentative. All times and locations are subject to (radical) change.

8 da manhã –  2 da tarde — BRYANT PARK (PARQUE BRYANT)

8 A.M. TO 2 P.M. — BRYANT PARK

O parque Bryant será um lucar divertido, “Ocupação Popular” onde você vai encontrar comida gratuita, mercado livre, serviços gratuitos, jogos, sessões de trabalho, momentos de aprendizagem, discursos, arte em público, teatro, discussões e treinamento.

Bryant Park will be the site of a fun and friendly “Pop-up Occupation”, featuring free food, a free market, free services, skillshares, workshops, teach-ins, speak outs, public art, performances, discussions, and trainings.

É um teatro para ação direta de desobediência civil no centro da cidade ao longo do dia: disrupções creativas, bloqueio de bancos, vamos chegar aos que estiverem em trânsito, turistas, enfim isto e mais.

This will be a staging area for direct action and civil disobedience in Midtown throughout the day: creative disruptions, bank blockades, outreach to commuters and tourists, and more!

Entre as ações autonomas estaremos nos preparando para os nossos piquetes-99. Estaremos colocando linhas de piquete 99 para expor, fechar as empresas que dirigem a nossa cidade – será uma forma efetiva para a população entrar nas atividades da tarde do 1º de Maio.  Não esqueça de enviar sua mensagem de sugestão para  99PicketLines@gmail.com

Amongst many autonomous actions, this will also be the launching ground for our 99 Pickets! We will be setting up 99 Picket Lines to expose, disrupt, and shut down the corporations who rule our city — it will be an effective way for people to plug into the morning activities on May Day. Drop a line to the organizers to get plugged in: 99PicketLines@gmail.com

De noite haverá um show de guitarra e um ensaio para Ocupar Guitarmy com Tom Morello.

At noon there will be a guitar workshop and rehearsal for the Occupy Guitarmy with Tom Morello.

2 da tarde. — MARCHA PARA UNION SQUARE

2 P.M. — MARCH TO UNION SQUARE

Manifestação com música ao som de Occupy Guitarmy sob a direção de Tom Morello do grupo Rage Against the Machine (Raiva Contra a Máquina) !  O OWS (Ocupar a Wall Street) está com uma lista de 1.000 músicos com suas guitarras que se vão juntar a nós nesta marcha. Não se esqueça de entrar em contacto com OWS Music se você quer apresentar a sua especialidade.

March and make music with the Occupy Guitarmy, led by Tom Morello from Rage Against the Machine! OWS Music is enlisting 1,000 guitar-playing musicians to join this march. Please contact OWS Music if you would like to be a specialist.

4 da tarde . — MANIFESTAÇÃO UNITÁRIA NA UNION SQUARE

4 P.M. — UNITY RALLY AT UNION SQUARE

A coalisão Solidariedade no 1º de Maio  organizou uma concentração histórica para 99%!

The May Day Solidarity Coalition has organized an historic convergence of the 99%!

Junte-se ao Ocupação da Wall Street, sindicatos, justiça para os imigrantes, estudantes, comunidades religiosas e grupos comunitários que vamos fazer uma enorme manifestação, com permissão, segura, na Union Square.

Join Occupy Wall Street, labor unions, the immigrant justice coalition, students, and faith & community groups will hold a massive, permitted, safe rally at Union Square.

Perfomances musicais por Das Racist, Dan Deacon, Imortal Technique, Tom Morello, Bobby Sanabria e outros convidados.

Musical performances by Das Racist, Dan Deacon, Immortal Technique, Tom Morello, Bobby Sanabria, and other special guests.

5:30 da tarde — MARCHA DA SOLIDARIEDADE COMEÇANDO NA  UNION SQUARE

5:30 P.M. — SOLIDARITY MARCH STARTING AT UNION SQUARE

Uma marcha com permissão, segura, partindo da Union Square para a Wall Street sob a colisão sindicatos,, imigrantes, OWS, estudantes, e organizações religiosas.

