NOTA DO SINDIUVA E DCE PELA REVOGAÇÃO DO PROVIMENTO 09/2020, DO COMITÊ GERAL DE ENFRENTAMENTO À PANDEMIA DO CORONAVÍRUS – UVA

NOTA DO SINDIUVA E DCE PELA REVOGAÇÃO DO PROVIMENTO 09/2020, DO COMITÊ GERAL DE ENFRENTAMENTO À PANDEMIA DO CORONAVÍRUS – UVA  Com a grande campanha realizada pela SindiUVA e o DCE-UVA na defesa da igualdade de condições para o acesso e a permanência na escola/universidade (art. 206, inciso I, da CF/1988; art. 3º, inciso I, da LDB/1996), bem como em defesa da educação de qualidade (art. 206, inciso IIV, da CF/1988; art. 3º, inciso IX, da LDB/1996) e dos direitos trabalhistas dos docentes, a reitoria não avançou no seu plano de aulas remotas para a continuidade do semestre letivo da graduação, mas implementou as aulas remotas das disciplinas, estágios e práticas para cursos de graduação e de especialização pagos, chancelados pela UVA e administrados por institutos privados (Provimento nº 06/2020 e Provimento 04/2020, respectivamente), e na pós-graduação stricto sensu (mestrados, conforme o Provimento n.º 03/2020).  Esses provimentos foram editados pelo Comitê de Enfrentamento à Pandemia do Coronavírus no âmbito da UVA, formado por 15 (quinze) representantes da gestão e por 02 (dois) representantes da comunidade acadêmica, um do SindiUVA e um do Diretório Central dos Estudantes – DCE, o que demonstra uma desigualdade brutal entre as categorias representadas no órgão. Acrescentamos que, durante 45 dias, o SindiUVA e o DCE-UVA solicitaram insistentemente assento nesse comitê, pois, como se observa na Portaria nº 94/2020, da lavra do magnífico reitor da UVA, ele havia sido criado apenas com os membros do staff da reitoria.  Na graduação, a gestão da universidade implementou o que chamou de “atividades pedagógicas não presenciais”, não obrigatórias para alunos e professores, reguladas, inicialmente, pelo Provimento n.º 01/2020. Conforme esse provimento, as atividades pedagógicas não presenciais, a serem desenvolvidas via sistema acadêmico da UVA, não podem ser aproveitadas como componentes curriculares do semestre letivo 2020.1, tendo em vista que ele foi suspenso pelas portarias n.º 95/2020, n.º 99/2020 e n.º 101/2020, do Reitor. Nessa direção, a gestão da universidade, organizada no referido comitê, fez a distinção entre “calendário acadêmico” e “calendário letivo”. Mesmo com o “calendário letivo 2020.1” suspenso, o “calendário acadêmico 2020.1” seguiu com as atividades administrativas e acadêmicas (excetuando-se as atividades letivas, a exemplo das aulas, estágios e práticas).  Para a surpresa de todos e todas, em reunião realizada em 17 de junho de 2020, o Comitê deliberou pela flexibilização da regulação de atividades à distância na UVA, como estavam previstas no Provimento n.º 01/2020. Apesar do “calendário letivo” estar suspenso, professores de alguns cursos desenvolveram determinadas atividades não presenciais com seus alunos e demandaram pelo seu aproveitamento como atividades letivas, componentes curriculares do semestre 2020.1, o que havia sido vedado, segundo o texto do parágrafo 2º, do art. 1º, do Provimento n.º 01, de 27 de abril de 2020 – Comitê, o qual regula as atividades pedagógicas não presenciais na graduação durante a pandemia, as quais não equivalem a atividades letivas do semestre 2020.1. O Comitê decidiu, então, pela alteração do Parágrafo 2º, Art. 1º do Provimento n.º 01/2020, para atender à requisição apresentada pela Prof.ª Izabelle Mont’Alverne, vice-reitora da UVA, qual seja: a de possibilitar o aproveitamento das atividades pedagógicas não presenciais da graduação como atividades letivas, mesmo com o calendário letivo 2020.1 estando suspenso!  Desse modo, o Provimento n.º 01/2020 foi revogado pelo Provimento n.º 09/2020, que permite que as atividades pedagógicas não presenciais sejam aproveitadas como componentes curriculares, a exemplo de disciplinas. Porém, sabe-se que não há como contemplar a todos os estudantes neste difícil contexto de pandemia, no qual foram ampliadas as desigualdades sociais, do que é parte a concentração de pessoas nas moradias precárias, as dificuldades econômicas para suprir necessidades básicas e a falta de acesso à internet e a equipamentos indispensáveis para o desenvolvimento de atividades remotas, como computador ou tablet. Assim, para que nenhum estudante fique para trás, as atividades pedagógicas não presenciais que se decidiu validar como atividades letivas, sob vergonhosa pressão do casuísmo, deverão ser ofertadas novamente pelos professores, de forma presencial, logo que se dê o retorno das atividades letivas, o que implicará em retrabalho para os docentes para garantir os direitos de todos os estudantes à educação de qualidade em igualdade de condições.                    Apesar do Provimento n.º 09/2020 ter sido aprovado com a justificativa de validar atividades remotas – que não equivalem às atividades letivas presenciais! – desenvolvidas em tempos de pandemia, ele se revela como expressão da manobra que colocou razões instrumentais acima das vidas das pessoas, acima dos direitos de milhares de estudantes e professores.   Na defesa dos direitos de docentes e discentes, o SINDIUVA e o DCE acreditam que o Provimento n.º 09/2020 apresenta a tendência de ampliar as desigualdades educacionais entre os estudantes e de precarizar o trabalho docente, além de interferir negativamente na qualidade da educação, haja vista os limites das atividades remotas realizadas de modo emergencial, e, o mais preocupante, em um momento no qual o calendário letivo está suspenso.   Por isso, na esteira deste arrazoado, defendemos a revogação do Provimento 09/2020.   Sindicato dos Docentes da Universidade Estadual Vale do Acaraú – SINDIUVA – Seção Sindical do ANDES – SN Diretório Central dos Estudantes da Universidade Estadual Vale do Acaraú  Sobral, 08 de julho de 2020. 

