Ana Tércia Sanches: Terceirização, a maior ameaça aos direitos trabalhistas desde a CLT | Viomundo – O que você não vê na mídia

Ana Tércia Sanches: A maior ameaça aos direitos trabalhistas desde a CLT | Viomundo – O que você não vê na mídia.

http://www.viomundo.com.br/denuncias/ana-tercia-sanches-o-maior-ataque-aos-direitos-trabalhistas-desde-1946.html

Ana Tércia Sanches: A maior ameaça aos direitos trabalhistas desde a CLT

por Luiz Carlos Azenha

 

pauta sugerida pelo Altamiro Borges

 

Está em andamento, de forma quase silenciosa, o maior ataque aos direitos trabalhistas no Brasil desde que foi promulgada a Consolidação das Leis do Trabalho, a CLT, em 1943.

 

A avaliação é da diretora do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Ana Tércia Sanches. Trata-se do projeto de lei 4330, de autoria do deputado Sandro Mabel, do PMDB-GO, que regulamenta a terceirização em quase todos os setores da economia brasileira.

 

É o que os sindicalistas chamam de reforma trabalhista às avessas.

 

“Desde os anos 90 é vontade das elites, dos empresários promover uma reforma não para ampliar, mas para retirar direitos”, diz Ana Tércia.

 

Hoje existem na Câmara dos Deputados 26 projetos que tratam do tema. Por conta disso, foi criada uma comissão especial que propôs um substitutivo ao projeto de Sandro Mabel. O PL do deputado federal goiano está para ser analisado em caráter terminativo na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). Ou seja, se passar pela comissão vai direto para análise do Senado.

 

A terceirização é tolerada nos dias de hoje, a partir de enunciados do Tribunal Superior do Trabalho (TST), em áreas como a limpeza e a segurança. Ainda assim, segundo Ana Tércia, são setores muito sujeitos às fraudes.

 

As empresas tomadoras contratam as de terceirização através de leilões de menor preço, aumentando a pressão para que estas descumpram normas básicas previstas na legislação trabalhista. Para garantir seu lucro, as terceirizadas muitas vezes deixam de depositar o Fundo de Garantia pelo Tempo de Serviço (FGTS) ou o INSS de seus trabalhadores, atrasam ou deixam de pagar salários.

 

Em outras palavras, a bomba estoura no colo dos trabalhadores, esmagados entre o patrão e o sub.

 

“Muitas vezes a empresa fecha, evapora do mapa. Reabre com outro CNPJ. Quem fica na mão são os trabalhadores”, diz Ana Tércia.

 

Ela prevê que a regulamentação da terceirização para outros setores da economia apenas ampliaria o problema.

 

“Esta é uma tendência que vem dos anos 90. A Nike, por exemplo, só faz a gestão da marca, a propaganda e o desenvolvimento do produto. Os bancos e outros setores da economia querem se livrar do trabalho. Colocar entre eles e os trabalhadores outra empresa, que também visa lucro”, afirma a sindicalista.

 

Ana Tércia dá um exemplo com o setor bancário. Nos anos 90 existiam no Brasil 700 mil bancários. De lá para cá, a economia cresceu enormemente, o setor financeiro e de crédito também mas o número de sindicalizados caiu para 430 mil trabalhadores.

 

“Onde está a diferença? Nos terceirizados, que ganham 60% menos que os bancários”, afirma.

 

O processo, segundo ela, rompe “processos civilizatórios que foram fruto da luta dos movimentos sociais”.

 

Para tentar barrar o avanço do projeto, os trabalhadores decidiram ampliar a coalizão formada por sindicatos e centrais sindicais, para incluir acadêmicos, jornalistas e juízes do trabalho.

 

De acordo com Ana Tércia, para evitar as acusações de que os sindicatos estão agindo de forma corporativa e pensando apenas no imposto sindical.

 

O objetivo, portanto, é demonstrar que a terceirização tem um custo social alto e contribui com a concentração de renda, já que transfere renda dos trabalhadores para os empresários.

 

No ano passado, o vice-presidente do TST, João Oreste Dalazen, promoveu uma audiência pública sobre a terceirização (ver abaixo o primeiro vídeo da série, disponível no You Tube).

 

Os trabalhadores decidiram criar um Fórum e vão promover um seminário sobre o tema em 12 e 13 de abril, na Unicamp, em São Paulo.

 

Aqui, um abaixo-assinado eletrônico contra a terceirização.

 

Clique abaixo para ouvir a entrevista com Ana Tércia (se você se sente ameaçado, ajude-nos a propagar):

 

 

 

 

 

Ana Tércia fala sobre um dos mitos da terceirização, o de que as empresas precisam dela para dar conta da “especialização”. Ao explicar, Ana fala do que leva os trabalhadores dos call centers a parecerem autômatos:

 

 

 

 

 

Ana Tércia fala sobre outro mito propagado pelos que propõem a terceirização, o de que ela gera empregos. A sindicalista fala da alta rotatividade, da falta de qualidade e do maior número de mortes e acidentes de trabalho entre os terceirizados.

 

 

 

 

 

 

 

 

Gostou? Compartilhe.

 

 

 

 

 

Recent Trackbacks

Terceirização: trabalho precário e fraude | FETEC-CUT-PR – Federação dos Trabalhadores no Ramo Financeiro no Estado do Paraná

[…] e medidas de segurança, mas não em relação a salários e jornada de trabalho. Ana Tércia no Vi o Mundo: Maior ameaça aos direitos desde a criação da […]

Maior ameaça aos direitos trabalhistas | Viva Marabá Carajás Brasil

[…] Luiz Carlos Azenha, no blog Viomundo: Está em andamento, de forma quase silenciosa, o maior ataque aos direitos trabalhistas no Brasil […]

Denúncia: PL ameaça os direitos trabalhistas no Brasil

[…] via viomundo […]

Seguir a discussão

Comentários (110)

Painel | Editar perfil | Sair

 

Logado como Praciano-Pereira Tarcisio

Classificar por: Data Classificação Última Atividade

0

Alvaro Tadeu Silva · 4 semanas atrás

No governo FHC, um importante departamento do BB, onde trabalhavam mais de 300 terceirizados (digitação), estrepou-se. O dono da empresa terceirizada fugiu na calada da noite, após receber os pagamentos do mês de dezembro. Os terceirizados ficaram sem Natal, sem salário, sem comida. Os responsáveis ficaram sem os cabelos, pois um ano depois, a Justiça do Trabalho obrigou o BB a pagar todos os atrasados do pessoal terceirizado.