A permitted, safe march from Union Square to Wall Street with a coalition of labor, immigrant, OWS, student, and faith organizations.

8 da noite. — DEPOIS DA FESTA COM  OWS

8 P.M. — AFTERPARTY WITH OWS

Todos que participaram da marcha de solidariedade vão se juntar no ponto final para ouvir música, discursos numa celebração excitante para terminar a nossa reunião histórica.

Everyone from the solidarity march will gather together at the endpoint of our march for music, speakers, and an exciting celebration to culminate this historic convergence.

 

 

TRANSFORMMANDO O CENTRO  DE  NEW YORK

TRANSFORMING NEW YORK CITY

Ao somar estas açções em conjunto nós iremos transformar o centro da nossa cidade num mundo melhor.

In addition to these convergences, many more actions will transform our city into a better world:

EDUCAÇÃO

EDUCATION

De 10 da manhã até  3 da tarde, A Universidade Livre irá estreiar em no parque da Madison Square

From 10 a.m. to 3 p.m., The Free University will spring up in Madison Square Park.

A Universidade Livre  é um convite aberto aos educadores da região de New York para participarem do 1º de Maio de 2012.

The Free University is an open invitation to educators around New York City to participate in May Day 2012.

Aulas, sessões de trabalho, testes e discussões serão desenvolvidas – tudo aberto ao público. Professores universitários vão levar suas aulas ao povo.

Lectures, workshops, skill-shares, and discussions will be held — all open to the public. University professors will bring their classes to the commons.

ARTE

ART

Sessões de Arte irão se espalhar pelo centro da cidade transformando-o em exibição em movimento.

Arts and performances will permeate the city, transforming it into a living, walking exhibition.

A apresenta de um coro imenso com centenas de pessoas cantando. Brigadas de dançarinos. Projeções nas paredes dos prédios. Grupos de palhaços. Duendes radicais, Guitarmy, acrobatas, pinturas ao vivo, músicos diversos. Uma belíssima explosão artística para acender os espíritos da população na tentativa de recreio para si e para o mundo à volta. Se inscreva em http://www.call2create.org

A massive choir performance, with hundreds of people singing to draw others out. Dance brigades. Projections on buildings. Teams of clowns. Radical faeries. A Guitarmy. Acrobats. Live painting. Musicians of every kind. A beautiful explosion of art will light the way for people trying to recreate themselves and their world. Join in at http://www.call2create.org

MORADIA

HOUSING

A moradia hipotecada será defendida, casas fechadas serão reocupadas.

Foreclosed homes will be defended, and empty homes will be reoccupied.

TRABALHO

WORK

Os locais de trabalhos devem começar a ser geridos pelos seus trabalhadores

Workplaces will begin to be run by workers.

 

 

SOLIDARIEDADE E APOIO

SUPPORT AND SOLIDARITY

AQUI ESTÁ UMA LISTA DE ALGUMAS DAS MUITAS ORGANIZAÇÕES EM APOIO A UM DIA SEM OS 99%

THESE ARE JUST SOME OF THE MANY LOCAL ORGANIZATIONS SUPPORTING A DAY WITHOUT THE 99%:

AFSCME DC 1707

AFSCME CSEA Region 2

AFSCME Local 371 (SSEU)

AFSCME Local 372 DC 37

AFSCME Local 375 DC 37

AFSCME DC 37 Retirees Association

AFT Local 2334 (PSC-CUNY)

American Federation of Musicians Local 802

Anakbayan NY/NJ

Answer Coalition

BAYAN-USA

Brandworkers

Centro Guatemalteco Tecun Uman

Coalition for Public Education (CPE)

Committees of Correspondence

Community/Farmworker Alliance NYC CWA District 1

CWA Local 1180

CWA Local 31003 The New York Newspaper Guild

Domestic Workers United

Filipinas for Rights and Empowerment (FiRE)

