The Women’s Boat to Gaza (Zaytouna-Oliva) left the port of Ajaccio at 09:30 this morning.

For Immediate Release
20 September 2016

Ajaccio, Corsica, France: The Women’s Boat to Gaza (Zaytouna-Oliva) left the port of Ajaccio at 09:30 this morning. It is due to arrive later this week in Messina, Sicily, Italy, where it will dock for the last time, prior to sailing to challenge the illegal blockade of Gaza.

One of the participants aboard, Lisa Gay Hamilton said: “It is an honour to be here and join this extraordinary group of women. This issue is bigger than me, than any of us. As a mother, as a daughter, as a sister, I cannot help thinking of Palestinian women in Gaza, who live in an open-air prison because of the occupation. It is so painful to think of them, we have to take action to end the blockade of Gaza.” A full list of the participants on this leg is available at: https://wbg.freedomflotilla.org/participants

Lucia Intruglio, spokesperson and one of the local organisers in Messina said: “We are very pleased to host the women on Zaytouna-Oliva before they embark on this historic voyage.”  During their stay in Messina, all of the women will participate in non-violence training, whilst finalizing supplies and equipment for the boat.

A previous Freedom Flotilla Coalition ship, the Marianne av Göteborg from Sweden, departed from Sicily last year. It however was raided in international waters by the Israeli Occupation Forces. When asked whether the Zaytouna-Oliva will reach its destination, Intruglio replied: “Our destination remains the conscience of humanity. It is up to every one of us to help them succeed in this.”

The Women’s Boat to Gaza is an initiative of the Freedom Flotilla Coalition composed of civil society organizations and campaigns from more than a dozen countries. 

In Canada please contact:

Sandra Ruch: miriamswell@hotmail.com    +1-416-716-4010

Irene Macinnes: iremac@shaw.ca   +1-778-870-2448

Donate: 

You can support the Women’s Boat to Gaza by donating online:  http://canadaboatgaza.org/donate/

Those who can benefit from a U.S. tax receipt can contribute online at

https://womensboatgaza-nonviolenceinternational.nationbuilder.com/contribute

Other ways to get involved:

Follow us at www.canadaboatgaza.org and freedomflotilla.org

www.facebook.com/FreedomFlotillaCoalition/ and www.facebook.com/CanadaBoatGaza/

Twitter @GazaFFlotilla  @CanadaBoatGaza

Canadian Boat to Gaza:  www.canadaboatgaza.org email: canadaboatgaza@gmail.com

Bateau Canadien pour GAZA:  www.canadaboatgaza.org courriel: canadaboatgaza@gmail.com

You have received this message from the Canadian Boat to Gaza.

www.canadaboatgaza.org

canadaboatgaza@gmail.com

Anúncios

O suicídio do FMI — Abril de Novo Magazine

por Valentin Katasonov O Fundo Monetário Internacional estava encarapitado num galho precário que agora lhe foi cortado. O Executive Board do FMI reuniu-se em Washington na noite de 14 de Setembro. A questão mais importante na sua agenda era se aprovava um desembolso de mil milhões de dólares como empréstimo à Ucrânia. E eles assim […]

via O suicídio do FMI — Abril de Novo Magazine

Come find me at Rosh Hashanah – anywhere – Jewish Voice for Peace

Come find me at Rosh Hashanah – anywhere

Входящие
x

Rabbi Brant Rosen, Jewish Voice for Peace через mail.salsalabs.net 

19:15 (3 ч. назад)

кому: мне
Перевести сообщение
Отключить для языка: английский

Dear Tarcisio,

Something very exciting is happening in the borderlands of Jewish life. Across the country, we’re seeing the emergence of congregations and havurot (fellowships) grounded in a commitment to justice and human rights.

Communities where we are invited to bring our whole selves: our Jewish selves, our political selves, our queer selves. Communities where all are welcome as equals: Jew, Jew-ish, or none of the above. Communities that do not require allegiance to Israel or Zionism as a prerequisite.

It is not an accident that Jewish Voice for Peace is at the forefront of this new emergence. I’m so proud of my colleagues on the JVP Rabbinical Council who are creating and celebrating Jewish community transformation from within, and from without. Congregations such as Kehilla Community Synagogue in Oakland, the Tikun Olam and Fringes Havurot in Philadelphia and my own Tzedek Chicago are providing new models of intentional, values-driven Jewish communities that put social justice, anti-racism and solidarity with the oppressed at the center of their missions.

If you live near Chicago, Philadelphia or the Bay Area you may well be familiar with these congregations – and you might have even made plans to join us for Rosh Hashanah and Yom Kippur. But even if you don’t, you will still able to celebrate the High Holidays with us!

I am thrilled to announce that for the first time, through the miracle of livestreaming, JVP is making it possible for you to virtually attend these three very special Jewish communities for the High Holidays. We will also be streaming live from a powerful interfaith service that will take place at the militarized U.S./Mexico border during the School of the Americas Watch Convergence.