Eu faço ciência, e o faço para divertir-me

Sim, eu gosto de ciência e eu mesmo sou um cientista e faço ciência com prazer. Porém estamos num ponto crítico em que é importante a denuncia de que os capitalistas metem a mão na Ciência para enfiá-lo em seus bolsos. Como tem uma grande indústria farmacêutica que meteu a mão e patenteou a genética. A engenharia genética que foi descoberta nas Um versidades agora é privada. Como o baby trump tentou meter a mão para patentear uma vacina contra vírus corôa que ainda está em andamento num laboratório alemão, laboratório privado mas tocado por cientistas que foram educados na universidade pública, portanto conhecimento produzido nas universidades públicas sendo usado pela privada, privatizando a ciência. Baby trump não concluiu o negócio porque é um assunto muito quente e envolve milhões de pessoas o que fez com que um ministro alemão desse um alerta o que fez com o laboratório imediatamente negasse o negócio apesar de que a pessoa envolvida fosse exatamente alguém da diretoria da empresa. Era uma ação covarde, bem natural do baby trump que tem feito outras como um recente desvio de itens importantíssimos para a nossa segurança no Brasil que foram sequestrados quando um avião chinês fez um pouso intermediário em Atlanta antes de seguir para o Brasil. Um roubo!

Há pouco cientistas japoneses produziram sangue artificial, certamente pesquisadores trabalhando em universidades públicas do Japão e devem estar a um passo da produção do plasma sanguíneo artificial que é um item essencial na produção duma vacina contra vírus, para enriquecer e multiplicar plasma sanguíneo extraído de doentes que se recuperaram. Temos que estar de olho na privatização da ciência pelos “fabricantes” de remédios.

yes I fucking love science as I am a scientist myself and I do science for fun. But there is something critical and deeply grave to be denounced which is capitalism take over of Science. Just now we have seen baby trump trying to make a patent from a potential vaccine to be under way in a Germany lab. The news about the takeover reach the newspaper and a Germany State Person took steps to prevent that this science production turned to private medicine exactly in a pandemic situation. A coward move, a coward move very natural from capitalism. All the knowledge we have has been produced at universities the most part of them founded with public money but we are generally paying very expensive scientific production which has been taken over by capitalist.
Now we got to know that some Japanese scientist, which are quite probably working at public universities have discovered artificial blood and certainly to blood plasma which is the underlying material to produce a vaccine to prevent from corona virus infection. We have to be careful to not permit a takeover of this invention to be patented by private drug producers.

criptografia é um método matemático da computação para tornar dados secretos.