Responder

0

Ivan Nunes · 4 semanas atrás

Pura e nua essa verdade colocada e muito bem colocada, tendo em vista que trabalho em uma estatal, Correios onde as tercerizadas que foram contratadas na área de limpeza, não cumprem com seus deveres deixando os funcionários, a ver navio. E desaparecem do mapa e ninguém localiza mais e não adianta entrar com processo pois como vão processar uma empresa que não existe mais. Deixa funcionários com a maior dor de cabeça, e apesar de o Correios ser uma grande estatal, não se pode fazer nada a respeito e os empregados que prestam serviços pela tercerizada arcam com todos os prejuizos. Não recebem nada. Salários são atrasados até quinze dias, cesta básica só se der sorte de chegar, não cumprem com nada. Isso precisa acabar, não podemos mtolerar tal vergonha nacional, esse desrespeito com o trabalhador. E cada palavra do artigo escrito por Ana Tércia é a mais pura verdade que todos tem que enchergar!!!!!

Responder

0

JOSE DANTAS · 4 semanas atrás

“Ana Tércia dá um exemplo com o setor bancário. Nos anos 90 existiam no Brasil 700 mil bancários. De lá para cá, a economia cresceu enormemente, o setor financeiro e de crédito também mas o número de sindicalizados caiu para 430 mil trabalhadores.”

“Onde está a diferença? Nos terceirizados, que ganham 60% menos que os bancários”, afirma.

A figura aí não está falando a verdade, pois sabe que a quantidade de bancários diminuiu muito mais em função da automatização dos bancos do que da terceirização. Passei 28 anos como bancário e fui testemunha dessa realidade, antes de se falar em terceirização. Trabalhei em agências com mais de 50 bancários que hoje funcionam com menos de 10, inclusive possíveis terceirizados. Desse jeito é impossível conquistar credibilidade junto a população, em relação aquilo que se diz.

Responder

+3

ZePovinho 103p · 5 semanas atrás

Ás vezes,gente,é preciso ter calma quando abrimos a goela para criticar o PT.Muitas críticas são justíssimas e devem ser feita porque,se deixarmos,o PT será como as agências reguladoras que foram capturadas pela iniciativa privada: será capturado pelo PMDB,pelo agronegócio e pelo sistema financeiro.

Não sejamos injustos e,na pior hipótese,pouco inteligentes.Estamos em uma democracia.A Presidência da República pode muito pouco diante do Congresso Nacional,apinhado de parlamentares empresários que o próprio povo colocou lá.É duro de reconhecer,mas essas decisões alopradas que vemos tem a chancela do próprio povo;mesmo admitindo que as pessoas votam sem saber(eu acho que o cabra vota com pleno conhecimento de causa,independentemente se é analfabeto).

Ainda me lembro das minhas andanças,pela Paraíba,como assessor de deputados do PMDB e,depois,PP.As pessoas,em troca dos mais variados favores,trocavam o voto(que é como a própria alma,que nunca devemos vender ao Coisa Ruim) por tijolos,cestas básicas,empregos na prefeitura,etc,etc.Eu odiava ver aquilo,mas sempre aceitei achando que,com o tempo,esse povo mudaria devido ao aprendizado.O velho método da tentativa e erro……

Em 2002,veio a mudança.O povo votou em Lula,mesmo com uma campanha maciça contra ele na mídia.Mesmo assim,já se sabia em meados de 2002 que o povo não daria maioria ao PT no Congresso e isso levou o Metalúrgico a assinar a Carta ao Povo Brasileiro,se comprometendo a não mexer nos interesses dos empresários que estavam,vejam só,aliados ao povo pois,do contrário,não haveria tantos deles na Câmara e no Senado.

Eu sou da ESQUERDA DEMOCRÁTICA.Respeito os pontos de vista da extrema esquerda,mas acho que o princípio democrático é sagrado e não podemos achar que o Congresso Nacional é inútil.Não é.O Congresso é a nossa garantia de liberdade.

Gostaria de lembrar,também,que até Lenin recebeu os capitalistas de braços abertos,em recuo tático na década de vinte com a NEP(Nova Política Econômica): http://pt.wikipedia.org/wiki/Nova_Pol%C3%ADtica_Econ%C3%B4mica

 

A NEP (em russo: НЭП), acrónimo de Новая экономическая политика, Novaya Ekonomiceskaya Politika (em português: Nova Política Econômica) foi a política econômica seguida na União Soviética após o abandono do comunismo de guerra (praticado durante a guerra civil), em 1921 e a colectivização e re-nacionalização forçada dos meios de produção com a ascensão ao poder de Stalin, em 1928. Em linhas gerais, passou pela re-entrega das pequenas explorações agrícolas, industriais e comerciais à iniciativa privada, tentando assim desesperadamente fazer a nascente União Soviética sair da grave crise em que se achava mergulhada.[1]

 

A Nova Política Econômica (NEP) recuperou alguns traços de capitalismo para incentivar a nascente economia soviética. Desta forma, o PC russo e o governo dos sovietes pretendiam reconstruir a economia russa devastada pela invasão estrangeira e pela resistência das classes proprietárias a perda de seus incomensuráveis privilégios. A NEP, segundo Lenin, consistia num recuo tático, caracterizado pelo restabelecimento da livre iniciativa e da pequena propriedade privada, admitindo o apoio de financiamentos estrangeiros. Lenin teria dito: “Um passo atrás para dar dois à frente”.

 

PS:O mais importante,de tudo,é amar ao Brasil:

 

 

Responder

+2

Carlos Nunes 64p · 4 semanas atrás

o termo conquista leva a se acreditar que houve uma apropriação de um espaço de poder e que isso vai se manter pra sempre. ilusão.

nenhuma conquista se sustenta sozinha, nem as da elite nem dos trabalhadores.

o conflito de interesses é constante.

Responder

+8

Eudes H. Travassos · 5 semanas atrás

Antes, quando surgiam este tipo de ameaças, não precisava nem está na Internet, do congresso mesmo surgia a reação através do PT. Mas agora o PT é governo e parece, que no governo Dilma – que, permitam-me, não é tão petista assim- , não sei porque, cargas d’aguas, estes projetos e ideias já estão milhas prá lá de terem ganhado simpatia no atual governo. Parece que tem gente no PT que muito tardiamente entendeu que o consenso de Washington é o maior barato.

