Crime americano com a cumplicidade do ditador Franco contra o povo espanhol

Espanha encointra as valas radioativas que EUA ocultou em Palomares

Washington paga 1,2 milhões de dólares e aceita levar para a America toneladas de plutõnio

Disseram que haviam levada a terra contaminada, em 1966, quando houve o desastre militar sobre Palmoares quando o exército americano transladou em avião 1.600.000 toneladas de terra contaminada com plutônio. Houve um desastre entre dois aviões em que os americanos brincavam de fazer guerra, exatamente em cima da Espanha quando na brincadeira os aviões se chocaram. Um, o avião-tanque explodiu no ar matando toda sua equipagem e o outro, um bombardeiro que transportava 5 bombas termo-nucleares, se partiu deixando cair as bombas. Um caiu no mar e foi recuperada intacta, dizem.  Um caiu em terra com a queda reduzida por paraqueda e ficou intacta, dizem.  Três cairam por terra detonando-se o gatilho, mas dizem que não houve a explosão nuclear, entretanto o combustível núclear se espalhou  pelos locais da queda. Fizeram uma grande encenação na busca da bomba que caiu no mar como uma cortina de fumaça para esconder o desastre em terra.

Agora, quase 50 anos depois, o interesse mobiliário está entrando em conflito com o segredo que foi guardado sobre o desastre. Querem vender lotes perto da práia e repentinamente os donos dos lotes ficaram sabendo que o terreno que lhes pertencia não podia ser usado, mas passearam tranquilamente por cima dos entulhos nucleares enterrados.

Com o vozerio que começa a subir, os EUA já avançaram dois milhões de dólares para uma análise do problema mas estão querendo que o povo espanhol divida os custos da sua brincadeira de guerra para levar para a America o resto da terra contaminada.

Em Palomares, Espanha, vários quilómetros quadrados de terra próximo da práia, no Mediterrâneo, contaminadas 50 anos. Crime americano, cumplicidade do ditador Franco

Em Palomares, Espanha, vários quilómetros quadrados de terra próximo da práia, no Mediterrâneo, contaminadas há 50 anos. Crime americano, cumplicidade do ditador Franco

Segundi dizem, o governo espanhol iria alugar o terreno enquanto se procede a limpesa. Mas diz Teresa Mendizábal, diretora do Departamento de Meio Ambiente do Centro de Investigações Energéticas, (Ciemat), que no levantamento que agora foi feito  “desapareceram duas trincheiras de  1.000 metros cúbicos cada uma com material radioativo deixado pelos EUA e que estavam registrados nos “documentos secretos” do Departamento de Estado Americano”.  Ciemat é o uma organização do Ministério da Educação que trata das questões de Energía Nuclear e que estuda a zonha de Palomares desde  1966 mas somente em  2004 é que se iniciou o processo de descontaminação.

PASSEIO SOBRE  PLUTÔNIO

Em novembro de 2004, os donos do  terreno contaminado, Pascual Soler e  José Zamora, deram um passeiozinho  por suas terras, sem  saber que sob seus pés  se escondíam lixo  radioactivo. Seguem negociando com o governo espanhol a  expropiação e pensam que as coisas podima ser feitas de melhor maneira. De fato, os “segredos” servem apenas para esconder de todos nós as sacanagens que eles fazem.

Se você for a Espanha, à práia no Mediterrâneo, e quiser sair com uma garota para uma trepadinha no mato, é melhor identificar onde fica Palomares que a trepadinha econômica no mato pode ficar muito cara.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s