Freedom Socialist Party

GABRIELA

Greater NY Labor-Religion Coalition

Green Party of NYC

Guyanese American Workers United

Honduras USA Resistencia

IBT Joint Council 16

IBT Local 808

IBT Local 814

Immigrant Workers Movement

Industrial Union Council New Jersey

International Association of Theatrical Stage Employees

International Action Center

International Socialist Organization

Jornaleros Unidos de Woodside

Kurland Group

La Fuente

La Pena del Bronx

Labor for Palestine

Left Labor Project

LIUNA Local 10

LIUNA Local 78

LIUNA Local 79

Long Island Workplace Project

Make the Road New York

May 1st Coalition National Alliance for Filipino Concerns (NAFCON)

National Domestic Workers Alliance

National Immigrant Solidarity Network

National Jobs for All Coalition

New York Broadcast Trades Council

New York City Central Labor Council, AFL-CIO

New York City Labor Against the War

New York City LCLAA

New York Committee for Human Rights in the Philippines (NYCHRP)

New York Committee in Solidarity with the People of El Salvadore

New York Communities for Change

New York Immigration Coalition

New York Taxi Workers Alliance

NYS District Communist Party USA

Occupy Sunset Park

Occupy Wall Street

Operation Power

Organization of Staff Analysts

Pakistan USA Freedom Forum

Philippine Forum

Restaurant Opportunities Center of New York

Retail Action Project

RWDSU

School of Americas Watch (SOA Watch)

1199SEIU

SEIU 32BJ

Senegalese Workers Association

Sisa Pakari Cultural & Labor Center

TWU Local 100

UAW Region 9A

UAW Local 1981

UNITE HERE Local 100

United NY

Veterans for Peace Chapter 3 NYC

Workers United, SEIU

Workers World Party

Writers Guild of America, East Coast

 

Se houver interesse de sua organização de endossar o “dia sem os 99%” por favor entre em contacto conosco.

If your organization would like to endorse A Day Without the 99%, please contact us.

 

ESTAS ASSEMBLÉIAS GERAIS JÁ RESPONDERAM AO CHAMADO PARA A GREVE GERAL.

THESE GENERAL ASSEMBLIES HAVE ANSWERED THE CALL FOR A GENERAL STRIKE:

Occupy Atlanta, GA

Occupy Albany, NY

Occupy Amherst, MA

Occupy Baltimore, MD

Occupy Bellingham, WA

Occupy Boston, MA

Occupy Bozeman, MT

Occupy Brooklyn, NY

Occupy Buffalo, NY

Occupy Burlington, VT

Occupy Bushwick, NY

Occupy Chicago, IL

Occupy Cleveland, OH

Occupy Dayton, OH

Occupy Delaware

Occupy Detroit, MI

Occupy Durango, CO

Occupy Ft. Lauderdale, FL

Occupy Fullerton, CA

Occupy Honolulu, HI

Occupy Huntington, WV

Occupy Indiana

Occupy Irvine, CA

Occupy Las Vegas, NV

Occupy Long Beach, CA

Occupy Long Island, NY

Occupy Los Angeles, CA

Media Consortium

Occupy Melbourne, AU

Occupy Miami, FL

Occupy Minneapolis/Twin Cities, MN

Occupy Mira Monte, CA

Occupy Naples, FL

Occupy New Jersey

Occupy Oakland, CA

Occupy Ottawa, ON, Canada

Occupy Oxnard, CA

Occupy Pasadena, CA

Occupy Philadelphia, PA

Occupy Phoenix, AZ

Occupy Portland, OR

Occupy Providence, RI

Occupy Richmond, VA

Occupy Riverside, CA

Occupy San Diego, CA

Occupy San Fernando Valley, CA

Occupy San Jose, CA

Occupy Santa Cruz, CA

Occupy Schenectady, NY

Occupy Seattle, WA

Occupy St. Louis, MO

Occupy Sydney, AU

Occupy Tacoma, WA

Occupy Tampa, FL

Occupy Venice, CA

Occupy Ventura, CA

Occupy Washington, D.C.