O matemático e teórico da computação, Alan Turing, que fez vários trabalhos em computação teórica, em particular ficou muito conhecido por um algoritmo
chamado máquina de Turing, trabalhou
durante a segunda guerra mundial para quebrar o segredo da criptografia
da máquina alemã, Enigma, o que conseguiu com êxito.

Eu escrevi dando alguns exemplos, e inclusive
mostrando dois programas escritos em Python que podem ser usados
como exemplo da máquina criptográfica alemã. Os meus programasnão
estão funcionando corretamente, e eu os publiquei mesmo assim, dentro
do espirito de quem escreve programas de domínio público, é possível
que alguém se interesse e me ajude a corrigi-los. Também mostro
um programa que funciona indicando a fonte de como usá-lo.

Divirta-se na quarentena, não dê ouvidos ao psicopata que os milicos enfiaram no Planalto e que anda incitando a população a sair às ruas para se contagiar. Aprenda um pouco sobre criptografia e se lhe parecer interessante, tente o corrigir o meu programa que não está funcionando corretamente, me envie suas sugestões que podem ser postadas aqui na página.

As hienas do capitalismo estão mostrando os dentes.

Big Pharma companies are already trying to profit from drugs to treat or prevent coronavirus infection — and we need your help to stop them.

Last week Gilead Sciences was caught attempting to get exclusive rights to one drug that has shown promise in treating covid-19. Under intense public pressure they backed off, but they still have the ability to raise the price high and gouge everyone for desperately needed medicine — just like they have with insulin.1

Sign the petition: Stop Big Pharma from getting rich from and gouging the public for coronavirus medicine!

The Intercept discovered that Gilead had applied for, and the FDA had given them, exclusive marketing rights for remdesivir, an anti-viral drug that early studies have shown may help fight covid-19.

That means Gilead could have had a monopoly on an essential drug in the fight against the coronavirus pandemic. Even now that they’ve backed off on the exclusive rights, they still can charge a huge sum for the drug.

But there’s a solution, one that the federal government regularly used in the 1960s and 1970s. Under a federal law known as Section 1498, the government can override a patent at any time as long as the company receives “reasonable compensation.”

This gives the government critical leverage to negotiate lower prices. And the government could even start producing lifesaving treatments itself under the Defense Production Act.

Will you help use that leverage to save lives and stop Big Pharma from gouging people?

Add your name now: Stop Big Pharma from getting rich from and gouging the public for coronavirus medicine!

Thanks for taking action,

Robert and the team at Demand Progress

Uma renda básica de pelo menos um salário mínimo durante a crise, que depois pode continuar!

Eu já assinei a petição, venha você também assinar por uma renda básica de pelo menos um salário mínimo para todas as trabalhadoras e trabalhadores do Brasil. E também nem um centavo para para os banqueiros, “industriais” e outras classes de ricos.

As famílias brasileiras precisam de apoio para enfrentar o coronavírus. Não temos tempo a perder: precisamos implementar uma política de renda básica de emergência para os mais desprotegidos. O governo já anunciou a intenção de fazer algo semelhante a isso, mas prometendo apenas 200 reais por mês, por três meses, e limitando-se a um número restrito de profissionais autônomos. Pior: na prática, para poder selecionar quem se qualificaria para o programa, o governo teria que desenvolver do zero um novo sistema de triagem online, ou obrigar esses trabalhadores a enfrentar longas filas de cadastro – o oposto do que deveríamos fazer durante uma pandemia.Para proteger de verdade os brasileiros e brasileiras que mais precisam, precisamos de uma renda básica de emergência mensal no valor de R$300 reais por pessoa, que contemple as 77 milhões de pessoas mais pobres do Brasil – aquelas que têm renda familiar inferior a 3 salários mínimos. As famílias mais pobres possuem, em média, 4 a 5 pessoas, o que daria direito a um benefício mensal de até R$ 1.500,00, incluindo crianças e idosos. E a boa notícia é que sabemos quem essas pessoas são: nosso país já tem um Cadastro Único, que reúne as informações de quem está nessa faixa de renda e recebe benefícios sociais como o Bolsa Família e o Minha Casa Minha Vida. Outros milhões de desempregados e trabalhadores informais, já cadastrados pelo Número de Identificação Social (NIS), também podem ser beneficiados. Chegando em todos as pessoas listadas no Cadastro Único, sem necessidade de triagem adicional, dá pra apoiar mais gente e cortar gastos com burocracia!Pressione agora pela aprovação da RENDA BÁSICA EMERGENCIAL QUE QUEREMOS. Juntos, podemos enfrentar o coronavírus!

