Carta a membro do conselho editorial de conhecido jornal golpista

CARTA A MERVAL PEREIRA

21 de abril de 2017
São Paulo, 21 de abril de 2017

Ao
Merval Pereira
Colunista de O Globo
Membro do Conselho Editorial da Globo

Senhor jornalista,

Verdadeiro “segredo de polichinelo”, título de sua coluna de hoje (edição 21/04/2017), é a participação ampla, direta e ilegítima das Organizações Globo na perseguição judicial imposta ao ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva com o intuito de prejudicar ou inviabilizar sua atuação política. A aliança entre a Globo e os agentes públicos que integram a Lava Jato – hoje alçados à condição de artistas de um filme estarrecedor, que viola os mais elementares direitos fundamentais do investigado – já foi mais discreta. Hoje, a Globo dita as acusações contra Lula e disponibiliza os seus veículos de comunicação para colocá-las em pé.

A história do chamado triplex do Guarujá é um bom exemplo disso. Foi a Globo, em 2010, que iniciou essa farsa de que Lula seria proprietário do apartamento 164-A do Condomínio Solaris. Deu holofote a 3 promotores de Justiça de São Paulo que promoveram um grande espetáculo midiático, transmitido ao vivo pela emissora. Na sequência, o assunto do Guarujá foi parar em Curitiba, nas mãos de uma nova instituição criada no País à revelia da Constituição Federal — a chamada Força Tarefa Lava Jato. E, mais uma vez, o tríplex foi alvo de coletiva transmitida ao vivo pela emissora, com a ajuda de um anedótico PowerPoint.

Mas o que dizem os fatos? Após 24 audiências e o testemunho de 73 depoentes compromissados com a verdade, ruiu a acusação de que Lula teria recebido a propriedade desse apartamento como contrapartida de 3 contratos firmados entre a OAS e a Petrobras. No rol de testemunhas estavam funcionários da OAS que afirmaram não ser Lula o proprietário e que o ex-Presidente visitou o local uma única vez, para verificar se tinha interesse na compra, mas rejeitou.

A Globo e seus aliados não se rendem à verdade. E isso pode ser bem observado ontem. O jornal Valor Econômico – hoje 100% de propriedade do grupo – publicou, 3 horas antes do depoimento de Leo Pinheiro ao Juízo de Curitiba, o script da audiência de ontem. Antecipou a troca dos advogados que iria ocorrer, considerando retomada das negociações em busca de uma delação premiada. E deixou claro que o executivo da OAS iria acusar Lula — sem provas — como condição de ver a sua delação aceita pelo MPF. Foi o que ocorreu. Léo Pinheiro deu aos Procuradores da República a sonhada narrativa contra Lula — na contramão dos 73 depoimentos anteriormente colhidos — e com isso viu crescer a chance de sair da prisão ou obter outros benefícios.

As afirmações de Pinheiro, que é corréu na ação e por isso depôs sem o compromisso de dizer a verdade, foram, no entanto, suficientes para que sua coluna concluísse que “Lula é o verdadeiro dono do tríplex e do sítio de Atibaia”. E o senhor foi além: fez ataques diretos e levianos a mim e ao advogado Roberto Teixeira.

Avalio que o senhor sequer assistiu ao vídeo da audiência. Se tivesse assistido, saberia que Léo Pinheiro respondeu às minhas perguntas dizendo que Lula jamais teve as chaves ou usou o imóvel; jamais manteve qualquer pertence pessoal no local; jamais usou ou teve qualquer título da propriedade do apartamento. Ou seja, Pinheiro ao responder às minhas questões — independentemente da versão que havia combinado para ter sua delação premiada aceita — reconheceu que o ex-Presidente jamais praticou qualquer ato que pudesse indicar posse, uso ou gozo do apartamento, que são os atributos necessários para a configuração da propriedade segundo o artigo 1.228, do Código Civil.

