Não foi o Brasil que fez uma escolha do psicopata na presidência.

Uma afirmação falsa que sempre se repete:
“O Brasil já teve escolha. Desenvolveu uma política externa “ativa e altiva”, como a nomeou o chanceler Celso Amorim. Mas, em 2016, resolveu hipotecar sua soberania a Washington, com um golpe de Estado que marca a destruição de todo o projeto de nação construído nos últimos 30 anos.”


Não foi uma escolha do Brasil e muito menos das brasileiras e dos brasileiros. Em 2016 caímos num golpe ardiloso que durante mais de um ano chegou a enganar setores importantes e que se auto julgavam a elite do conhecimento, como a ANDES, o Sindicato Nacional dos Docentes do Ensino Superior (antes Associação Nacional dos Docentes do Ensino Superior – ANDES) que se manteve gritando um “fora todos” o que incluía apoiar o golpe contra Dilma e ratificar a prisão de Lula conferindo-lhe a possibilidade de ser um ladrão, coisa que até Maluf, alguém altamente experiente na área declarou em entrevista à TV que se havia alguém que nunca havia roubado, este era Lula.

Então não foi uma escolha do Brasil. Fomos golpeados por uma gang poderosíssima constituída dos banqueiros, devidamente apoiados pelos militares e pelo judiciário e tendo como palanque o sistema de TV e jornais com o que anularam completamente a resistência democrática contra o golpe.

Este atores são uma minoria portanto eles não são o Brasil.

Estou me referindo no parágrafo inicial a um artigo cheio de pessimismo típico de Carta Capital
https://www.cartamaior.com.br/?/Editoria/Cartas-do-Mundo/Carta-de-Paris-Para-onde-marcha-a-humanidade-/45/47403

O Brasil não quer o retrocesso, mas os banqueiros querem se apoderar das riquezas do Brasil, querem negociar a água do Brasil e não se importam que venha a acontecer como na Índia em que regiões inteiros estão bebendo água com arsênico o que será inevitável se passarem a explorar a água como exploraram o petróleo com sucção violenta o que inevitavelmente fará uma desestruturação dos aquíferos com poluição por metais pesados na proporção em que as do profundo subsolo sejam lavadas pelas correntes de sucção, ou pior, com a famigerada téncia do fracturing em que lixo é injetado para tirar água pura do outro lado enquanto houver água pura. Este é um item restam muitos outros como as empresas públicas que são estratégicas para uma nação como as telecomunicações já prostituídas, e com as tentativas de prostituição das outras.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.