Como se fazem as mudanças no comando do golpe

Estou falando dum CEO duma empresa, e se aplica ao gerente atual do golpe que tem gente ainda chama de “presidente”, como “presidente”? Nem Jánio Quadros, o desajeitado, era tão escroto como esta coisa que foi desovada em Brasília. Melhor chamar de CEO, fica perfeito!

Conta-se que um CEO, (é o nome que eles dão nos meios financeiros, entre eles donos do capital vadio, CEO é o gerente geral, o Chefe do Alto Comando! hahahahahha!)

Pois é, o CEO duma grande empresa, enfrentando dificuldades crescentes no conselho diretor devido às estatísticas mais e mais frequentes de queda do rendimento da empresa, resolveu fazer uma reunião com o cara
que deveria substituí-lo, a cara na sequência de comando, coisa bem do tipo dos comandos militares como é agora o caso do governo no Brasil em tempos de ditadura! Hahahahahahaha!

O CEO geral, em seu último dia de serviço, tem a última conversa com
seu sucessor e nesta ocasião lhe passa três envelopes lhe dizendo:

  • “O meu antecessor, antes de sair, me passou três envelopes lacrados e
    desejo continuar a tradição fazendo o mesmo consigo.
  • Ao primeiro sinal de dificuldades: abra o primeiro envelope.
  • Ante novas dificuldades, abra o segundo envelope.
  • Se os problemas continuarem, abra, então, o terceiro envelope.

Boa sorte!, disse o CEO se despedindo, sorridente, apertou a mão do novo CEO e foi para casa, aposentado, claro, com uma gorda aposentadoria típica dos membros do STF ou do Altíssimo Comando Militar todas devidamente protegidas contra a Deforma da Previdência que afinal eles fizeram o golpe para isto mesmo.

Mas, desculpe-me, e deixe-me continuar a história como novíssimo CEO

O novo CEO arrumou a mesa, deixou tudo a seu gosto no escritório que até então era do outro, e jogou os três envelopes numa gaveta, até pensando que nunca ia ter mesmo problemas, afinal o velho CEO estava velho e tinha mesmo que dar problemas. Ele era novo!

Seis meses depois, os custos aumentaram e as entradas cairão e novo CEO, perturbado, lembrou-se dos envelopes e abriu o primeiro onde havia uma curta mensagem:

-“Culpe-me por tudo!”

No dia seguinte o CEO chamou uma conferência de imprensa e fez
exatamente o que dizia a mensagem. Lembram-se das primeiras falas do Vampirão ou do seu sucessor dentro da linha do golpe? A culpa é do PT!

Passados seis meses as vendas cairão vertiginosamente e, atrapalhado, o CEO abriu o segundo envelope onde estava:

-“Reorganize!”

O CEO novamente organizou uma rodada de imprensa e anunciou uma reestruturação dos setores e a crise passou.

Passado um ano nova crise, tudo começou a ir errado novamente e o CEO se trancou no seu escritório e abriu o terceiro envelope:

-“Prepare três envelopes!”

Enganei-me, estava:

-“Bozo, Prepare três envelopes! e faça uma reunião com o Altíssimo Comando das Forças Armadas!” hahahahaha! Alternativa, solte o Lula que ele acaba com esta bagunça em 48 horas!

A bem da verdade, esta história faz parte dum banco de pequenas histórias controladas por um programa chamado fortune que usualmente vem instalado nas distribuições Linux.

Depois bata digitar num terminal, certo, quem usa Linux sabe usar terminal, hahahahahaha!

“fortune -a”

Por exemplo, digitei o comando e me saiu:

[La guerra] é istintiva. Ma l’istinto si puo’ combattere. Noi siamo
esseri umani con il sangue di un milione di anni di barbarie nelle mani!
Ma noi possiamo fermarlo. Possiamo ammettere che siamo assassini… ma
non uccideremo oggi. E’ questo che serve! Sapere che non uccideremo
oggi!
— Kirk, “A Taste of Armageddon” (TOS), data astrale 3193.0

e novamente,

Pubblicare un volume di versi é come lasciar cadere un petalo di rosa
nel Grand Canyon e aspettarne l’eco.