Occupy Williamsburg, NY

Occupy Wall Street

 

RECURSOS

RESOURCES

Mutual Aid on May Day

The Free University of New York

Fliers and Posters

Facebook Event Page

May Day Solidarity Coalition

May 1st Coalition for Immigrant & Worker Rights

Map of Planned Actions and Resources You May Like to Know About

Art Strike + Call2Create

 

 

 

 

Site maintained by the Direct Action Working Group of the New York City General Assembly.

Contact: mayday@nycga.net

Governador Malloy no ato de eliminação da pena de morte em Connecticut

OVERNADOR. MALLOY NA ASSINATURA DA LEI ELIMINANDO A PENA CAPITAL – CONNECTICUT

(HARTFORD, CT) – Governador Dannel P. Malloy hoje distribuiu o seguinte comunicado depois de assinar  S.B. 280, A lei revisando a pena capital:

(HARTFORD, CT) – Governor Dannel P. Malloy today released the following statement after signing S.B. 280, An Act Revising the Penalty for Capital Felonies:

“Hoje no final da tarde eu assinei a lei que a partir de hoje substitui a pena capital por prisão perpétua sem possibilidade de libertação como a mais alta penalidade em  Connecticut.  Apesar de ser um momento histórico – Connecticut se junta a mais  16 outros estados e o resto do mundo industrializado ao tomar esta decisão – na verdade é um momento para reflexão e não celebração.

“This afternoon I signed legislation that will, effective today, replace the death penalty with life in prison without the possibility of release as the highest form of legal punishment in Connecticut.  Although it is an historic moment – Connecticut joins 16 other states and the rest of the industrialized world by taking this action – it is a moment for sober reflection, not celebration.

Muitos de nós que têm defendido esta posição ao longo dos anos vem dizendo que há um componente moral de nossa oposição à pena de morte. Para mim, isso é certamente o caso. Mas isso não significa nem deveria significar  que eu questione a moralidade daqueles que são a favor da pena capital. Eu certamente não o faria. Conheço muitas pessoas que eu respeito profundamente, incluindo amigos e familiares, que acreditam que a pena de morte sea justa. Na verdade, a questão não conhece fronteiras: não de partido político, não de gênero, idade, raça ou qualquer outro item demográfico. É, ao mesmo tempo, uma das questões mais instigantes e vexatórias do nosso tempo.

“Many of us who have advocated for this position over the years have said there is a moral component to our opposition to the death penalty.  For me, that is certainly the case.  But that does not mean – nor should it mean – that we question the morality of those who favor capital punishment.  I certainly don’t.  I know many people whom I deeply respect, including friends and family, that believe the death penalty is just.  In fact, the issue knows no boundaries: not political party, not gender, age, race, or any other demographic.  It is, at once, one of the most compelling and vexing issues of our time.

“Minha posição sobre a adequação da pena de morte em nosso sistema de justiça criminal evoluiu durante um longo do tempo. Quando jovem, eu era um partidário da pena de morte. Então eu passei anos como promotor e acompanhei o caso de  criminosos perigosos no tribunal, incluindo assassinos. Nas lides dos tribunais, eu aprendi em primeira mão que o nosso sistema de justiça é muito imperfeito. Embora seja um bom sistema projetado com os mais altos ideais de nossa sociedade democrática em mente, como a maioria das experiências humanas, está sujeita à falibilidade das pessoas que dele participam. Eu vi pessoas  mal servidas por seus conselheiros. Eu vi pessoas injustamente acusadas ou erroneamente identificadas. Eu vi a discriminação. Ao passar pelo  testemunho dessas coisas, passei a acreditar que acabar com a pena de morte era a única maneira de garantir que ela não seria aplicada injustamente.