Pois é, antes eu podia contar com meu partido, e agora , a quem devo recorrer? Qual a força política no Brasil pra ocupar este espaço? De fato,não tem. e como disse Jhon Lock no final de seu tratado levantemos as mãos aos ceus, eu acho que não vai dar certo. Mas talvez haja ainda uma última esperança ,chamar-mos o Chapollin Colorado, que tal?

Responder

4 respostas · ativo 4 semanas atrás

+7

beattrice 114p · 5 semanas atrás

Estamos todos aguardando ansiosamente o pronunciamento da tropa de choque dilmista que frequenta o blog nos assegurando de que a base aliada vai impedir mais este roubo dos direitos sociais e trabalhistas.

CADÊ????????

Responder

1 resposta · ativo 4 semanas atrás

+28

carneirouece 74p · 5 semanas atrás

E vocÊs sabem que isso será aprovado, né??

 

O que a Dilma fez até agora? TUDO o que o ‘CERRA’ faria:

 

– arruinou o plano nacional da banda larga.

– Código florestal

– privatização dos aeroportos

– fundo de previdência privada para o funcionarismo público

– quase todo o PIB para os banquiros

– cortes e mais cortes no orçamento para dar mais dinheiro os banqueiros.

 

Em suma: ela está, desde o primeiro instante, traindo os que fizeram campanha nas ruas por ela.

Responder

8 respostas · ativo 4 semanas atrás

+7

ZePovinho 103p · 5 semanas atrás

Se a senhora mantiver essa política cambial desastrosa dos anos noventa,presidenta Dilma,o trabalhador vai pagar a conta duas vezes:a primeira para salvar esses empresários bandidos do Brasil;a segunda para salvar empressa estrangeiras que ganham com o câmbio flutuante:

http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/dilma-exclusivo-vamos-defender-a-industria-brasileira

 

Dilma, exclusivo: vamos defender a indústria brasileira

 

“No caso da Europa, não: optaram por isso. O último relatório do BIS (o banco central dos bancos centrais) mostra que a estratégia visa dois objetivos principais: impede a crise bancária e ganha tempo para dois mecanismos: desvalorizar o euro e jogar a conta sobre países emergentes que têm câmbio flutuante. Mas, por outro lado, pode estar criando uma enorme bolha monetária”.

Responder

1 resposta · ativo 4 semanas atrás

+1

Nelson · 4 semanas atrás

A Ana Tércia tem razão, se aprovado, este PL abre espaço para a deteriorização do trabalho no Brasil. Imaginem, o Brasil 5º potência mundial e os salários esmagados. Se o resultado do crescimento não vai para os trabalhadores, adivinhem para onde vai. Por isso o PIG nem menciona esse PL e se mencionar vai colocao o Sandro Mabel e a FIESP para comentar. Não sei como, mas temos que dar um jeito de barras este ataque aos direitos dos trabalhadores.

Responder

0

Étore · 4 semanas atrás

Interessante a quantidade (se não a maioria) de posts nesta thread que trata da terceirização apenas no serviço público quando a matéria é muito mais ampla.

Leio como uma confissão velada de que na iniciativa privada a terceirização é sim funcional, e até desejável em vários setores da economia (principalmente naqueles fortemente baseados em serviços).

Responder

0

Étore · 4 semanas atrás

Sindicatos e associações de classe servem apenas com janela para a política e para para defender os interesses do seus associados, não da sociedade.

 

Se um sindicato é contra, com certeza é bom para o país.

Responder

+6

Murdok · 5 semanas atrás

No órgão federal que trabalho, são os pobres terceirizados que mais trabalham.

Responder

2 respostas · ativo 5 semanas atrás

0

CLP · 5 semanas atrás

No serviço publico, infelizmente, as prefeituras são campeãs nisso.Ai o que acontece?Estas empresas não pagam seus trabalhadores, e, apos processo na Justiça do Trabalho, como as tais ONGs, OSCIPS e quejandos eram fajutas , criadas por cupinchas dos próprios políticos, contratadas sem licitação a preços superfaturados , so para enriquecer políticos e empresários, a conta acaba caindo para a prefeitura, também conhecido como SOCIEDADE(nos), que ja pagamos da primeira vez e pagamos também pela segunda vez, pois invariavelmente a ONG e a prefeitura e condenada.

E que não se culpe a Justiça do Trabalho, ela faz o papel dela , quem não faz são os prefeitos, todos envolvidos nessas maracutaias!

Responder

+11

Ricardo · 5 semanas atrás

prezados, trabalhei como terceirizado de informática por 6 anos. na primeira empresa em que trabalhei, em 1991, o gerente regional simplesmente embolsou o salário de todos durante 3 semanas. aplicou o dinheiro no citibank ( tenho ódio a aquele banco). nos pagou com cheques pessoais, e pasmem, o citibank se recusou a nos pagar dizendo que o dinheiro dele estava aplicado. precisamos falar que iríamos denunciar ao banco central se não descontassem os cheques. A empresa não recolheu fgts(não consegui sacar até hoje). a empresa fechou depois que o contrato com a empresa principal terminou. deixou centenas no prejuízo.

 

a terceirização é péssima para os trabalhadores. péssima.

 

sei por experiência própria. o PT, tendo saído dos trabalhadores, não poderia apoiar isso. mas as bandeiras antigas estão abandonadas, infelizmente.

 

cordiais saudações

Ricardo

Recife

Responder

9 respostas · ativo 5 semanas atrás

+2

Henrique Finco · 5 semanas atrás

Pirmeiro foi a precarização do funcionalismo público, através da lei que cira o fundresp e retira garantias mínimas, como a de uma carreira. Esta nova “lei” é só uma parte do todo… Voltamos à República Velha.

Responder

+9

Hagá · 5 semanas atrás

Cadê as centrais sindicais? Cadê os sindicatos de servidores? Cadê os jornais críticos e independentes? Cadê as universidades?

Responder

5 respostas · ativo 5 semanas atrás

+3

O_Brasileiro 90p · 5 semanas atrás

Nos meses de outubro dos anos pares daremos a merecida resposta aos vereadores, deputados e senadores…

Responder

2 respostas · ativo 5 semanas atrás

+1

ZePovinho 103p · 5 semanas atrás

Ás vezes,gente,é preciso ter calma quando abrimos a goela para criticar o PT.Muitas críticas são justíssimas e devem ser feita porque,se deixarmos,o PT será como as agências reguladoras que foram capturadas pela iniciativa privada: será capturado pelo PMDB,pelo agronegócio e pelo sistema financeiro.