Divirta-se, instale Linux, trabalhe, se divirta e cresça em inteligência que nunca cairá dentro do Alto Comando das Forças Armadas hahahahahaha!

E para terminar eu digitei o comando de novo, se você entender vai morrer de rir! Se não entender é porque não usa Linux, hahahahahaha! Alias dizem que, no formato binário, tem 10 tipos de pessoas as que sabem o que é computador e usam Linux e as outras, os militares!

I get the following error messages at bootup, could anyone tell me
what they mean?
fcntl_seteal() Caledônia bá processá 51 (LPP) Zika brotense floque() emulativo

They mean that you have not read the documentation when upgrading the
kernel.
— seen on c.o.l.misc

Sugestão, não tente dar um upgrade no kernel, é melhor fazer um upgrade na distribuição, é mais fácil, mais rápido, mais seguro e afinal, você usando Linux, não lhe vai custar nada! Depois se for preciso ajustar o kernel, isto será feito automática dentro do upgrade da distribuição. Tudo seguro e limpo! Use Linux, se divirta, evolua e fique certo de que não corre riscos de cair dentro do Alto Comando das Forças Armadas hahahahahaha!

A bem da verdade, esta história faz parte dum banco de pequenas histórias controladas por um programa chamado fortune que usualmente vem instalado nas distribuições Linux. Se não estiver, e se você estiver usando uma distribuição baseada no Debian, digite

sudo apt-get install fortune

e siga as instruções como nos 3 envelopes!

Educação para Libertação de Paulo Freire

Paulo Freira foi um visionário que descobriu o óbvio, mas foi ele quem
descobriu e o Mundo inteiro reconhece a genialidade que teve a sua
descoberta.

Foi nos idos de 1960 que o jovem Paulo Freire consegui trabalhar com adultos
na periferia de Natal, no Rio Grande Norte e teve o direito de fazer uma
sua experiência pedagógica. Foi quando ele descobriu aqui que ele chamou
de “palavras geradoras”, e eram as palavras que pertenciam a vida das
pessoas que ela ia alfabetizar: bolo, bola, boneca, sapato, rato, barata,
soja.

Ele as escreveu em cartazes colocando ao lado uma figura que correspondia a
cada palavra e logo os adultos estavam associando “bolo” com a figura do
bolo, “bola” com a figura da bola. Eram as palavras queridas e bem
conhecidas do grupo. Talvez não a “barata” mas mesmo não querida era bem conhecida e servia para introduzir novas sílabas.

Paulo Freire talvez não soubesse, mas descobriu, que nós funcionamos com
bancos de dados associativos e que as figuras podem ser guardadas em nossa
memória e com um pequena trabalho criamos a ponte para abstração associando
a figura com outra figura como o caso da bola com a palavra “bola”. É um
pequeno salto para abstração a associação no cérebro de dois tipos de figura.

Depois Paulo Freire começou o segundo estágio mostrando em cartazes que cada
uma dessas palavras que os adultos já reconheciam, e liam, se decompõem em
pedaços.

bola = bo + la
bolo = bo + lo
boneca = bo + ne + ca
casa = ca + sa

e assim ele levou os seus alunos ao segundo estágio quando eles passaram a reconhecer os componentes, a sílabas, que compunham cada uma daquelas palavras.

Desta forma agora ele pode escrever uma palavra nova para a qual não tinha figura mas que era
bem conhecida do grupo e continha os elementos das outras palavras

bo, ne, ca, sa, la

e assim, forçou um pouco a barra, e escreveu

so + ne + ca = soneca

e Paulo Freire estava dando mais um salto para abstração construindo com
sílabas uma palavra abstrata para a qual ele não tinha uma representação
gráfica e seus alunos estavam dando um salto para a abstração e dominando
um outro salto para a visão das sílabas que eram os compostos das palavras.