Yes, we’ll be livestreaming all of these services — for free – on Rosh Hashanah, the Days of Awe, and Yom Kippur. Click here to sign up.

These plans represent a crucial strategic part of our work at JVP. Together with the JVP staff, members and my visionary colleagues on our Rabbinical Council, we’re proving that a Jewish communal transformation is truly possible. As you can see from the schedule above, Immigrant justice, the Movement for Black Lives, and Palestine solidarity will be interwoven through our services along with this season’s themes of reflection, return and renewal.

Stand for justice this High Holidays. Click here to RSVP for our free livestreams.

Since founding Tzedek Chicago one year ago, I’ve heard constantly from people around the country asking if there is a congregation like ours in their community. I know for a fact that there is a real thirst for Jewish congregations and havurot that put real justice on their agendas — and don’t compartmentalize “Tikkun Olam” through Social Action committees or direct service projects. And there are many who genuinely seek to participate in Jewish congregations but are kept at bay because they oppose Israel’s racist oppression of Palestinians and/or do not consider themselves to be Zionists.

So this Rosh Hashanah and Yom Kippur, we’ll be coming together as Jews to share and build transformed Jewish community. Together, we’ll create spiritual spaces grounded in universal human rights, Palestine solidarity, and racial justice.

And now we’re offering these communities to you, Tarcisio. Will you join us, via our free livestream, on Rosh Hashanah or Yom Kippur?

You can stop by for a sermon or two, drop in on the JVP co-led interfaith service at the School of the Americas Watch Convergence, or even join our communities for the duration: from the start of Erev Rosh Hashanah to the end of Neilah on Yom Kippur.

Click here to RSVP.

We look forward to welcoming the New Year together with you!

Shana Tova,

Rabbi Brant

Rabbi Brant Rosen
Tzedek Chicago

PS: Already have plans? Check out JVP’s 5777 webpage for member-created, Rosh Hashanah table blessings to share with family and friends. We also have supporter-created, BDS-friendly resources like JVP new years cards, yahrzeit candles, and a 5777 calendar.

Jewish Voice for Peace is a national membership organization inspired by Jewish tradition to work for the freedom, equality, and dignity of all the people of Israel and Palestine. Become a JVP Member today.

www.Jewishvoiceforpeace.org

1611 Telegraph Ave. Suite 1020 Oakland, CA 94612

(510) 465 1777

This email was sent to pracianopereira@gmail.com
We use email to build our grassroots power – don’t hesitate
to share your feedback and campaign suggestions.

You can update your subscription options or unsubscribe anytime.

empowered by Salsa

Нажмите здесь, чтобы Ответить или Переслать
Использовано 4,31 ГБ (28%) из 15 ГБ
Последние действия в аккаунте: 18 мин. назад

Дополнительная информация

UECE E UVA HÁ QUATRO MESES EM GREVE – Governador Camilo Santana, qual sua proposta para resolver o impasse?

22 setembro 2016

UECE E UVA HÁ QUATRO MESES EM GREVE – Governador Camilo Santana, qual sua proposta para resolver o impasse?

A greve na Universidade Estadual do Ceará (UECE) e na Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA) completou quatro meses. A responsabilidade pelo impasse é exclusivamente do governo de Camilo Santana.

A pauta de reivindicações, de conhecimento público, compõe-se, basicamente, de itens acordados com o governador no dia 6 de janeiro de 2015 que NÃO FORAM CUMPRIDOS. De novidade mesmo só a justa reivindicação de reposição da perda salarial acumulada entre janeiro e dezembro de 2015, a equiparação salarial dos professores substitutos e a suspensão dos cortes de verbas de custeio das universidades.

Ao invés de buscar solução efetiva para as reivindicações da comunidade universitária, o governo preferiu ameaçar direitos consagrados na carreira docente (Dedicação Exclusiva, estágios probatórios e ascensões) e apostou no desgaste do movimento, deixando o tempo passar. A estratégia deu errado e a GREVE FORTALECEU-SE.

Percebendo a força da categoria, o governo se pronunciou, pela primeira vez e por escrito, sobre a pauta do movimento grevista em reunião realizada dia 11/08/2016. Manteve-se intransigente quanto à reivindicação de reposição da inflação sobre os salários dos efetivos/aposentados e a equiparação salarial dos substitutos, condicionou a concessão da Gratificação de Dedicação Exclusiva (GDE) e o desembargo dos processos administrativos (ascensões, estágio probatório) à disposição financeira do Estado e ao anúncio do fim da greve. Quanto aos concursos para professores, programados para 2015, 2016, 2017 e 2018, o governo comprometeu-se a autorizar apenas um certame para preencher 16 vagas residuais na UECE e nomear os já concursados (84 na UECE, pois os 32 da UVA já foram nomeados e empossados como conquista da greve em curso), tudo condicionado ao fim da greve. Outros pontos da pauta foram encaminhados, ficando pendentes de maiores detalhamentos quanto a sua execução, conforme documentos indicados abaixo.

