As três heroinas da Guatemala: A juiza, a advogada geral, a prêmio Nobel da Paz.

Published on Thursday, May 16, 2013 by Truthdig

Publicado na quinta-feira, 15 de maio de 2013, por Truthdig

As três heroinas da Guatemala: A juiza, a advogada geral, a prêmio Nobel da Paz.

por Amy Goodman

Tradução: Tarcisio Praciano-Pereeira

O ex-ditador guatemalteco Efrain Rios Montt foi levado para a prisão na sexta-feira. Foi um momento histórico, é a primeira vez na história que um ex-líder de um país é julgado por genocídio em um tribunal nacional. Mais de três décadas depois que ele tomou o poder em um golpe de Estado na Guatemala, desencadeando uma campanha apoiada pelos Estados Unidos da America de morte contra seu próprio povo, com 86 anos de idade, foi

ex ditador à caminho do presídio

O sanguinário ditador à caminho do presídio

julgado, acusado de genocídio e crimes contra a humanidade. Ele recebeu uma sentença de prisão de 80 anos. O caso foi inspirado e perseguido por três mulheres guatemaltecas bravas: a juiza, a procurador-geral e a Prêmio Nobel da Paz.

“Meu irmão Patrocinio foi queimado até a morte na região Ixil. Nós nunca encontramos os seus restos mortais “, diesse-me Rigoberta Menchu após o veredicto de Rios Montt foi anunciado. Ela detalhou o abate sistemático de sua família: “Quanto a minha mãe, nunca encontramos os restos dela, também. … Se seus restos mortais ou foram comidos por animais selvagens, depois de que ela tenha sido brutalmente torturada e humilhada, ou possivelmente seus restos mortais estão em uma vala comum perto da região Ixil. … Meu pai também foi queimado vivo na embaixada de Espanha [na Cidade da Guatemala] em 30 de janeiro de 1980. “

Rigoberta Menchu ​​foi agraciad com o Prêmio Nobel da Paz em 1992, “em reconhecimento do seu trabalho pela justiça social e reconciliação étnico-cultural baseada no respeito pelos direitos dos povos indígenas.” Ela continuou me contando sobre a destruição de sua família: “Em 1983, meu irmão Victor Menchu ​​também foi morto a tiros. Sua esposa teve a garganta cortada, e ele estava fugindo com seus três filhos. Victor foi preso numa pequena cidade, mas seus três filhos foram mantidos em um bunker militar. Meus dois sobrinhos morreram de fome nesta base militar, e meu irmão Victor foi baleado. Nós ainda não encontramos os seus restos mortais. “

De acordo com o funcionário da Comissão de Esclarecimento Histórico, que realizou uma investigação detalhada do genocídio de três décadas da Guatemala, pelo menos 200 mil pessoas foram mortas. Menchu levanout uma das ações iniciais contra os perpetradores do genocídio, o que resultou no julgamento que terminou agora com a condenação de Rios Montt.

Claudia Paz y Paz Bailey foi nomeada como a primeiro procuradora-geral feminina da Guatemala em dezembro de 2010, e ganhou grande aclamação por sua perseguição dos autores de crimes contra a humanidade. O juiz do caso é outra mulher, Yassmin Barrios. Em um país onde, historicamente, as pessoas que desafiam quem está no poder são frequentemente mortos, Paz y Paz e Barrios demonstraram uma enorme coragem.

Jornalista Allan Nairn, que cobriu Guatemala, entre outras zonas de conflito, desde o início da década de 1980, esteve como observador do julgamento. Em meados de abril, o julgamento foi encerrado por outro tribunal guatemalteco, provavelmente sob a influência do presidente Otto Pérez Molina. Da Cidade da Guatemala, Nairn informou então: “O juiz, Yassmin Barrios, e a procuradora-geral, Claudia Paz y Paz, ambos disseram que iriam desafiar esta ordem para encerrar o caso, o que é extraordinário.” Elas continuaram o julgamento, e, finalmente, Rios Montt foi considerado culpado. Nairn disse que, após o veredicto: “O juiz Barrios … conduziu o julgamento e foi ela que teve que anunciar o veredicto. Quando ela saia do tribunal, todas as noites, era possívdel ver que ela estava usando um colete à prova de balas. Os juízes e promotores envolvidos no caso receberam ameaças de morte. Em um caso, numa ameaça contra um promotor, a pessoa que apresentou a ameaça colocou uma pistola em cima da mesa e disse: ‘Eu sei onde seus filhos estão. ” Era preciso muita coragem para seguir em frente com um caso destes.”

Menchu ​​disse: “Este veredicto é histórico. É monumental. O veredicto contra Rios Montt é histórico. Esperamos por 33 anos para que a justiça prevaleça. É claro que não há paz sem justiça. “É tanto mais porque ocorreu em um tribunal nacional na Guatemala. Ela observou que o Tribunal Penal Internacional, que estaria inabilitado, não poderia ter levado o caso em frente, dizendo: “A atuação do Tribunal não é retroativa. Ele não aborda os casos que foram cometidos antes de o tribunal ter sido criado. Nâo há dúvidas de que o estatuto de limitações sobre o Tribunal Penal Internacional deve ser alterado. ” (nota do tradutorporque é muito dificil que tribunais nacionais consigam um feito igual a este de condenar e meter na prisão um ex-ditador).