Depois veio o próximo salto:

bo = b + o
ne = n + e
ca = c + a

bo + ne + ca = boneca

E Paulo Freire estava inventando um método que invertia a consagrada soletração começando direto com a leitura das “palavras geradoras”, a sua
invenção, que hoje tem vários “pesquisadores” que lhe estão roubando a
invenção e se apropriando do seu método com outras formas semelhantes, mas
roubando o direito de Paulo Freire. Tem um “pesquisador” canadense que está fazendo ruído usando a invenção de Paulo Freire com pequenas modificações e sem dizer que começou tudo.

Em Londrina também tem um “pesquisador” que reinventou e está
distribuindo o seu método que na verdade é o Método de Paulo Freire.

Tem muita gente que está bombando com sua invenção que nada
mais do que o método do consagrado brasileiro Paulo Freire que é reconhecido
mundialmente.

Eu tenho um livro que comprei na década de 70, em sueco, que a “Pedagogia da Libertação” de Paulo Freire, sim, porque na Suécia Paulo Freire é um tópico dos currículos escolares, é uma disciplina na educação da Suécia, como é
muitas partes do Mundo.

Ai veio a ditadura de 1º de abril de 1964, prendeu o perigoso Paulo Freire
que estava libertando os adultos em Natal, e o enviou para Fernando de
Noronha de onde ele saiu para o exílio e o Mundo teve a oportunidade de
permitir que Paulo Freire desenvolvesse o seu método em outros países até
que pode voltar para sua pátria e ter a consagração que merecia numa das
principais universidades brasileiras, na Unicamp.

A força do método de Paulo Freire é tal que os ditadores e generais
entreguistas tremem antes o seu poder de libertação. Podemos aplicar o seu
método em Matemática e tornar a Matemática mais fácil de ser iniciada e
dominada. Podemos aplicá-lo na Química ou na Física Relativista ou na
Biologia. Podemos aplicá-lo em todos os campos do conhecimento em que o todo
possa ser decomposto em sílabas e partindo de “ideias geradoras” que um
grupo de alunos considerem naturais, “geradoras” descobrir-lhes as
“sílabas” para depois juntar estas sílabas para construir os conceitos
abstratos como é o caso de “soneca” que mostrei acima foi construída a
partir das sílabas já conhecidas das palavras geradoras “bola” e “boneca”.

É este visionário que o idiota, que serve de painel para os generais que
agora tentam montar outra ditadura entreguista, quer destruir. Coitado!
Paulo Freire é muito maior do que eles todos juntos e somados!

Porque me ufano do meu país

Edgard Venant

E dedico este pequeno trabalho ao prisioneiro político, Luís Inácio Lula da Silva que liderou este país conduzindo para ser o Grande Brasil respeitado por todas as nações a ponto de ser o “B” do BRICS coisa que nunca tinha acontecido antes. Lula se se encontra encarcerado em Curitiba principalmente devido à covardia e a corrupção instalada no judiciário brasileiro. Covardia, uma vez que não precisavam aceitar que militares antipatriotas viessem ditar-lhes as regras políticas do judiciário e bastava mesmo dizer um “não” altaneiro e os milicos teriam enfiado o rabo entre as pernas porque eles somente tem coragem quando encontram covardes pela frente.

Comecei a escrever este texto que não quero que seja meu e que vou colocá-lo em público na esperança que outros se juntem a mim na busca das razões porque lutamos por aquilo que chamamos de pátria livre e que no meu entender não pode representar um patriotismo enrustido dum tipo que até permite a traição dos ideais que todos buscamos entre os quais tem que se encontrar a solidariedade entre os povos. Não é bem um texto, é um registro que mostra que nossa história podia ser outra se algum dos valentes aqui mencionados fosse seguido por todos nós. E fica aberto, que o peguem, o corrijam, o alterem, acrescentem aqui de que me esqueci ou não sei.

