ESCOLHA DE REITOR NA UVA: CONSULTA AO ESTILO DA DITADURA MILITAR

ESCOLHA DE REITOR NA UVA: CONSULTA AO ESTILO DA DITADURA MILITAR

No dia 15 de janeiro de 2013, os professores da Universidade Estadual Vale do Acaraú-UVA receberam em seus e-mails comunicado e documentos da Reitoria referentes ao processo eleitoral para elaboração da lista tríplice para o cargo de Reitor e Vice-Reitor.

Como já alertamos, o cortejo necessário do processo de açambarcamento do público pelo privado é a total falta de autonomia e de democracia na UVA. As Resoluções nº 01/2013 e nº 002/2013, e a Portaria nº 25/2013-CONSUNI, feitas no período de férias dos docentes e discentes (dia 15 de janeiro de 2013), abrindo o processo eleitoral com as inscrições de chapas previstas para o período de 28/01 a 01/02/2013, e a escolha sendo feita no dia 15 de fevereiro de 2013, procuram de maneira despudorada manter a comunidade universitária alheia a qualquer processo decisório e a qualquer debate sobre os rumos da instituição, marcada de longa data, pelo patrimonialismo e privatismo avassaladores. Estes documentos buscam manter a Reitoria impermeável a qualquer controle da comunidade. Senão, vejamos os fatos e tiremos as conclusões.

O mais recente presente de grego dado pela Reitoria à comunidade universitária é mais um ato arbitrário ao estilo da ditadura militar brasileira, pois tal como naquela, o dirigente máximo é “escolhido” num colégio eleitoral extremamente antidemocrático composto “pelos membros efetivos do Conselho Universitário-CONSUNI, do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão-CEPE e do Conselho Diretor-CONDIR”, conforme a Resolução nº 002/2013-CONSUNI. Os prazos são exíguos para inscrição e para estabelecer qualquer debate sobre o processo — colégio eleitoral e não eleições diretas —, além do fato de a composição dos referidos conselhos ser majoritariamente de representantes da administração da instituição, de representante da Igreja, do governo e de ex-Reitor.

A UECE está comemorando a realização de concurso para mais de 70 vagas, depois de uma consulta para reitor no ano passado; a URCA está festejando o achado de um fóssil que a projetou internacionalmente pela relevância acadêmica dessa descoberta, e, vale destacar que nesta IES o reitor é escolhido de forma direta e paritária desde 2003, enquanto a UVA amarga mais de 20 anos sem consulta direta para reitor.

Como forma de mudar os rumos dessa história, o SINDIUVA vem lutando diuturnamente, e nessa perspectiva, o ano de 2012, foi marcado por várias atividades de sensibilização e mobilização da comunidade acadêmica em torno da Estatuinte, no sentido de mudar o Estatuto da Universidade e a estrutura de poder em seu interior, a forma de gestão e de escolha de seus dirigentes, ou seja, mudanças legais e políticas na estrutura da instituição. Dentre as ações implementadas pelo SINDIUVA, destacamos: mobilização nos campi,<span
LutoDiadeLuta
style=”color:#222222;”>com passagens em salas de aula, e atos públicos nos pátios, enfatizando a importância da comunidade acadêmica no processo da Estatuinte e na luta por eleições diretas; participação em programas de rádio esclarecendo não só a comunidade acadêmica, como também a sociedade sobre a justeza de nossas propostas, denunciando a falta de democracia e autonomia na universidade; assembleias para discutirmos e encaminharmos formas de luta contra o Plano Semestral de Trabalho Docente-PSTD; campanha feita nos colegiados de curso contra o controle de freqüência, tendo como resultado positivo a deliberação em vários colegiados da não assinatura do ponto pelos professores, reforçando a luta do sindicato pela autonomia universitária; elaboração de notas de esclarecimento e denúncia sobre o caráter retrógrado do PSTD e de seus efeitos nefastos para a docência, tais como: aumentar a carga horária docente para evitar a realização de concurso para professor efetivo, e o controle gerencial sobre o trabalho docente; a participação do SINDIUVA em reuniões de colegiado para aprovar encaminhamentos contra avaliação docente, de caráter classificatório e ranqueador, realizada pela Reitoria; campanha de filiação; campanha pelos 10% do PIB para a educação; denúncia em programas de rádio sobre a Instrução Normativa de regulamentação dos grupos de estudos, que culminou com mudanças na redação do referido documento, dentre outras.

