Antero de Quental dá um alerta

O emissário, ou talvez o intermediário,  ou ainda o embaixador, é Brasilino Godinho que conhece Antero melhor do que muita gente.  E acompanho o amigo Brasilino em repetir o alerta de Antero, embora dirigido à Portugal e n’outra época, nos serve a risca no Brasil ameaçado por um sujo golpe, uma justiça emporcalhada, uma imprensa rídicula que pensa que a cidadania ainda é constituida apenas de debilóides.

É um alerta histórico de quem pensou e serve para nos ensinar a pensar.  O que é triste é a constação que lado podre da história segue se repetindo com mais frequência que o lado digno.

Recordando…

15 de Setembro de 2014 ·

Mui prezadas e atenciosas senhoras,
Caros e atentos senhores,
Também para manter a chama viva do nosso (agora irregular) convívio, mas, sobretudo, para abrir horizontes de esperança em melhores dias e, ainda, tendo em vista corresponder à atenção que o santo Antero de Quental, através dos seus escritos, dispensa aos atormentados indígenas que somos neste desgraçado país – na actualidade, empobrecendo e sofrendo segundo as determinações autoritárias impostas pelo governo, em aplicação do catecismo ideológico de bem-fadadas excelências: a do venerando Chefe de Estado, Prof. Doutor Aníbal Cavaco Silva, a do jovem e ilustre presidente do Conselho, dr. Pedro Passos Coelho e as do seu selecto grupo de ajudantes – anexo um meu registo do vigoroso alerta que o grande poeta e pensador micaelense dirigiu a todos os portugueses.
Com votos de boa leitura e vital consequência.
E juntando os melhores cumprimentos.
Brasilino Godinho

QUEM DISSE QUE ANTERO DE QUENTAL ESTÁ MORTO?

Um registo de Brasilino Godinho

Sito além-túmulo, em Ponta Delgada, Açores, Antero de Quental, poeta, político e pensador, que dir-se-ia jazer adormecido está, afinal, bem vivo e atento ao tenebroso estado de Portugal. E, evidenciando grande inquietação, lança-nos um vigoroso alerta.

Pois façamos a leitura atenta do alerta de Antero de Quental.
Em primeiro lugar, precedendo o descritivo da infame realidade, nele expressa uma perturbadora interrogação.

«No templo sagrado da Pátria tomaram assento os vendilhões da intriga, os mercadores de traições, e rumorejam debatendo o preço por que se compram e vendem entre si, enquanto a alma popular, contrita e humilhada, chora no seu desolado abandono. E não haverá quem proteste contra esta corrente de torpeza, de baixeza e cinismo, que ameaça subverter o que ainda nos resta de crenças e dignidade cívica? »

Em segundo lugar, no mesmo expõe a panaceia da restauração da sociedade portuguesa.

«Quando a nação portuguesa tiver governos que verdadeiramente a representem e nos quais confie, quando o Estado voltar a ser um órgão útil e não uma excrescência parasita e nociva no corpo social, só então poderemos dizer que está dado o primeiro passo no caminho da restauração das forças vivas da sociedade portuguesa.»
Fim de citação
(Sem comentários. Aqui absolutamente desnecessários…)

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s