“My position on the appropriateness of the death penalty in our criminal justice system evolved over a long period of time.  As a young man, I was a death penalty supporter.  Then I spent years as a prosecutor and pursued dangerous felons in court, including murderers.  In the trenches of a criminal courtroom, I learned firsthand that our system of justice is very imperfect.  While it’s a good system designed with the highest ideals of our democratic society in mind, like most of human experience, it is subject to the fallibility of those who participate in it.  I saw people who were poorly served by their counsel.  I saw people wrongly accused or mistakenly identified.  I saw discrimination.  In bearing witness to those things, I came to believe that doing away with the death penalty was the only way to ensure it would not be unfairly imposed.

“Outro fator que me levou aos dias de hoje é o “inaplicabilidadeda pena de morte de Connecticut lei. Nos últimos 52 anos, apenas 2 pessoas foram condenados à morte em Connecticut  e ambos se ofereceram para tal. Em vez disso, as pessoas deste estado pagam por recurso após recurso, e, em seguida, assistem os condenados  um a um  marchando na frente das câmeras, dando-lhes uma plataforma de atenção  pública que não merecem. É uma atenção sórdida que dilacera feridas que nunca se curam. Os 11 homens atualmente no corredor da morte em Connecticut com muito maior probabilidade  morrerão de velhice do que pela pena capital.

“Another factor that led me to today is the ‘unworkability’ of Connecticut’s death penalty law.  In the last 52 years, only 2 people have been put to death in Connecticut – and both of them volunteered for it.  Instead, the people of this state pay for appeal after appeal, and then watch time and again as defendants are marched in front of the cameras, giving them a platform of public attention they don’t deserve.  It is sordid attention that rips open never-quite-healed wounds.  The 11 men currently on death row in Connecticut are far more likely to die of old age than they are to be put to death.

Como nos anos anteriores, a campanha para abolir a pena demorte em Connecticut foi apoiada por dezenas de familiares de vítimas de assassinato, e alguns deles estiveram presentes, quando eu assinei esta legislação hoje. Nas palavras de um destes sobreviventea: ‘Agora é a hora para iniciar o processo de cura, um processo que poderia ter sido iniciado décadas antes, com a finalidade de uma sentença de prisão perpétua. Não podemos nos  dar ao luxo de colocar em espera a vida dessas vítimas secundáriasPrecisamos permitir-lhes encontrar uma nova maneira  para começar a viver de novo. Talvez seja essa amensagem mais convincente de todas.

“As in past years, the campaign to abolish the death penalty in Connecticut has been led by dozens of family members of murder victims, and some of them were present as I signed this legislation today.   In the words of one such survivor: ‘Now is the time to start the process of healing, a process that could have been started decades earlier with the finality of a life sentence. We cannot afford to put on hold the lives of these secondary victims.  We need to allow them to find a way as early as possible to begin to live again.’  Perhaps that is the most compelling message of all.

À medida que nossos estados passam para  além deste debate divisivo, espero que todos nós possamos redobrar nossos esforços e trabalho comum para melhorar a justiça e integridade de nosso sistema de justiça criminal, e para minimizar a sua falibilidade.

“As our state moves beyond this divisive debate, I hope we can all redouble our efforts and common work to improve the fairness and integrity of our criminal justice system, and to minimize its fallibility.”

A ponte 25 de Abril

A ponte 25 de Abril

Tarcisio Praciano Pereira

quarta-feira, 25 de Abril de 2012

Eu moro em frente a um dos estacionamentos de veículos da Universidade
de Aveiro e ao acordar, todos os dias, abro a grande cortina do
janelão do apartamento para logo ver a massa de carros já
estacionados em frente à minha janela, ao lado da Biblioteca da
Universidade de Aveiro.