LutoDiadeLuta

As nossas lutas não foram somente internas, juntamente com as outras seções sindicais SINDURCA e SINDUECE, retomamos o Fórum das Três, e construímos um instrumento de luta fundamental — o Jornal Palavra de Ordem; participamos da mobilização a “Academia vai ao Palácio”,que teve como desdobramento a conquista de audiência com o governador; participação ativa do sindicato no Grupo de Trabalho, composto pelas seções sindicais das três universidades e representantes das reitorias, representante da SECITECE e Procuradoria Geral do Estado, para discussão e elaboração das minutas pendentes do PCCV, que durou aproximadamente de fevereiro a dezembro de 2012, fundamental para garantir a regulamentação das reivindicações incorporadas no PCCV de 2008.

Nós, da diretoria do SINDIUVA, continuando a luta e o compromisso que abraçamos no início de nossa gestão pela autonomia e democracia universitárias, repudiamos veementemente este processo de escolha antidemocrático para Reitor, por entendermos que este não representa uma das aspirações mais sentidas da comunidade universitária que é a escolha de seus dirigentes de forma direta e democrática. Nesse sentido conclamamos a comunidade acadêmica a dizer NÃO a mais este golpe contra a UVA, através de uma ampla mobilização, que uma vez iniciada nas redes sociais se amplifique no retorno das férias.

 

SINDIUVA (SS ANDES)

Estatuinte Já!

Eleições Diretas e Paritárias para Reitor e demais órgãos diretivos!

Autonomia e Democracia Universitárias!

Concurso Público para Professor Efetivo!

Restaurante e Moradia Universitária Já!

LutoDiadeLuta

Deputados na Suécia vivem modestamente, mas…

In 2010, the Swedish Royal family was granted 115 million Kronor by the Swedish government That is equivalent to 18.5 million US Dollars.

Em 2010, a dita família real da Suécia   recebeu 115 milhões de coroas, ou seja  18.5 milhões de dólares americanos, cerca de 15 milhões de euros, ou ainda 36 milhões de reais.

Se, por um lado, pagam o que é justo aos deputados (contra o absurdo que
fazemos nós no Brasil) entretanto jogam um monte de dinheiro neste lixo
chamado monarquia como aliás em outras países “ditos civilizados” também o fazem, como Inglaterra, Dinarmarca, Bélgica, Noruega. A Espanha entrou nesta bobagem com um golpe do ditador Franco, criou um rei para que ele escapasse da ditadura sem ser molestado, e de fato foi assim. O rei que ele intronizou permitiu que Franco entrasse na penumbra e morresse em paz sem ter que prestar contas do monte de assassinatos e torturas a que submeteu os opositores da ditadura espanhola.

Temos que corrigir as nossas distorções em que os administradores da coisa pública e seus adjunvantes, deputados, senadores, vereadores deixem de ser “mornarcas” sobre a nossa população mas não precisamos estar de olhos na lixeira que os ditos países desenvolvidos possuem.

Meu Rio – Preservação cultural!

Meu Rio – Preservação cultural!.

DILMA, MOSTRE PARA O RIO QUE O BRASIL ESTá COM A ALDEIA MARACANã!

Meta: 10000
7647 pessoas assinaram esta petição.

O Governo Estadual do Rio de Janeiro acaba de anunciar a contratação de uma empresa que tem o prazo de um mês para demolir o antigo Museu do Índio, situado dentro do Complexo do Maracanã. No terreno, que é considerado sagrado por várias etnias, será construído um estacionamento privado. Temos pouco tempo para impedir esse absurdo!

A Prefeitura e o Governo já contrariaram os pareceres de todas as instituições criadas para defender o patrimônio do Rio, como o Conselho Municipal de Patrimônio e o Instituto Estadual do Patrimônio Cultural. Agora, apenas uma intervenção do Governo Federal poderá evitar que o Rio perca um espaço cultural que poderia ser motivo de orgulho para todos os cariocas e brasileiros. Vamos pedir que a Presidenta Dilma faça uma declaração pública pedindo que o antigo Museu do Índio seja mantido e transformado em centro vivo de promoção e divulgacão da nossa cultura e da nossa história!

O Governo Estadual alegou que a demolição do prédio seria uma exigência da FIFA para a realização da Copa. Mas a própria FIFA desmentiu a declaração, dizendo que jamais pediu a destruição do espaço. Agora, nosso governador afirma que a demolição servirá às necessidades de mobilidade de milhões de brasileiros que frequentam a região. Mas o Conselho Regional de Engenharia já emitiu um laudo mostrando que a mobilidade na área não seria afetada pela permanência do prédio. Não podemos permitir que o poder público bote abaixo espaços que pertencem a todos os cariocas sem que existam razões muito fortes para isso. E também não vamos ficar só reclamando: vamos propor que o antigo Museu do Indio seja reformado e vire um Centro de Referência da Cultura Indígena, motivo de orgulho pra cidade e de admiração para os visitantes que frequentarão o Maracanã durante a Copa e as Olimpíadas.