A famigerada “school of americas” onde os americanos deturpam os nossos militares

Today, February 21, is the 15th anniversary of the massacre in the Peace Community of San José de Apartadó, where 8 civilians, including an 18-month old, were killed by paramilitary and military forces. After this massacre, FOR and other organizations succesfully lobbied Congress to stop US funding for the Colombian military brigade responsible for the massacre. Our field team is currently in San José with a large delegation  to commemorate this massacre and those that were killed (shown in photos above). 

As an organization, we have long been critical of the U.S. military’s role in training and supporting the Colombian military while they engage in human rights abuses. Massacres like that of San José de Apartadó continue to happen, as you can see in the infographic below. You can learn more at School of the Americas Watch. 

bebendo água com cor de chocolate, mas com gosto de barro!

E o Rio continua lindo! é pena que uma turista tenha falado mal do Rio e a companhia de turismo do witzel não gostou!

Nesta sexta, dia 7, faz um mês desde que a água que chega às nossas casas tem cheiro e gosto de terra. Pra completar, fevereiro chegou e os boletos também: a população do Rio está literalmente pagando a conta de uma água que pode colocar nossa saúde em risco. Não dá mais pra esperar: precisamos agir agora! Enquanto as autoridades seguem fazendo vista grossa sobre a água e a CEDAE esconde os relatórios, queremos de volta o valor que pagamos pela conta de janeiro! Muita gente já comprometeu seu orçamento comprando água mineral; outras milhares de pessoas vem arriscando sua saúde com água podre. Já que não temos água potável, o mínimo que exigimos é não ser cobrado por ela! A cada dia que passa, a CEDAE parece mais perto de se livrar dessa, e o preço é a gente que paga. Por isso, hoje começa uma pressão GIGANTE no presidente da CEDAE, Hélio Cabral, para exigir que ele desconte da próxima conta de água o valor que pagamos pela água suja de janeiro. Mas isso só vai ser possível com você!A Defensoria Pública já está negociando uma indenização, agora é a nossa vez! Precisamos ser milhares mostrando que é inaceitável essa situação. Envie agora seu recado pressionando o presidente da CEDAE!

Morreu uma escola surgiu um quartel

Por Tarcisio Praciano-Pereira, professor

Em Sobral, uma escola pública estadual foi morta para que em seu lugar surgisse um quartel. Sintomaticamente a Escola Estadual Pública fica nas imediações dum bairro em que vivem pessoas menos favorecidas, vão treinar os meninos pobres para se transformarem em milicianos ou uma
juventude fascista.

Era uma Escola Pública que agora virou um quartel

Morre um local em que se fazia educação, a Educação que foi modificada por Paulo Freire com o objetivo de libertar as pessoas, fazer com que os jovens adquirissem uma visão ampla da vida, fazer com os jovens aprendessem o que significa cidadania, o que é ter direitos e naturalmente
obrigações dentro dum contexto cidadão duma sociedade que é regida por uma Constituição.

Aqui jaz uma Escola Pública e que até mesmo tinha uma ar de abandono, agora a pintaram para que desse lugar a um quartel

No lugar da Escola enfiaram um quartel, e como em todo quartel o diretor é um militar que nada entende de Educação mas que foi treinado para passar em frente uma ideologia de obediência ao “superior” militar que não deve nenhuma explicações a quem é seu subordinado. As crianças que vão sofrer no quartel da Polícia Militar serão subordinados dos “superiores militares”.

parece que escolha foi proposital, a Escola tinha o nome de quem perseguiu estudantes durante a ditatura militar de 1º de abril de 1964 o autor da famigerada 477 que enfiou o AI-5 dentro das escolas. Seu nome? não me interessa! Ele morreu!