Nairn deveria depor no julgamento. Uma entrevista conduzida por ele, em 1982, atraiu atenção generalizada. Na câmera, ele falou com o “major Tito”, que disse que famílias inteiras de camponeses indígenas trabalhavam com  guerrilheiros. Tropas de Tito disseram a  Nairn  que eles rotineiramente matavam esses aldeões. “Tito”, ao que parece, não é outro senão o atual presidente da Guatemala, Otto Perez Molina. Nairn vê o veredicto de culpa contra Rios Montt como uma abertura para possível processo contra Perez Molina e outros: “Mas haveria centenas de funcionários norte-americanos que foram cúmplices nestes atos e deveriam ser intimados, chamados perante um grande júri e submetidos a acusação – incluindo [Secretário do presidente Reagan de Estado Adjunto para os Direitos Humanos] Elliott Abrams. E os EUA devem estar prontos para extraditá-los para a Guatemala para enfrentar a punição, se as autoridades guatemaltecas forem capazes de dar seguimento a esta investigação. E General Perez Molina é um daqueles que deve ser incluído. “

Independentemente de para onde o caso vá a partir daqui, Guatemala deu um exemplo para o mundo, se afastando da violência e da impunidade. Ou, como Nairn coloca, “Os Maias da Guatemala chegaram a um nível mais elevado de civilização do que os Estados Unidos da America do Norte“.

Denis Moynihan contribuiu com pesquisa para esta coluna.

Amy Goodman é apresentadora de “Democracy Now!”, Uma TV / radio hora diária internacional de notícias a ser exibida em 1100 estações na

jornalista e apresentadora da TV americanaca

Amy Goodman

América do Norte. Ela foi premiada com o Livelihood Award 2008 Right, apelidado de “Nobel Alternativo” prêmio, e recebeu o prêmio no Parlamento Sueco em Dezembro.

Natan Blanc, um objetor à guerra em Israel, é sentenciado a prisão pela sétima vez

Traduzido por Tarcisio Praciano-Pereira

Seventh Prison Term for Conscientious Objector Natan Blanc

– Please distribute widely –

Conscientious objector Natan Blanc sentenced to prison for the Seventh time for his refusal to join the Israeli Army.

O objetor á guerra israelense, Natan Blanc, vai para a cadéia pela sétima vez ao se voltar a se recusar o engajamento no exército israelense.

Natan Blanc, de 19 anos, residente em Haifa, chegou na quinta-feira, dia 28, de fevereiro, à base Induction Base, em Tal-hashomer, onde mais uma vez ele se recusou a engajar-se no exército israelense. Ele foi sentenciado a 20 dias de prisão pela sua recusa na prisão militar no. 6 perto de Atlit.

Natan Blanc, 19 years old from Haifa, arrived, thursday, 28.2.2013, to the Induction Base in Tal-hashomer, where he again declared his refusal to serve in the Israeli Army. he was sentenced to 20 days of imprisonment for his refusal, in the military prison No. 6 near Atlit.

Ao fazer a recusa,  Natan Blanc disse:

In his refusal declaration Natan Blanc wrote:

“Comecei a pensar na recusa de participar no exército israelense durante a operação  “Cast Lead” de 2008. A onde de de militarismo agressivo que tomou o país junto com  a  expressão de ódio  mútuo, e a conversa vazia conduzindo ao  terror e criando um efeito de contenção foram as razões primárias da minha decisão. Hoje, passados quatro anos de intenso  terror, sem perspectiva de um processo  political  [voltado para negociação de paz], sem tranquilidade nem em Gaza e nem em Sderot, fica claro que o governo Netanyahu, da mesma forma como o de seu predecessor Olmert, não está interessado em buscar solução para a situação que exisite, mas pelo contrário em preservá-la. Do ponto de vista deles, não há nenhum erro em começar a operação  “Cast Lead 2″ passados três ou quatro anos (e assim sucessivamente 3, 4,5  ou  6): falamos de contenção, qye mataremos alguns  terrorista, perderemos alguns civis em ambos os lados, e na verdade estamos apenas criando um terreno para uma nova geração cheia de ódio em ambos os lados. Como representantes do povo, os  membros do governo não sentem qualquer responsabilidade de aprsentar a sua visão de futuro do país, e eles apenas continuam com este cíclo sangrento sem término à vista.  Porém nós, os cidadãos, como seres humanos que somos, temos um dever moral de nos recusarmos a participar deste jogo cínico.”