No final do ano passado, a mobilização de milhares de cariocas impediu que a Prefeitura e o Governo Estadual demolissem a Friedenreich, a quarta melhor escola do Rio. O plano era usar o espaço para a construção de duas quadras de aquecimento no entorno do Maracanã. Agora, o Brasil todo se unirá para impedir que a perda de um espaço tão importante para a cultura e a história de nosso país.

Nós sabemos que o governador e o prefeito do Rio precisam do apoio do governo federal. Se a Presidenta Dilma se manifestar, eles terão que voltar atrás. Assine já a peticão pedindo que Dilma se oponha à demolição do antigo Museu do Índio!

* A foto é do Luiz Baltar. Valeu!

Fontes:

Declaração da FIFA

Declaração do Ministério Público Federal

Declaração do Conselho Nacional de Direitos Indígenas

Declaração do Conselho Municipal de Patrimônio

O 5 piores estados dos Estados Unidos da América do ponto de vista da infância | Care2 Causes

The 5 Worst States To Spend Your Childhood | Care2 Causes.

Se você estiver sonhando com  viver nos Estados Unidos da America, evite os seguintes estados.

The 5 Worst States To Spend Your Childhood

  1. Missipi – 32% das crianças vivem na pobreza, isto dá cerca de 232.600 crianças das quais mais de 105 mil vivem em extrema pobreza. Para estas extremamente pobres as famílias recebem em média $170 dólares (340 reais) para uma família de três pessoas. No Missipi uma criança é violentada a cada hora do dia, uma criança ou uma adolescente é morta a bala a cada semana ( Children’s Defense Fund).
  2. Novo México  está logo a seguir do Mississipi nesta escala de desgraças com grande e profunda pobreza infantil. 31% das crianças vivem na pobreza o que dá 153.558 crianças das quais 66.342 vivem em extrema pobreza. Aqui uma família de três recebe uma assistência um pouco mais generosa de $447 por mes. Dos que são assistidos recebem também assistência alimentar. Como no Mississipi, as consequências da pobreza são custos sociais como abuso de crianças ou adolescentes, deliquência infantil da ordem de 64% com 12 mil adolescentes na marginalidade, dados de janeiro de 2012.
  3. Louisiana, aqui sçao 29% das crianças que vivem na pobreza o que corresponde a 299.779 crianças, do total de  1.114.759 de crianças do estado. Das que vivem em estado de pobreza, 134.938 vivem em extrema pobreza.Este é estado nº 48 em mortalidade infantil. 90% dos recursos do sistema público de saúde vai para a assistência médica das crianças pobres. Um dado para encerrar a história deste estado: os gastos com prisões é aproximadamente o mesmo que se gasta com o sistema de escolas públicas.
  4. Alabama  fica na escala como 4º porém tem uma vizinhança de estados que lhe ficam ao pé de formas que é uma distinção difícil. Aqui são 274.905 crianças que vivem na pobreza, destas 125.187 extremamente pobres.
  5. Grande parte do resto do Sul, num total de 11 estados cuja diferença entre eles é mínima, em geral com 28% das crianças vivendo em estado de pobreza, são Arkansas, South Carolina, Texas, Tennessee, Kentucky, Georgia, Michigan, Florida, Arizona, West Virgina e North Carolina.

Estes números são consequência da crise econômica com os recursos sendo cada vez mais direcionados para a chamada classe rica.

http://www.care2.com/causes/the-5-worst-states-to-spend-your-childhood.html

Circular em bicicletas está se tornando popular em muitas cidades americanas | Common Dreams

Cycling Becoming More Popular in US Cities | Common Dreams.

Quem diria, no país do automóvel as bicicletas estão tomando o espaço

Despite having traditionally been known for a car culture that includes many people driving big petrol-guzzling vehicles, Al Jazeera examines the growing bike movement in some US cities.

Assista um clip aqui mostrando a invasão das bicicletas.

http://www.commondreams.org/video/2013/01/16-0

Replica do MQ-9 Reaper avião sem piloto (drone) será exibido na UH Hilo | Malu ‘Aina

Replica of MQ-9 Reaper drone to be displayed at UH Hilo | Malu ‘Aina.

Mesmo que você não posso comparecer, divulgue.