Não sejamos injustos e,na pior hipótese,pouco inteligentes.Estamos em uma democracia.A Presidência da República pode muito pouco diante do Congresso Nacional,apinhado de parlamentares empresários que o próprio povo colocou lá.É duro de reconhecer,mas essas decisões alopradas que vemos tem a chancela do próprio povo;mesmo admitindo que as pessoas votam sem saber(eu acho que o cabra vota com pleno conhecimento de causa,independentemente se é analfabeto).

Ainda me lembro das minhas andanças,pela Paraíba,como assessor de deputados do PMDB e,depois,PP.As pessoas,em troca dos mais variados favores,trocavam o voto(que é como a própria alma,que nunca devemos vender ao Coisa Ruim) por tijolos,cestas básicas,empregos na prefeitura,etc,etc.Eu odiava ver aquilo,mas sempre aceitei achando que,com o tempo,esse povo mudaria devido ao aprendizado.O velho método da tentativa e erro……

Em 2002,veio a mudança.O povo votou em Lula,mesmo com uma campanha maciça contra ele na mídia.Mesmo assim,já se sabia em meados de 2002 que o povo não daria maioria ao PT no Congresso e isso levou o Metalúrgico a assinar a Carta ao Povo Brasileiro,se comprometendo a não mexer nos interesses dos empresários que estavam,vejam só,aliados ao povo pois,do contrário,não haveria tantos deles na Câmara e no Senado.

Eu sou da ESQUERDA DEMOCRÁTICA.Respeito os pontos de vista da extrema esquerda,mas acho que o princípio democrático é sagrado e não podemos achar que o Congresso Nacional é inútil.Não é.O Congresso é a nossa garantia de liberdade.

Gostaria de lembrar,também,que até Lenin recebeu os capitalistas de braços abertos,em recuo tático na década de vinte com a NEP(Nova Política Econômica): http://pt.wikipedia.org/wiki/Nova_Pol%C3%ADtica_Econ%C3%B4mica

 

A NEP (em russo: НЭП), acrónimo de Новая экономическая политика, Novaya Ekonomiceskaya Politika (em português: Nova Política Econômica) foi a política econômica seguida na União Soviética após o abandono do comunismo de guerra (praticado durante a guerra civil), em 1921 e a colectivização e re-nacionalização forçada dos meios de produção com a ascensão ao poder de Stalin, em 1928. Em linhas gerais, passou pela re-entrega das pequenas explorações agrícolas, industriais e comerciais à iniciativa privada, tentando assim desesperadamente fazer a nascente União Soviética sair da grave crise em que se achava mergulhada.[1]

 

A Nova Política Econômica (NEP) recuperou alguns traços de capitalismo para incentivar a nascente economia soviética. Desta forma, o PC russo e o governo dos sovietes pretendiam reconstruir a economia russa devastada pela invasão estrangeira e pela resistência das classes proprietárias a perda de seus incomensuráveis privilégios. A NEP, segundo Lenin, consistia num recuo tático, caracterizado pelo restabelecimento da livre iniciativa e da pequena propriedade privada, admitindo o apoio de financiamentos estrangeiros. Lenin teria dito: “Um passo atrás para dar dois à frente”.

 

PS:O mais importante,de tudo,é amar ao Brasil:

 

 

Responder

+2

Vinicius Garcia · 5 semanas atrás

Para os que acreditam em mudanças substanciais pelo voto, que fiquem com a discussão de PT é igual a PSDB ou PT é diferente de PSDB, de mídia que vende imagem e outras coisicas que vejo comentada no post, Saramago foi sábio ao afirmar que para se inicar uma discussão política devamos partir do princípio de que a “democracia” como posta pela mercado é uma falácia. A luta do trabalhador por melhores condições é histórica e não está por acabar, ao contrário, no menor vacilo, lá surgem eles, sedentos de lucro, tirando direitos.

É uma luta constante, eles não dão folga, porque devemos dar a eles? Por acreditar em sistema eleitoral? Acordem! Nada disso funciona como devia, e é só na mobilização que se mantém e amplia conquistas.

Responder

+1

Gerson Carneiro 121p · 5 semanas atrás

Surge uma esperança: Deputado Brizola Neto é o novo Ministro do Trabalho.

Responder

1 resposta · ativo 5 semanas atrás

+1

RicardãoCarioca · 5 semanas atrás

Atenção!

http://oglobo.globo.com/pais/brizola-neto-sera-novo-ministro-do-trabalho-4285771

 

Agora, CLT será com o nosso Briza Net!

Responder

+1

marcos dascanio · 5 semanas atrás

O deputado mabel pode fazer o que bem entender. Como representante dos empresários a cara dele e tentar terceirizar tudo mesmo e isso não quer dizer que o governo se alinhe. Mas nós, companheiros e camaradas, nós temos uma tarefa que é barrar essa porcaria de projeto. Isso se faz na web – também – mas, principalmente nas ruas, de bandeiras na mão e com mobilização. Á luta !!!

Responder

-1

alexandre · 5 semanas atrás

ilimar franco afirma q Brizola neto será o novo ministro do trabalho. O q desmoraliza boa parte dos comentaristas do post. particularmente os tucanos oportunistas travestidos de psolistas.

Responder

-6

Manoel Teixeira · 5 semanas atrás

Os funcionários públicos ganham muito bem pelo que entregam à sociedade. Fazem greve quando querem e nos atendem como se estivessem nos fazendo um favor.

Precisam ser avaliados com base em produtividade e capacidade.

Por outro lado, o Brasil precisa reduzir a carga tributária sobre os salários, para que possamos reduzir nossos custos de produção, isto é fato. Se esta lei vai nesta direção, não sei. Mas querer tratar o trabalhador como um ente a ser tratado como um incapaz de se defender é típico dos caudilhos. Eles seriam crianças indefesas e precisariam ser protegidos.

Precisamos garantir que a economia continue crescendo e gerando oportunidades para todos. Nós, trabalhadores, por outro lado, precisamos nos especializar e prestar serviços de qualidade. Caso a empresa onde estejamos trabalhando não nos atender, mudamos de empregos.

Gostaria de ver um funcionário público largar a ‘moleza’ .

Responder

1 resposta · ativo 5 semanas atrás

+11

Adriano · 5 semanas atrás

Por falar em ameaça aos direitos dos trabalhadores, e a CPI da Privataria, que fim levou?