Como sempre abri, hoje, a cortina para ver encontrar o estacionamento vazio!
Esta é a forma como fico sabendo quando é feriado! Como não sou português
a minha reação foi de surpresa, a de ver o estacionamento vazio numa
quarta-feira, olhei o relógio: 25 de Abril!

Há muita coisa aqui que faz referência ao 25 de Abril, até nas conversas do
dia a dia, apenas eu não tenho o hábito de olhar para o calendário todos os
dias! Mas é claro que já sabia, desde muito o que siginfica esta data.

Em Lisboa há uma grande ponte conectando o centro da capital com uma cidade vizinha,
Almada, que faz parte do grande conglomerado urbano que se costuma chamar Lisboa.
Na wikipedia se pode ler a história da ponte, o que me interesse é a parte final
da história,

Ponte 25 de Abril1 de 1974 - Revolução dos Cravos que devolveu a democracia a Portugal

A ponte tinha um nome não muito digno, o do ditador que atrazou Portugal por algumas décadas,
e logo a seguir ao 25 de Abril, um movimento de populares decidiu alterar-lhe o nome arrancando
a placa que trazia o indigno nome e imediatamente colocando um placa temporária que
posteriormente foi oficializada registrando a data em que Portugal voltou a ser uma
democracia.

Faz-nos falta no Brasil de uma data como esta. A ditadura Vargas caiu e não temos uma
referência do dia magno. Caiu a famigerada ditadura militar de 1º de Abril de 64 e não
temos uma data magna para comemorar o retorno do Brasil à democracia. Eu acho que bem
podiamos instituir como marco da queda da infame ditadura militar naquele dia glorioso
em que Ulysses Guimarães anuncio a promulgação da Constituinte Cidadã que é uma data
tão importante e não está em minha memória viva: 5 de Outubro de 2008 –
a Constituinte Cidadã, assim tão bem denominada pelo saudoso deputado Ulisses Guimarães,
presidente da Assembléia Nacional Constuinte.

Haveria que marcar esta data e talvez alterar o nome da mais importante ponte brasileira,
a Rio Niteroi, que também tem um nome infame felizmente ignorado pela população que sempre se refere a ela como “ponte Rio-Niteroi” para nela registrar que não podemos mais admitir tortura, perseguições políticas voltem a existir no Brasil.

Ponte 5 de Outubro de 2008 – data promulgação da Constituinte Cidadã

Plano para fazer o protesto em Charlotte na conferência dos Democratas

Charlotte conference plans protests at Democratic National Convention – Inkorgen – Yahoo! Mail.

FightBackNewsLogo

 


By Michael Graham

CharlotteCarolina do Norte – Mais de 60 ativistas convergiram para Charlote no dia 14 de abril, para uma  conferência na Faculdade de Direito de Charlotte com o objetivo de prepara  a próxima semana de protesto contra a Convenção Nacional Democrata (DNC). Charlotte, um centro proeminente do sistema bancário, será a anfitriã da convenção em que as elites do Partido Democrata e os delegados irão estabelecer a plataforma do partido e selecione Barack Obama como seu candidato para presidente dos Estados Unidos. O encontro dos Democratas  será realizada setembro 3-6.

Charlotte, NC – Over 60 activists converged here, April 14, holding a conference at the Charlotte School of Law to discuss the upcoming week of protest at the Democratic National Convention (DNC). Charlotte, a prominent center of banking, will be hosting the convention where Democratic Party elites and delegates will establish the party platform and select Barack Obama as their candidate for President of the United States. The DNC will be held Sept. 3-6.

Os participantes da conferência viajaram de todo o país para ajudar a planejar as atividades que deverão incluir uma “Marcha sobre a Wall Street do Sul”, entre outros eventos. Até agora mais de 50 organizações deram seu apoio aos protestos, e o número não pára de crescer.