Press Release: Miniatura do  MQ-9 Reaper drone (escala 1/5 ) estará sendo exposto na  UH Hilo Library lanai de 11:00 a 13:00 Quinta-feira, 17 de Janeiro de  2013

further contact: Jim Albertini 966-7622
Malu `Aina Center for Non-violent Education & Action P.O. Box AB Kurtistown, Hawai`i 96760.
Phone (808) 966-7622 Emai ja@malu-aina.orghttp://www.malu-aina.org

Col. (aposentada) Ann Wright estará fazendo uma conferência sobre 
“Aviões sem piloto assassinos no Pakistão, Afeganistão, Gaza e nos EUA”  Local: UH Hilo, Jan. 17th from 6:30-8PM at STB 108. 
(new building on Lanikaula St. across from the Church of the Holy Cross)free street parking and in parking lot near STB after 4PM

Depois da conferencia havera uma sessão de  Q&A (P&R) e o público está convidado para participar

Suporte:  UHH Sociology, Philosophy, and Women’s Studies Dept., and Malu ‘Aina

Aaron Swartz se suicid – The Tech

Aaron Swartz commits suicide – The Tech.

Aaron Swartz commits suicide
NEWS EDITOR; 2:15 A.M. 1/12/13; UPDATED AT 4:40 P.M. 1/12/13

Editor’s Note: See our blog for a summary of The Tech’s coverage on Aaron Swartz.

Computer activist Aaron H. Swartz committed suicide in New York City yesterday, Jan. 11, according to his uncle, Michael Wolf, in a comment to The Tech. Swartz was 26.

O ativista e cientista da computaçao Aaron H. Swartzse suicidou em New York ondem, dia 11 de Janeiro, disse seu tio Michael Wolf, em comentário ao  The Tech. Swartz tinha  26 de idade.

“A informação trágica e terrível que você receberam é infelizmente verdadeira,” confirmou o advogado de Swartz, Elliot R. Peters de Kecker and Van Nest, em um  e-mail para o The Tech.

Swartz havia sido acusado em julho de 2011 por tribunal federal sob a suspeita de ter baixado milhões de documentos do JSTOR pela rede do  MIT  — usando um  laptop escondido numa caixa de conexões da rede do prédio 16 do MIT — com o objetivo de torná-los públicos livremente. Swartz depois disto se mudou para Brooklyn, New York, onde passou a trabalhar com Fundação  Avaaz, “um movimento global na Internet para agregar a população em ações de decisão.” Swartz se apresentou ao julgamento no dia 24 de setembro quando não aceitou a inculpação que lhe era feita

Swartz foi co-autor da codificação RSS 1.0. hoje largamente em uso quando tinha 14 anos, fundou Infogami que depois se transformou no site reddit, completou um trabalho com o Laboratório de Ética de Harvard sobre o tempo “Corrupção Institucional”. Em 2010 fundou DemandProgress.org, uma “campanha contra a censura na  Internet contra os projetos de lei SOPA/PIPA.”

Publicado pelo The Tech – online http://tech.mit.edu/V132/N61/swartz.html

Perseguição política: empresa demite operários por apoio a índios no Maracanã

14/01/2013 Jornal do Brasil

Clipping: Perseguição política: empresa demite operários por apoio a índios no Maracanã

Concrejato diz que dispensa foi por ato de indisciplina dos carpinteiros.

Henrique de Almeida e Renan Almeida*

Por terem dado apoio, no sábado, à manifestação em favor da permanência da Aldeia Maracanã no prédio do antigo Museu do Índio, os carpinteiros José Antonio dos Santos, 47, e Francisco de Souza Batista, 33, acabaram demitidos dos empregos, na manhã desta segunda-feira (14), pela empresa Concrejato, que participa da reforma do Estádio do Maracanã.

Os dois trabalharam no turno da manhã no sábado, dia em que a aldeia amanheceu cercada por soldados do Batalhão de Choque o que provocou uma grande movimentação em solidariedade aos índios.

Não acho legal destruir um monumento como este só para fazer nome ou dinheiro.

O apoio dos carpinteiros ao movimento ocorreu no horário de almoço, quando eles decidiram ir à aldeia, pulando o muro, uma vez que o portão estava interditado pelos soldados do Batalhão de Choque.

“Vão derrubar um patrimônio cultural, além de deixar desamparadas as pessoas que ali estão. Eu não concordo”, defendeu José Antônio. Segundo Francisco, vários colegas pensam como eles mas têm medo de se manifestarem.

“Como cidadão, não acho que Cabral esteja fazendo um bom governo. Não acho legal destruir um monumento como este só para fazer nome ou dinheiro. Acho que isto é uma coisa com a qual ninguém pode concordar”, disse Francisco.