Responder

1 resposta · ativo 5 semanas atrás

+4

João Alberto · 5 semanas atrás

É por essas e por outras que o capitalismo naufraga por culpa de si próprio. Trabalho numa grande corporação, já fui terceirizado no passado e posso compartilhar o pouco que sei: funcionários terceirizados ficam encarregados de fazer manutenção em sistemas importantes na empresa (eu trabalho com tecnologia), absorvem e, em alguns casos, até concentram um conhecimento que os funcionários da grande empresa deveriam ter. Numa visão macro, fica difícil enxergar esses profissionais como não sendo funcionários vitais para a empresa.

Além disso, fugindo um pouco do assunto do post, quero destacar a pressão que os trabalhadores recebem para cumprir metas. Ou seja: o fulano é terceirizado, não ganha o que realmente merece pois é importante para a empresa e ainda trabalha pressionado.

Resultado: entrega-se o que dá pra fazer, faz-se uma reza braba pra nada dar errado, e segue a sina do explorado trabalhador e seu abastado empregador.

A longo prazo: serviço mal-feito que o tempo cobra depois. Crises e mais crises. Arrocho pra todos os lados, e no fim alguém ainda leva vantagem (elite dominante e ignorante).

Lucro tem limite, mas tem gente que não entende nem no colo do tinhoso.

Responder

+1

Leonardo Câmara 78p · 5 semanas atrás

Bem meus caros, parece inacreditável mas a hora chegou: É preciso combater PT, é preciso combater o governo Dilma !

 

O que fazer? Procure teu sindicato, organize teu grêmio estudantil, etc. Fomos todos traídos.

 

À Luta!

Responder

+9

Luiz Clete · 5 semanas atrás

Essa do trabalhador estar sempre correndo atrás não é nova. Vide o neoliberalismo. Nos anos 80, debatiamos isso no banco Itaú, um chileno fez palestras para falar da automatização do banco, e, jurou que ninguem seria mandado embora. Conclusão: no depto que eu trabalhava tinha 25 vagas, hoje, há apenas 5. O sindicato e o trabalhador tem muitas culpas e desculpas nesse processo. O capital se organizou em mercados comuns e o trabalhador? O capital organizou um sistema vritual para debandar com seu dinheiro no instante que bem entender arrasando com economias e o trabalhador? Agora essa senhora vem falar disso e o que os sindicatos, centrais sindicais e os trabalhadores estão fazendo de VERDADE? Os governos passam.

Responder

+10

paaulo · 5 semanas atrás

Sandro Mabel o ex-dono dos biscoitos da marca Isabela?É empresário decidindo a vida de nós trabalhadores. Pergunte leitor a um funcionário da Caixa Econômica como anda a vida das terceirizadas da empresa?a própria Caixa que adm o FGTS não fiscaliza nem o recolhimento de suas empresas terceirizadas. É vergonhoso, mas é o banco social do governo federal.

Responder

+2

renato · 5 semanas atrás

Poderia discutir sobre terceirização, mas não tenho tamanha competência. `Por isto pagava aos sindicatos para que fizessem o melhor por mim e meus colegas de trabalho,fizeram tanto, tanto, tanto,( 20 anos) que hoje estão mandando embora o pessoal devido os altíssimos salários, a empresa não aguenta pagar , e estão recolhendo estagiários.( Contrataram apenas um terceiro – o cara que esta enxugando a fábrica, esta é a profissão dele), e diminuir o salário faz parte do rebaixamento da mão de obra do Brasil.

Como vai concorrer com a NIKE que paga 1 dolar X por diaX trabalho infantil não é assim, ou a China, etc.

Agora dizer que é culpa da Dilma e do Lula ( notaram a seqüência ), não tinham mais nada o que fazer no Domingo.

Se a culpa é dos dois me dá um outro nome para eu votar no próximo pleito.

Vou assinar o pleito. Sou a favor de Sindicatos fortes ajudando os pequenos sindicatos e quero uma sociedade trabalhista, ou seja muita gente trabalhando, pouca mamando.

Responder

+3

Leo V · 5 semanas atrás

Supõe-se que não há com o que se preocupar já que num governo do “Partido dos Trabalhadores” jamais tal lei será sancionada. Certo?

Responder

+3

PAP · 5 semanas atrás

Nas oportunidades que tenho lido,ouvido e visto matérias versando sobre o os onus que os trabalhadores tem que

enfrentar em termos de suas atividades profissionais, rarissímamente vejo profissionais de RH serem consultados

a respeito e quando o fazem,nas ínfimas vezes, tenho a impressão que sempre defendem o lado patronal.Mais

lastimável ainda é saber que psicológos que atuam em RH deveriam ter e ser um diferencial, até para ficar de lado

dos empregados e trabalhadores, mas lamentavelmente esses psicólogos que atuam em RH simplesmente não pas-

sam de mais um grupo de gente “cumpridores de ordens”, ou seja, não passam de tecno-burocratas com diploma

de psicologia!

Responder

+5

pap · 5 semanas atrás

Eu gostaria de fazer uma pergunta e colocar um “certo pessoal” que sempre fica “quietinho” no canto:

 

Gentilmente, gostaria de saber a opinião dos srs. profissionais de RH, esses descendentes dos vassalos medievais

e pelegos enrustidos o que pensam sobre a terceirização? Provavelmente, vão se calar, falar em tucanês,dizer algo

politicamente correto ou conforme o público a que se dirige ou simplesmente o de sempre:defender seus senhores

feudais, seus coronéis, seus painhos que tudo lhes dá e que sem crachá e sem trabalhar em empresa, absoluta-

mente nada são do que reles crianças mimadas.

Responder

1 resposta · ativo 5 semanas atrás

+3

Outro Antonio · 5 semanas atrás

A terceirização é sempre ruim. No Poder Público serve para a corrupção, como parece que ocorre na Prefeitura de São Paulo fartamente na gestão Kassab. No setor privado, serve para a ineficiência e embuste trabalhista. É ruim de qualquer jeito.

Responder

+1

Urbano · 5 semanas atrás

Todos boicotando os produtos do ôme…

Responder

+14

Marat 108p · 5 semanas atrás

O conservadorismo brasileiro, obtuso, como sempre, consegue extrair o que ha de pior da ignorância e do conservadorismo local, influenciado por conservadores ocidentais!

Responder

7 respostas · ativo 5 semanas atrás

+1

H. Back™ · 5 semanas atrás

Será que isso ainda faz parte do neoliberalismo? O neoliberalismo não vingou nem na sua pátria natal. Os trabalhadores com as suas respectivas centrais sindicais devem ficar alertas.