Leo Pinheiro ainda reconheceu que deu o mesmo tríplex que afirmara ser de Lula em garantia para a obtenção de recursos para a OAS, o que torna risível a tese por ele sustentada sobre a propriedade do imóvel. Lula seria o dono e a OAS dá o imóvel em garantia, em sucessivas operações, para captar dinheiro no mercado! A situação, portanto, é bem diversa daquela apresentada aos seus leitores.

Registro igualmente Leo Pinheiro negou quando perguntado se algum recurso utilizado no tal tríplex era proveniente da Petrobras. A Folha de S.Paulo, por exemplo, registrou isso em suas páginas na data de hoje (http://www1.folha.uol.com.br/poder/2017/04/1877330-leo-pinheiro-diz-que-lula-pediu-para-ele-destruir-provas-de-propina.shtml). Mas o senhor preferiu mentir aos leitores, dizendo que Leo Pinheiro teria afirmado que “o apartamento foi pago com a propina que o PT obteve por obras na Petrobras”.

Na tentativa de agredir minha atuação profissional, o senhor disse que “o advogado de Lula tentou uma última cartada, que acabou comprometendo ainda mais o cliente”. E narra a seguir que eu teria denunciado a Sérgio Moro a prática de um crime praticado por Leo Pinheiro: “Segundo Zanin, se o apartamento é de Lula, a empreiteira cometeu um crime ao dizer-se dona do apartamento”. Todavia, quem efetivamente assistir a gravação da audiência verá que não fiz qualquer afirmação nesse sentido. Por má-fé ou imprudência, o senhor comete até mesmo erros factuais em suas análises, e esse é um deles.

Quem de fato fez tal colocação foi o ilustre advogado José Roberto Batochio, ex-Presidente da OAB Nacional, com o qual tenho a honra de atuar, afirmando — corretamente, ao meu ver — que as colocações mentirosas de Leo Pinheiro poderiam, em tese, configurar o crime previsto no artigo 171, §2º, inciso I, do Código Penal. O senhor, portanto, errou a pessoa e o tema em sua análise.

Ainda na tentativa de desqualificar a mim e a defesa do ex-Presidente Lula, o senhor fez a seguinte afirmação: “O amigo de Lula Roberto Teixeira, sogro do advogado Cristiano Zanin, chamou-o [Alexandrino Alencar] em seu escritório e combinou fazerem notas frias para regularizar despesas”. Essa situação, todavia, jamais existiu e não tem amparo sequer na delação premiada do executivo da Odebrecht, que jamais fez referência a “notas frias”. Isso é criação sua, com evidente intenção de caluniar o advogado Roberto Teixeira, ex-Presidente da OAB/SBC e que tem uma história ilibada de 47 anos de advocacia.

A propósito, se o senhor e a Globo realmente tivessem interesse na delação da Odebrecht, deveriam começar explicando a tal “sociedade secreta” que Emílio Odebrecht afirmou ter mantido com a emissora para influir em decisões de governo na era do ex-Presidente Fernando Henrique Cardoso, no tocante à privatização da área de telefonia e petróleo. Houve apenas lobby? Tráfico de influência? Por que a Globo até hoje não se manifestou sobre esses graves fatos apontados por Emílio? Prepotência? Falta de uma versão convincente?

Avalio, Merval, que o senhor jamais conseguirá esconder um outro verdadeiro “segredo de polichinelo” — o mal que a Globo faz ao País e à democracia.

Cristiano Zanin Martins

Como e porque a Boblo/Golpe é nossa inimiga mortal – ou ela morre ou morremos nós.