Ao retornarem à obra, tiveram seus crachás recolhidos por um funcionário do Consórcio Maracanã , formado pelas construtoras Andrade Gutierrez e Odebraecht que recomendou que eles voltassem apenas na segunda-feira quando definiriam a situação de ambos. 

“Quando eles tomam o crachá, em 99% dos casos o trabalhador é dispensado”, antecipou Francisco no sábado.

Pulamos o muro porque quisemos. Sou um homem de caráter e temos que honrar nossa cultura

Nesta segunda-feira (14), em uma nítida perseguição política, os dois receberam três papéis. Em um havia uma advertência, o segundo continha uma demissão por justa causa e o terceiro seria a possibilidade de serem transferidos de canteiro de obra. Os dois não aceitaram assinar nenhum deles. Restou-lhe a demissão com seus direitos preservados.

José Antonio estava há cinco meses na obra. Francisco já totalizava 17 meses de trabalho. Nenhum dos dois, até então, havia tido qualquer problema disciplinar ou de falta. Jamais foram advertidos. “Sou um trabalhador que me dou bem com todo mundo. Chego cedo, se precisar saio mais tarde. Jamais fui advertido”, esclarece Francisco.

“Disseram que o consórcio não queria mais a gente aqui no Maracanã. Queriam nos transferir, mas seria muito ruim para nós, então concordamos em ser dispensados”, contou José Antonio.

Aldeia apóia operários 

Ao serem informados da demissão dos operários, os indígenas deram total apoio aos dois. Quando chegaram à aldeia após serem demitidos, as palmas se misturaram a gritos de apoio em diferentes dialetos indígenas. Um discurso foi feito por Marize de Oliveira, uma das líderes indígena, que conclamou o Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil a apoiar os operários. 

Francisco, ao receber um cocar na cabeça como forma de agradecimento, explicou o que havia acontecido aos presentes.

“Pulamos o muro porque quisemos. Sou um homem de caráter e temos que honrar nossa cultura”, disse ele, sob aplausos entusiasmados de uma comunidade em estado de tensão por causa da possibilidade iminente de serem expulsos do antigo Museu do Índio, lar da Aldeia Maracanã.

Os dois operários ganharam a solidariedade do advogado e ex-deputado federal Modesto da Silveira, conhecido defensor de presos políticos na ditadura militar, advogado de direitos humanos e atualmente conselheiro da comissão de ética da Presidência da República.Ele estava ali como observador para tentar evitar atritos, evitar alguma agressividade que violasse os direitos do cidadão. 

Ele se dispô a acompanhar os dois trabalhadores em uma conversa com “o capitão do mato” – termo que usou para referir-se ao responsável pela obra que anunciou a demissão. A ideia, porém, não foi levada adiante por conta do tumulto que poderia causar. Modesto sugeriu aos operários que buscassem o apoio jurídico do sindicato dos trabalhadores em construção civil.  

Ato de indisciplina 

Em nota emitida às 17H00 desta segunda-feira, a empresa Concrejato nega que tenha feito uma perseguição política e credita a demissão ao ato de indisciplina dos dois carpinteiros, por eles terem se ausentado do canteiro de obras, “desrespeitando as regras de trabalho do Consórcio Maracanã”. A nota diz ainda que a dispensa ocorreu por eles “terem pulado o muro do Complexo Maracanã, inclusive uniformizados”. 

Segundo os dois operários informaram ao Jornal do Brasil, quando deixaram o canteiro de obras eles já tinha terminado o expediente de serviço e estavam em horário de almoço.  Abaixo a íntegra da nota:

“A Concrejato esclarece que, no dia 12 de janeiro, os funcionários Francisco de Souza Batista e José Antônio dos Santos Cezar deixaram a obra do Maracanã, onde cumpriam expediente,  desrespeitando as regras de trabalho do Consórcio Maracanã, o que resultou em demissão.

A empresa esclarece, ainda, que a medida tomada não foi influenciada pelo apoio dos funcionários à manifestação que ocorreu na mesma data, no prédio do antigo Museu do Índio. Tal fato ocorreu por eles terem pulado o muro do Complexo Maracanã, inclusive uniformizados, expondo-os a acidentes e abandonando o local de trabalho durante o expediente sem qualquer solicitação de dispensa nem comunicado aos seus superiores. 

 A Concrejato reforça que todos têm o direito de expressar sua opinião e que a demissão foi ocasionada por indisciplina e pelo descumprimento das regras de conduta e segurança que a empresa pratica”.

*Do Projeto de estágio do Jornal do Brasil

Texto publicado originalmente no Jornal do Brasil