Responder

+7

FrancoAtirador 112p · 5 semanas atrás

.

.

TERCEIRIZAÇÃO: A LEGALIZAÇÃO DO TRABALHO ESCRAVO.

 

“Empregado feliz é o que tem emprego.

O salário é apenas mais um detalhe

para cálculo dos custos de produção:

Quanto menor o salário, maior o lucro.”

(O patrão nosso de cada dia)

.

.

O Patrão Nosso de Cada Dia

(Secos & Molhados)

 

Eu quero o amor

Da flor de cactus.

Ela não quis.

Eu dei-lhe a flor

De minha vida.

Vivo agitado

 

Eu já não sei se sei

De tudo ou quase tudo…

Eu só sei de mim,

De nós,

De todo o mundo…

 

Eu vivo preso

A sua senha.

Sou enganado.

Eu solto o ar

No fim do dia.

Perdi a vida.

 

Eu já não sei se sei

De nada ou quase nada…

Eu só sei de mim,

Só sei de mim,

Só sei de mim…

 

O patrão nosso

De cada dia,

Dia após dia…

O patrão nosso

De cada dia…

 

 

Responder

+16

ZePovinho 103p · 5 semanas atrás

Querem tranfserir as dívidas do manejo cambial com a falida ideologia dos anos noventa, e a concorrência chinesa, para os ombros do trabalhador.Como no caso das montadoras de automóveis,não abrem mão (os empresários) de um centavo da taxa de lucros.

São protegidos pelo governo,pelo judiciário,pela imprensa e querem detonar uma das poucas garantias que o trabalhador tem de não ser trucidado pelas corporações que vivem qual carrapatos no corpo do Estado brasileiro.

Outro dia eu coloquei,aqui, um texto da Marilena Chauí falando sobre o liberalismo no Brasil da república velha.Segundo ela,a concepção de liberalismo que os exploradores de pau brasil do começo da República tinham(chamados aqui de “empresários),as elites,era(e É) poder submeter os escravos JURIDICAMENTE.

Responder

5 respostas · ativo 5 semanas atrás

0

Eunice · 5 semanas atrás

Uma das principais causas da tercerização é poder gerar NOtas Fiscais Frias entre o Poder Público e privados, sem concorrência. Olhe lá a brecha na Lei, que nem vou colocar aqui. Nesse caso não se faz licitação por valor. O valor é liberado. É por isso que em alguns órgão publicos há centenas de pessoas sendo deseducadas, por não fazerem nada o dia todo, pobres, sim. E quem perde é o pobre, que tem uma vaga temporária, sem segurança, com ticket de valor baixo pra comer, e nunca fará concurso pois está ocupando a vaga de concurso. Quem quiser que pesquise, inclusos órgãos do Sistema de Fiscalização Federal. Desafio a fiscalizar em todos os estados.

Responder

+3

FrancoAtirador 112p · 5 semanas atrás

.

.

TERCEIRIZAÇÃO É PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO.

.

.

Suspensas ações sobre responsabilidade subsidiária

 

Revista Consultor Jurídico, 9 de março de 2012

 

A tramitação dos processos que tratem da responsabilidade subsidiária de ente público tomador de serviço no caso de não cumprimento de obrigações trabalhistas pela empresa prestadora está suspensa. A decisão é da Subseção 1 Especializada em Dissídios Individuais do Tribunal Superior do Trabalho, responsável pela uniformização da jurisprudência da Corte, e valerá até o julgamento, pelo Supremo Tribunal Federal, de recurso extraordinário sobre o tema, que teve repercussão geral reconhecida, ou deliberação posterior da própria SDI-1.

 

Autor da proposta de suspensão das ações, o presidente do TST, ministro João Oreste Dalazen, disse que o fez por medida de cautela. Além de o RE, no qual foi reconhecida a repercussão geral, estar pendente de julgamento do mérito pelo STF, algumas decisões monocráticas de ministros do Supremo têm acolhido liminares em reclamações e cassado decisões tomadas pelo TST sobre a tema.

 

De acordo com o TST, atualmente, existem mais de oito mil recursos extraordinários sobre responsabilidade subsidiária de ente público sobrestados na corte. Com a decisão da SDI-1 de suspender a tramitação dos embargos em recurso de revista, uma quantidade maior ainda de processos que tratam do tema permanecerá à espera da definição do STF.

 

A questão da responsabilidade dos entes públicos pelas verbas devidas aos trabalhadores terceirizados pelas empresas prestadoras de serviço é controvertida na Justiça do Trabalho, sobretudo diante da ausência de legislação específica. Desde 1993, a matéria vinha sendo tratada com base na Súmula 331 do TST, que previa a responsabilização dos tomadores de serviço, inclusive os entes públicos, pelas obrigações trabalhistas não pagas pelos empregadores, independentemente de comprovação de culpa.

 

Em novembro de 2010, o Supremo declarou a constitucionalidade do artigo 71, parágrafo 1º, da Lei 8.666/1993 (Lei das Licitações), que isenta a administração pública de responsabilidade nos casos de inadimplência dos encargos trabalhistas das empresas terceirizadas. O STF esclareceu, durante o julgamento da Ação Direta de Constitucionalidade 16, que o TST deveria, a partir de então, analisar caso a caso as ações para, com base em outras normas, reconhecer a responsabilidade do poder público.

 

Em maio de 2011, o TST alterou a redação da Súmula 331 para adequá-la ao entendimento do STF. Os ministros acrescentaram o item V à súmula, para limitar a responsabilidade subsidiária aos casos de conduta culposa do ente público no cumprimento da Lei das Licitações.

 

Em decisões monocráticas recentes, porém, o STF tem devolvido ao TST processos em que se aplicou a Súmula 331. Foi o caso, por exemplo, da Reclamação 12.558, ajuizada pelo Estado de São Paulo contra decisão do TST que o condenou a responder subsidiariamente por verbas trabalhistas devidas pela Tecnoserve Serviços e Manutenção Geral Ltda. a um de seus empregados. A relatora, ministra Cármen Lúcia, entendeu que a condenação, mantida em agosto de 2011 pela 4ª Turma do TST, contrariou a decisão do STF na ADC 16.