Boletim de notícias: Stephen Hawking decide não ir à Conferência em Israel

http://www.palestinecampaign.org/press-release-stephen-hawking-respect-for-palestinian-call-for-boycott/

Professor  Stephen Hawking decide não comparecer à conferência em Israel manifestando o seu apoio à situação grave dos Palestinos.  Ver mais

Published on Wednesday, May 8, 2013 by Common Dreams

Renowned Scientist Stephen Hawking Joins Academic Boycott of Israel

http://www.palestinecampaign.org/press-release-stephen-hawking-respect-for-palestinian-call-for-boycott/

Confirmed reports reveal that treatment of Palestinians, not health concerns, are behind decision to forgo presidential conference

– Jon Queally, staff writer

Noted British physicist Stephen Hawking has joined an international academic boycott by refusing to attend a prominent upcoming conference in Israel citing his concern for that nation’s treatment of Palestinians and the ongoing occupation of their land.

A statement published with Stephen Hawking’s approval said his withdrawal was based on advice from academic contacts in Palestine. (Photograph: Facundo Arrizabalaga/EPA) Though a series of confusing news reports on Wednesday left some confusion about whether or not Hawking’s decision to not attend the June presidential conference was based on health concerns rather than a political position, clarified statements from Cambridge University, where Hawking works, have now made the issue more clear.

Secret ‘Kill List’ Tests Obama’s Principles – NYTimes.com

CasaDestruida

A forma americana de assassinar aqueles que defendem o seu próprio país sob a invasão americana, à distância, covardemente.

Secret ‘Kill List’ Tests Obama’s Principles – NYTimes.com.

Guantanamo

O cara que na campanha prometia fechar a prisão de Guantanãmo e poristo certamente recebeu o dito prêmio Nobel da Paz…

DennisBlairEx-diretor da C.I.A.  que se demitiu com fortes divergências sobre a atuação da “agência”.

 

Abdulmutallab

AnwarAlAwlaki

Irak

CODEPINK: Take Action Now!Justice for Guantanamo

CodePink

Global Hunger Strike: Justice for Guantanamo Detainees!I pledge to join the global hunger strike and actions for justice for Guantanamo prisoners by fasting for at least 24 hours.I acknowledge that I will never know what it is like to hunger strike under conditions as inhumane as those within Guantanamo, but hereby join the global hunger strike in hopes that it, among a variety of other efforts, will provide an impetus for policy change.I call on President Obama to release the 86 prisoners who have been cleared for release, formally charge and try the remaining prisoners in fair and open proceedings, and close the shameful prison in Guantanamo — as he promised to do when he ran for office.

gitmo

I will also make the following calls during meal times:- Call the White House and insist that President Obama fulfill his promise to close Guantanamo: 202-456-1111, 202-456-1414 or submit a comment online.- Call the U.S. Southern Command to decry the conditions at Guantanamo: 305.437.1213- Call the Department of Defense: 703-571-3343Or, e-mail or write Secretary of Defense Charles Hagel and demand that he rapidly resume the transfers of all the men the Obama administration does not intend to charge. Address: Secretary of Defense Charles Hagel, 1000 Defense Pentagon, Washington, DC 20301If outside the US:-US Embassy or Consulate-International Red Cross-Your elected officialTalking points:-The situation at the prison in Guantamamo is at a crisis point, with desperate prisoners refusing to eat. Over 100 of the 166 prisoners left in Guantanamo are on a hunger strike. Many are being brutally force-fed. The United Nations Human Rights Commission considers the practice of force-feeding—in which detainees are strapped to a restraining chair, have tubes pushed up their nostrils and liquids pumped down their throats—a clear form of torture. One detainee said the process felt like a “razor blade [going] down through your nose and into your throat.” Prisoner Samir Naji al Hasan Moqbel said, “I had never experienced such pain before. I would not wish this cruel punishment upon anyone.”-President of the American Medical Association, Dr. Jeremy Lazarus, has called force feeding unethical and inhumane. “The administration cannot force feed its way out of this growing medical emergency,” he said.-Of the 166 prisoners, 86 have been cleared for release and must be released. The last time a prisoner left Guantanamo was September 2012. Fifty-seven of the cleared detainees are from Yemen and the present government—a US ally—wants these men returned home. One cleared detainee is a British citizen, Shaker Aamer. He has been cleared for release twice, but is still behind bars after 11 years. Kuwaiti prisoner Fouzi Al Awda, has been held for 11 years while the Kuwaiti government, another US ally, has repeatedly called for his repatriation.-What can President Obama do? Congress has imposed unprecedented restrictions on detainee transfers, but President Obama still has the power to transfer men right now. He should use the certification/waiver process created by Congress to transfer detainees.-According to the ACLU, there are two essential first steps the president must take. One is to appoint a senior point person so that the administration’s Guantánamo closure policy is directed by the White House and not by Pentagon bureaucrats. The president can also order the secretary of defense to start certifying for transfer detainees who have been cleared, which is more than half the Guantánamo population.-The President must demonstrate immediate, tangible progress toward the closure of Guantanamo or the men who are on hunger strike will die, and he will be ultimately responsible for their deaths.

viaCODEPINK: Take Action Now!.