Não sei, e nem me interessa saber qual é a estrutura do quartel em que Escola foi transformada. O que eu sei é que lugar de crianças, de jovens e de adolescentes absolutamente não é num quartel e sim numa Escola. Porque as Escolas são dirigidas por professores que adquiram uma formação pedagógica voltada exatamente para estimular nas crianças, jovens e adolescentes um sentimento de que na Sociedade todos estamos condicionados pela Lei e que a Lei Maior é a Constituição que também estabelece direitos para todos. Um quartel não pode ser, em nenhuma hipótese, um ambiente saudável para o desenvolvimento integral da juventude onde a Educação seja libertadora e não como, necessariamente num quartel, uma educação condicionadora.

E sem rodeios, militares nem precisavam existir e muito menos se ocupar de Educação. Num quartel o que se pode produzir é uma juventude fascista que é a única característica que militares podem dar ao que eles pensam que é educação.

O governo falsamente petista do Ceará está embarcando na onda fascista de militarização das escolas estaduais, pelo que este exemplo mostra. Eu, como cidadão, como professor, não posso aceitar isto e estou disposto a ir o mais fundo possível, ao ponto que minhas forças permitam, para impedir esta corrupção do sistema escolar público.

Escola é para ser dirigida por professores e não por soldados.

O Doomsday Clock está a 100 segundos da meia noite!

Today, scientists moved the Doomsday Clock closer to midnight than ever before, thanks to the mortal perils of climate crisis and nuclear weapons. The clock, which was created in the wake of World War II to measure the most dire threats to humanity, is now at 100 seconds to midnight.

Hoje os cientistas que controlam o Doomsday Clock moveram o ponteiro dos minutos para 23:58:40 quer dizer a 100 segundos de meia noite. O relógio foi criado ao final da Segunda Gerra Mundial para medir os riscos que Humanidade corre com semântica de a meia noite é o momeno crítico a ser evitado. Como num filme de terror, mas vivemos desde o fim da segunda gerra mundial num claro filme de terror entre “potências” dominadas pela gang industrial-militar (modificando a forma educada como Dwight David “Ike” Eisenhower criou a expressão).

This announcement should shake us to our core — and then jolt us into action.

Este anuncio nos deveria deixar-nos alarmados. O problema é que nos acostumamos com o terror e até tem gente que se diverte rodando vídeos games de guerra alguns dos quais simulam numa autêntica sessão de sadomasoquismo, uma proximidade cruel de guerra atômica guerra da qual ninguém, nesmo os membros da gang industrial-militar, escaparia.

But how do we act in the face of the deadliest-yet threats to the survival of our species? In the statement accompanying their Doomsday Clock announcement, world-renowned scientists plead for nuclear disarmament, multilateral diplomacy, and a full-on confrontation of the climate emergency. But they also include a recommendation that’s a little different, and caught my eye as a journalist: They call on the people of the world to “unmask social media disinformation.” They call on us to “insist on facts, and discount nonsense.”

Porém como reagir frente aos riscos mortais de sobrevivência da nossa espécie? Ao mover o ponteiro os responsáveis pelo Relógio Doomsday Clock fizeram um anúncio justificando a atualização do ponteiro dos minutos do relógio. Quem se ocupa do relógio são os editores do Bulletin of the Atomic Scientists que é um grupo de cientístas de renome mundial e ao fazer o movimento eles estão pedindo que se faça um desarmamento multilateral das armas núcleares junto com uma completa confontração com os risco que a emergência do clima nos impõe. Mas ele fizeram uma referência nada usual: Pedem que a população do Mundo “retire as máscaras de desinformação da mídia” que “insistamos com os fatos descontando as idiotices”. Eu sei que “nonsens” em inglês é menos forte que idiotice, mas foi minha opção de escolher esta tradução, da mesma forma como traduzo de forma crua e nada delicada aquilo que Eisenhower chamou de “complexo industrial-militar” que prefiro traduzir por “gang industrial militar”.

Insist on facts. Discount nonsense. These may seem like simple demands. But at a time when the most powerful human in the world is helming a disinformation campaign of mindblowing proportions, “insisting on facts” is not just common sense. It is an act of courageous resistance.

Insistir nos fatos, descontar a desinformação, parecem ser dois requesitos simples. Porém quando o cara mais poderoso do mundo gera, pessoalmente, uma campanha colossal de desinformação, “insistir nos fatos” não é um ato comum, se transforma num ato de coragem.