 

Alcance amplo

No Recurso Extraordinário 603397, no qual foi reconhecida a repercussão geral e servirá de paradigma para as demais decisões sobre a matéria, a União alega que a transferência da responsabilidade dos encargos trabalhistas para a administração pública quando a empresa prestadora de serviços não os paga implicaria violação dos artigos 5º, inciso II, e 37, parágrafo 6º, da Constituição da República.

 

Ao votar a favor da repercussão geral, a então relatora, ministra Ellen Gracie, entendeu que a definição da constitucionalidade do dispositivo da Lei de Licitações que trata do tema tem amplo alcance e possui relevância do ponto de vista econômico, político, social e jurídico. Com a aposentadoria da ministra Ellen Gracie, a relatoria do caso passou à ministra Rosa Weber. Com informações da Assessoria de Imprensa do TST.

 

http://www.conjur.com.br/2012-mar-09/acoes-responsabilidade-ente-publico-terceirizado-sao-suspensas

Responder

+13

Guanabara · 5 semanas atrás

Sei do seguinte: até hoje não vi uma notícia que dissesse sobre um projeto de lei que ampliasse os direitos trabalhistas. Afinal de contas, esses deputados não são representantes do povo e eleitos pelos trabalhadores que são maioria no país? Como até hoje não surgiu um projeto trabalhista de maiores garantias de qualidade de vida e de manutenção de renda dos trabalhadores? (mais uma prova da plutocracia em que vivemos).

 

(What is the matrix? Control.).

Responder

1 resposta · ativo 5 semanas atrás

+11

Flausino Rubiloca · 5 semanas atrás

<div class=”separator” style=”clear: both; text-align: center;”>

 

</div>

Responder

+1

Fabio SP · 5 semanas atrás

Eu, que votei em Serra, acho que a Dilma está se saindo bem melhor…

Responder

+6

mineiro · 5 semanas atrás

é o direito dos trabalhadores seno violados a todo instantes. nao faltam gente pra tentar surrupiar os direitos dos trabalhadores , é a ganancia acima de tudo. sera que o pt traidor que agora apoia o demostenes, tambem vai apoiar esse assalto a mao armada. e tambem sera que a dilma vai sancionar esse assalto. tomara que nao , porque se fizer isso , é a prova que ela se submeteu a elite.

Responder

+5

pperez · 5 semanas atrás

As atividades fim nas empresas estatais, estão proibidas por Lei.

No entanto o que tem de convenios e contratos de postos de serviço para eletricistas,motoristas,segurança secretaria e os famosos artigo 37 da CF que estão indo para as atividades fim escamoteados, é brincadeira.

Essas empresas ganham a concorrencia jogando o preço dos serviços lá embaixo, depois ficam sem folego para cumprir o restante do contrato, deixando os empregados na broxa sem salarios, avisos previo e demais direitos trabalhistas!

Agora caso vingue esse projeto de Lei é que a farra dessas contratações vai bombar!

Responder

+6

Hagá · 5 semanas atrás

Vamos enviar um monte de e-mails para os deputados. Ninguém deve votar em quem apoiar a terceirização selvagem. A fiscalização tem de ser em cima e diária. Já. Por que o Blog não cria um texto padrão e disponibilizad os e-mails dos deputados, para a gente começar a se manifestar diretamente? Vale também o telefone da ouvidoria da Câmara. Na época de fhc quase que mudam o Art. 618 da CLT, para que o “negociado” prevalecesse sobre a CLT, como se galinhas e raposas pudessem negociar de igual para igual. Chega de inércia. Melhor agir agora do que reclamar depois.

Responder

0

Italo · 5 semanas atrás

“….as terceirizadas muitas vezes deixam de depositar o Fundo de Garantia pelo Tempo de Serviço (FGTS) ou o INSS de seus trabalhadores, atrasam ou deixam de pagar salários.”

 

Este tipo de problema é mais fácil de controlar como coloca um deputado (que agora esqueci o nome) bastaria colocar na lei que o pagamento da empresa de teceirização ocorreria somente quando esta comprovasse a quitação com os encargos trabalhistas, caso contrario o contratante da empresa de terceirização seria responsabilizado.

 

O mais difícil seria como impedir que um banco terceirize os caixas, vendedores de seguro e atendentes, isto seria ( e é) extremamente dasoso para o trabalhador

Responder

+10

Lu_Witovisk 86p · 5 semanas atrás

É cada uma que aparece… as vezes dá vontade de sumir no mapa, as coisas só pioram, credo! Até qdo o povo vai ficar quieto??

Responder

1 resposta · ativo 5 semanas atrás

0

cesar · 5 semanas atrás

os sindicatos tem que ter coerencia com essa luta, pois ,muitos deles estão terceirizando os seus funcionarios.

Isto acontece com sindicatos de todas as centrais sindicais inclusive da CUT.Pura hipocrisia, o que caracteriza apenas interesses.

Responder

+8

Julio Silveira · 5 semanas atrás

A terceirização é um golpe diabolico contra os direitos dos trabalhadores. Foi a formula encontrada pelos escravocratas enrustidos e travestidos de empresários para fragilizar a parte que compete com eles contra o lucro total. Não é de se estranhar que venha de Sandro Mabel, empresario, sujeito polemico, que não estão acima de qualquer suspeita. Essa é uma estratégia para desamparar, e porta de entrada para a prestação de serviço sem compromentimento e para a existência de empresas de temporada, dessas que utilizam a mão de obra para uma demanda e quando a divida trabalhista fica elevada desaparece para surgir maquiada, com outro nome ali na frente, enriquecendo o dono. Sempre fui contra essa armadilha chamada terceirização por que constatei ser uma brecha para fragilizar ainda mais os eternos culpados estabelecidos pelos detentores da riqueza e dos lucros exponenciais sem responsalidade social. Esses que querem reformar a casa grande e manter a senzala.

Responder

+3

Flausino Rubiloca · 5 semanas atrás

Câmara aprova Fundo de Previdência para servidores públicos

A Câmara dos Deputados aprovou, nesta terça-feira (28), o texto base do projeto de lei que limita a R$ 3.691,74 o valor da aposentadoria de funcionários públicos federais e cria o Funpresp (Fundo de Previdência Complementar do Servidor Público da União), para custear a diferença de rendimento entre o que o servidor recebe em serviço e o que receberá após se aposentar.

 

A proposta foi aprovada por 318 deputados, contra 134 que votaram contra e 2 abstenções. Os parlamentares decidiram, porém, deixar para esta quarta (29) três destaques que pedem mudança no texto aprovado em plenário.