Do Facebook do Fernando Moraes

1) O jornal O Globo apoiou a cassação do Partido Comunista Brasileiro, em 1947.
2) O Globo foi contra a criação da Petrobras.
3) O Globo participou do cerco a Getúlio, que levou o estadista ao suicídio.
4) O Globo deu sustentação à trama para impedir a posse de Jango, em 1961.
5) O Globo apoiou o golpe militar de 1964.
6) A Globo aplaudiu a caçada e o massacre dos opositores do regime militar.
7) A Globo escondeu a campanha por Diretas Já.
8) A Globo fraudou o debate entre Lula e Collor, em 1989.
9) A Globo sempre trabalhou contra a soberania nacional, defendendo a subserviência aos EUA e Europa.
10) A Globo é adversária histórica das políticas de valorização dos salários dos trabalhadores.
11) A Globo criminaliza os movimentos sociais, a pobreza e a atividade política.
12) A Globo liderou a farsa midiática-judicial do mensalão.
13) A Globo teve papel destacado na sabotagem e no golpe contra a presidenta Dilma Rousseff.
14) A Globo apoia todas as atrocidades jurídicas cometidas pela operação Lava a Jato.
15) A Globo assassina reputações de adversários e protege corruptos aliados.
16) A Globo defendeu o congelamento dos gastos em saúde e educação por 20 anos.
17) A Globo apoiou a aprovação do projeto de terceirização irrestrita, o fim da CLT.
18) A Globo aprova a venda de ativos da Petrobrás e a entrega do pré-sal aos estrangeiros.
19) A Globo trabalha pela aprovação da reforma da Previdência, que fará com que os trabalhadores trabalhem até a morte.
20) A Globo se empenha também pela aprovação da reforma trabalhista, para liquidar de vez com todos os direitos trabalhistas.
21) A Globo quer o fim quer o fim do SUS e do ensino gratuito nas universidades públicas.
22) A Globo luta pelo desmonte do estado social e da Constituição cidadã de 1988…

Aterrorizado pela selvageria do Governo Norte Americano contra o povo Sírio

As Salaamu Alaykum,

Last night, the Trump administration seriously escalated the U.S.’s involvement in Syria’s civil war. Like many MPower Change members, I stayed up late, watching footage of the U.S. military launching missiles into Syria and listening to pundits try to make sense of this catastrophe.

The conflict in Syria has the uncanny ability to produce an endless variety of horrors: from the daily bombings of civilians by multiple air forces and the brutal violence committed by the Assad regime, to the gruesome actions of Daesh and the heartlessness shown towards Syrian refugees by so many nations around the world—especially our own. And now with reports of chemical weapons once again used against the Syrian people and the prospects of Trump’s missile attack ballooning into a bigger conflict, our sorrow has deepened even further.

Compounding the staggering human tragedy—with as many as nearly half a million killed since the conflict began1—the civil war has also brought about the destruction of schools, mosques, churches, and many of Syria’s ancient cultural heritage sites.2 “Al Sham,” as the region was historically known, is revered in our faith tradition as the “land of the believers”—made so by the number of Prophets and people of piety that have walked it, and its history as a center of sacred knowledge.

We won’t pretend to have any quick solutions or a concise analysis of the situation. There is no clear, fool-proof, strategic response—just as there’s no shortage of bad actors. All we know for sure is that the Syrian people have suffered unspeakable tragedy for far too long.

After the chemical attacks in Idlib, Syrian-American writer Lina Sergie Attar, co-founder and head of the Karam Foundation, reported the following:

We reach out to people on the ground to see what they need, what is missing from them on the ground, how can we alleviate their suffering and their pain. And this time, the response was very stark, very bleak. And they said, ‘Nothing you can send will save us. Nothing you can send will help us. All we need is your prayers.’3

While we still hold out hope that there’s something we can do to alleviate the suffering of the Syrian people, today, we send them our prayers through these words:

God is sufficient for us and the best disposer of affairs. Nothing afflicts us except what God wrote for us. He is our patron. The best of patrons and the best of those who give aid.

We ask that you join in that prayer with us, or take a moment to send healing thoughts to the people of Syria in the way that you know best. We’ll keep you posted as we coordinate with our partners to identify the best ways that we can be helpful to Syrians in this moment.

In solidarity,
Linda, Dustin, Mohammad, and the MPower Change team

P.S. While Trump has used Assad’s barbaric chemical attack as the pretext for his offensive, he’s hardly shown real concern for the Syrian people before this. That’s why we echo the call from our friends at MoveOn to stop any bombing and immediately open the U.S. to at least 100,000 more Syrian refugees. Click here to retweet this message.