Convocadas pelos sindicatos, foram realizadas Assembleias Gerais (AG) de docentes na UECE (19/08/2016) e na UVA (17/08/2016) para análise e deliberação sobre a proposta do governo. Resultado: quase por unanimidade, as AG deliberaram pela continuidade da greve por considerar insuficientes as propostas do governo, destacando-se os seguintes pontos críticos: reajuste zero para os efetivos/aposentados e recusa da equiparação salarial dos substitutos; condicionamento ao fim da greve da tramitação de processos (ascensão, estágio probatório), da nomeação dos 84 professores concursados da UECE e dos demais itens considerados atendíveis pelo governo; condicionamento do acesso à DE à disponibilidade financeira do Estado.

Procurando saídas para o impasse, os sindicatos solicitaram nova reunião com o governo, que ocorrera dia 29/08/2016, desta vez com a vice-governadora Izolda Cela e o secretário Inácio Arruda (SECITECE), ocasião em que o governo acatou proposta dos sindicatos de constituir um Grupo de Trabalho (GT-Salário) para tratar da reposição inflacionária e equiparação salarial dos substitutos. Na reunião, os sindicatos solicitaram, ainda, que o governo elaborasse um novo documento detalhando os itens com os quais se comprometeu no documento supracitado e incluir/retificar os pontos considerados insuficientes pela categoria docente.

O GT-Salário foi instituído em reunião ocorrida no dia 01/09/2016 de onde partiu a diretriz que as reitorias das universidades produzissem, e fornecessem à Seplag e aos sindicatos, os cálculos do impacto da reposição de 10,67% sobre o Vencimento Base dos docentes, bem como da equiparação salarial dos substitutos. A segunda reunião do GT-Salário ocorrera no dia 8 de setembro, ocasião em que se apresentaram os estudos realizados pela URCA e pela UVA, ficando pendentes as informações da UECE. Com os dados em mãos e a promessa de entrega das informações da UECE, a equipe técnica da Seplag demandou cinco dias úteis para estudo e validação, ficando a próxima reunião do GT-Salário marcada para sexta-feira, 16/09/2016.

Procurando resolver o impasse, os sindicatos propuseram que na próxima reunião do GT-Salário: I) a equipe técnica da Seplag esteja acompanhada por um tomador de decisão do governo que possa responder as reivindicações do movimento, assinar e validar documento; II) o governo apresente sua proposta de reposição da inflação e equiparação salarial dos substitutos a partir dos dados gerados pelas universidades.

Logo após a reunião na Seplag, os sindicatos solicitaram ao secretário Inácio Arruda (SECITECE) marcação de audiência com a participação da vice-governadora para detalhar em novo documento os itens apresentados como exequíveis pelo governo na reunião do dia 11 de agosto, descrevendo as iniciativas já em curso e prevendo datas para as providências pendentes, além de consolidar os pontos ainda não atendidos. Esta iniciativa repousa na singela ideia de que este documento se junte à proposta que o governo deve apresentar na reunião do GT-Salário (16/09/2016) para que, com base nisso, os sindicatos promovam nova rodada de assembleias para analisar e deliberar a respeito.

Como entidades representativas dos docentes, as Seções Sindicais do Andes-SN nas estaduais cearenses (Sinduece, Sindiuva e Sindurca) reafirmam seu compromisso com a categoria, a defesa dos seus direitos e a fidelidade às decisões tomadas democraticamente nas assembleias gerais. Por esta razão repudiam veementemente publicações e iniciativas das administrações superiores que, em atitude invasiva e irresponsável, rebaixam a pauta de reivindicações apresentada pelos docentes e, ainda, procuram desmotivar e desmobilizar a greve em curso.

As Seções Sindicais do Andes-SN nas três universidades estaduais cearenses têm feito todos os esforços para resolver satisfatoriamente o impasse imposto pelo governo de Camilo Santana, responsável direto pelo prolongamento da greve, que já é uma das mais longas nas nossas universidades. Se não ocorrer a reunião com Inácio Arruda, Hugo Figueiredo e Izolda Cela, solicitada pelo movimento, e não houver proposta concreta no encontro do GT-Salário na semana em curso, o governo estará dando mais uma prova de desprezo e abandono de um dos mais importantes equipamentos de promoção cultural, científica e tecnológica da sociedade cearense – a UECE, a UVA e a URCA.

A resolução do impasse depende, assim, inteiramente da vontade política do governo de Camilo Santana.

Fortaleza/CE, 12/09/2016

SINDUECE, SINDIUVA, SINDURCA, ANDES-SN

Um povo que elege corruptos não é vítima, é cúmplice