 

Um deles propõe que o fundo seja unificado, e não dividido entre Executivo, legislativo e Judiciário, como prevê o projeto em discussão. Outro destaque sugere que seja incluído um item garantindo que, se o Funpresp quebrar, a União deverá compensar a perda.

 

Com a aprovação da matéria, servidores que forem admitidos a partir da sanção da lei com um salário maior que R$ 3.691,74 terão que enviar mensalmente para o Funpresp uma fatia do próprio salário, além da contribuição compulsória ao INSS, se quiserem receber uma aposentadoria maior que o teto estabelecido.

 

Em contrapartida, o governo vai depositar no fundo a mesma porcentagem do valor excedente escolhido pelo servidor, desde que não ultrapasse o total de 8,5% da diferença entre o teto e a aposentadoria desejada.

 

A proposta, considerada prioritária pelo governo, estava prevista para ser analisada em dezembro, mas foi adiada três vezes até a votação desta terça. http://noticias.r7.com/economia/noticias/camara-aprova-fundo-de-previdencia-para-servidores-publicos-20120228.html

Responder

+9

Polengo 95p · 5 semanas atrás

Tinha que terceirizar a gestão dos cargos de vereador, senador, deputado e etc.

 

Aí sim.

Responder

+3

Alberto · 5 semanas atrás

Azenha, adeus sossego! Se é que havia algum em algum recanto do Brasil na atual conjuntura

Responder

+5

Janaína · 5 semanas atrás

O que se pode fazer se o atual sistema eleitoral favorece os candidatos ao Congresso que contam com maiores recursos financeiros para fazer suas campanhas? E se a maioria dos eleitores troca o seu voto por vantagens pessoais,pouco importando o partido ou as idéias do candidato acerca dos direitos do trabalhador?

A tendência é de progressiva perda de direitos do trabalhador,de privatização do maior número de empresas e setores públicos.

A impressão que dá é que vivemos num país ocupado,onde o neoliberalismo é a ideologia imposta pelos invasores e aceita de bom grado pelos nacionais.

Responder

0

Sagarana · 5 semanas atrás

Gente, o pt no poder eh um perigo!

Responder

+10

Bonifa · 5 semanas atrás

Terceirização é o câncer do serviço público. A maior fonte de corrupção depois das ONGs. A maior burla à obrigação do concurso para cargos de responsabilidade pública. Fonte de enriquecimento rápido de amigos e parentes governamentais que instituem empresas às pressas para avançar sobre o dinheiro público e ao mesmo tempo explorar gente necessitada e não-capacitada para as funções burocráticas.

Responder

+9

Marcio H Silva 86p · 5 semanas atrás

Já assinei a petição publica. Com a privatização assisti o que representa a terceirização na vida de muitos colegas que perderam muitos direitos trabalhistas, fora a exploração com diminuição dos salarios e beneficios…..Terceirização só é bom para empresário, nem para o governo é bom, pois eles sonegam muito…..

Responder

+13

Fabio_Passos 107p · 5 semanas atrás

O objetivo é claro: Reduzir conquistas dos trabalhadores para aumentar ainda mais os lucros dos capitalistas.

 

O que esperamos em um governo do Partido dos Trabalhadores é o fim da terceirização e da precarização do trabalho.

Responder

Postar um novo comentário

Embed video

 

Postando como Praciano-Pereira Tarcisio (Sair)

 

Enviar Comentário

Assinar

 

 

 

leia também

Capobianco: Na questão ambiental, governo Dilma é pré-histórico

Consumo, consumo, consumo

Paulo Preto: O corretor de imóveis que governou SP

“Níveis inimagináveis”

Walter Pinheiro: “Recuar é golpe. Por que não fizeram o título com isso?”

Senador petista nega que tenha mudado de posição

Do que morreu dr. Marcelo, o jovem médico que trabalhava na Cracolândia?

Em entrevista ao Viomundo, o jornalista Marco Aurélio Mello revela as três hipóteses e a causa provável

Pepe Escobar: Escrevendo o roteiro das guerras pornô

Um balanço da guerra contra o terror

Marconi Perillo ofende e intimida presidente de Irmandade

Leonardo Bueno, em Catalão

Golpe na Venezuela: A celebração no Brasil

Gilberto Maringoni, o 11 de abril e o futuro de Chávez

O sumiço dos waimiri-atroatri durante a ditadura militar

Mais um caso para a Comissão da Verdade

Safatle: Tíbio, cínico e mercado persa

Sobre o escracho como reação aos palermas

Dr. Rosinha: A caça do gay

A denúncia de Mario Vargas Llosa

Theófilo Silva: “Cometi o mais imperdoável dos crimes”

Censurado na blogosfera

Juvândia Moreira: Spread na Argentina é de 3,39%

No Brasil, cheque especial chega a 176%

Os juros no Brasil e os “economistas engajados”

Associação norte-americana de economistas ataca conflitos de interesse

Nassif: Cachoeira, o “trem” e o “troco”

A pauta da revista e os interesses do bicheiro

Médico legista da ditadura é alvo de escracho em SP

Harry Shibata atestou falsamente a causa da morte de vítimas da ditadura. Vladimir Herzog é uma delas

Professor da UFPA denuncia ameaça à pesquisa científica

A propósito de processo contra Enéias Barbosa Guedes

Governo Kassab está mais preocupado em alugar casas do que em viabilizar serviços

Denuncia o movimento Abra os Olhos, Companheira! sobre a implantação do Centro de Defesa da Mulher

Hackers tentam desarticular o Fora Perillo no Facebook

Para ativistas, seriam contratados pelo governador

Fernando Ferro: “A Veja se associou ao crime organizado”

Deputado federal (PT-PE) defende investigação

Daniel Dantas Lemos: Quem é o advogado de Gilmar da Montana?

Preso na Operação Sinal Fechado, cita Agripino Maia

Fernando Brito: Cachoeira é um tsunami na oposição

Não adiantou o governador Marconi Perillo, do PSDB, negar, espernear e ameaçar de processo CartaCapital

Dossiê Cultura/Fundação Padre Anchieta: Desmonte e privatização

Mais de mil demitidos, programas extintos no atacado

Alunos da escola mais bem avaliada de SP receberam ajuda de professores

MP vai investigar suspeita de fraude no Saresp

Vinicius Mansur: Mídia permanece blindada no caso “Cachoeira”

Consultoria jurídica nega trabalhar para Veja

Governo Anastasia “inova”: Coloca alunos de séries diferentes na mesma classe

Professores e alunos prejudicados

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.