Conference attendees traveled from all over the country to help plan the activities which are expected to include a “March on the Wall Street of the South,” among other events. So far over 50 organizations have endorsed the protests, and the number is steadily growing.

Também participam da conferência  um grupo de ativistas da Flórida  da Coalizão para marchar sobre RNC(o encontro dos Republicanos), que se preparam para protestar contra a Convenção Nacional Republicana, que será realizado em Tampa, Florida, 27-30 agostoApoio mútuo e boa vontade foi compartilhada entre as duas coalizões de planejamento dos protestos contra DNC e RNC.

Also attending the conference were a group of activists from Florida from the Coalition to March on the RNC who are preparing to protest the Republican National Convention which will be held in Tampa, Florida, Aug. 27-30. Mutual support and goodwill was shared between the two coalitions planning the DNC and RNC protests.

Os protestos no DNC estão fazendo uso dos Princípios de Charlotte, um conjunto de diretrizesque ajudarão o número  crescente de grupos muito diversos no planejamento das atividades para  trabalhar positivamente e poderosamente juntos.


The protests at the DNC are making use of the Charlotte Principles, a set of guidelines that will help the diverse and growing number of groups planning activities to work positively and powerfully together.

Participante Sarah Buchner de Asheville, North Carolina, do Comitê para parar a Repressão do FBI disse: “Acredito que conseguimos bastante aqui hoje. A luta para obter a licença para as manifestações  é importante e há diversas questões que envolvem novas portarias  e a repressão policial é  esperado.  muito trabalho que resta fazer, mas todo mundo está animado e determinado. 


Conference attendee Sarah Buchner of Asheville, North Carolina, from the Committee to Stop FBI Repression said, “I believe we accomplished a lot here today. The fight for the permit to march is important and there are issues surrounding new city new ordinances and expected police repression. There is a lot of work left to do, but everyone is excited and determined.”

A Câmara Municipal de Charlotte recentemente aprovou uma lei muito vaga e, obviamente destinado a limitar a liberdade de expressão e de reunião durante o DNC. Ele permite que o gestor municipal a declarar unilateralmente um “acontecimento extraordinário em uma determinada área da cidade. Isto probibir o uso de uma umavariedade surpreendente de objetos como garrafas de água, mochilas, capacetes de bicicleta e diferentes comprimentos de corda e arame. Ele lhe dará polícia habilidades abrangentes para  deter  manifestantes, observadores neutros transeuntes. Desafios jurídicos já estão sendo feitos, mas espera-se que o decreto-lei, poderá resistir à época da DNC.

The city council of Charlotte recently passed a long and vague ordinance, obviously meant to curtail freedom of speech and assembly during the DNC. It allows the city manager to unilaterally declare an “extraordinary event” in a given area of the city. This will ban a startling array of objects like water bottles, backpacks, bicycle helmets and various lengths of string and wire. It will give police sweeping abilities to search and detain protesters, observers and neutral passers-by. Legal challenges are already in the works but it is expected that the ordinance will stand through the DNC.

Palavras de ordem para os protestos à conferência  DNC incluem: “bons empregos para todos”,  “Justiça econômica agora” “fazer os bancos e corporações pagar por sua crise” “Dinheiro para educação, saúde, habitação e todas as necessidades humanas, não para a guerra e prisão” “Justiça para os imigrantes e todos os povos oprimidos”, “Parar os ataques e as deportações”


Demands for the DNC protests include: Good jobs for all! Economic justice now – make the banks and corporations pay for their crisis! Money for education, healthcare, housing and all human needs, not for war and incarceration! Justice for immigrants and all oppressed peoples! Stop the raids and deportations!

To learn more about the Coalition to Protest at the DNC please visit: protestdnc.org
To learn more about the Coalition to March on the RNC please visit: marchonthernc.com

Para saber mais sobre a Coalizão para protestar contra a DNC visite: protestdnc.org
Para saber mais sobre a Coalizão de março noRNC visite: marchonthernc.com