O título me veio do texto de Afonso Celso de Assis Figueiredo Júnior
http://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/geo/article/download/4869/3279
que era um texto habitual nas escolas quando eu era menino e aprendiamos a respeitar a terra Brasilis.

Porque há 500 anos atrás o brasileiro que aqui vivia ficou sabendo que visitantes em grandes canoas se aproximaram da terra brasileira que então se chamava Pindorama e era um grande espaço ocupado por diversas nações que falam linguás distintas entre as quais duas linguás eram as mais importantes o Tupi e o Guarani, e não tenho nem mesmo certeza disto porque nunca estudei na Escola as origens do meu povo. A família linguística tupi-guarani é uma das mais importantes da América do Sul. Engloba várias línguas indígenas, das quais a mais representativa atualmente é o guarani, um dos idiomas oficiais do Paraguai. E um único presidente do Brasil se preocupou com os primeiros povos e até lhes fez visitas e alterou seu plano de governo para incluí-los como o centro da brasilidade, Vargas, durante o a ditadura.

Mas sei que num certo momento algumas nações que aqui viviam souberam dos visitantes e se dirigiram à praia mas cordial mene recebê-los e seguindo uma tradição que até hoje persiste em alguns rincões deste enorme Brasil, lhe trouxeram aos visitantes presentes para lhes dizerem que eram bem vindos.

E me orgulho dos meus antepassados que receberam cordialmente os visitantes para apenas descobrir logo depois que não eram visitantes e sim invasores e eram covardes e desumanos e traidores. Que em troca da cordial recepção aos poucos se assenhorearam do que não lhes pertencia e sim a outrem que aqui vivia tomando-lhes a liberdade e fazendo deles escravos e tudo isto em nome dum deus que consigo traziam e que lhes permitia o desrespeito de suas próprias regras uma das quais eram amar ao próximo como si próprio.

E se passaram 500 anos, e aqueles a quem tudo pertencia da terra brasileira, hoje restam poucos e ainda têm que lutar e reclamar para ter o direito reconhecido a pequenos rincões de terra que antes era toda deles.

E assim se passaram 500 anos em que, primeiro, os assim chamados reis de Portugal roubaram, rapinaram, extorquiram, vandalizaram a terra brasileira e os seus primeiros moradores e como uma vez disse o poeta português Guerra Junqueiro, roubaram a terra brasileira e nem mesmo parte significativa deste roubo ficou com os portugueses mas com um espirito de cachorro vira-latas que ainda hoje marca a pequena minoria que tudo explora, repassaram para os ingleses tudo que do Brasil haviam roubado. Mesmo se tendo passado 500 anos de roubalheira e rapinagem, foi possível em pequeno período em que tivemos um governo voltado para nossa gente, sairmos da vergonhosa posição de 16ª economia mundial para a 6ª deixando para trás um dos invasores, os ingleses. Com isto mostramos que somos um povo forte, decidido, corajoso, trabalhador e com fé em nosso próprio poder.

E temos ao longo destes 500 anos de história depois da invasão, até mesmo, injustamente, esquecendo que antes do ano 1500 já tenhamos uma história que simplesmente nunca nos foi contada possivelmente até para que não reclamássemos a historia anterior à invasão como parte de nossa história e que acreditássemos que tudo haveria começado na invasão em 1500, mas mesmo olhando apenas para esta história que nos dizem registrada após a invasão, temos muito do que nos ufanar e orgulhar desta miscelânea formada dos primeiros povos, do africano que foi trazido para cá à força e submetido à escravidão, e dos portugueses que em grande parte eram trabalhadores que miscigenados formaram a cidadania brasileira. Deles sairão Antônio Conselheiro, Tiradentes ou Índio Mameluco todos lutadores, cada um à sua maneira, como Lampião, os os milhares de heróis mais recentes que se rebelaram contra a ditadura militar de 1964. É uma nação de heróis, de mulheres e homens cheios de ideais conscientes que eram membros duma nação heroica plantada numa Terra cheia de riquezas rodeadas duma Natureza retumbante que durante estes 500 anos apenas foi roubada, saqueada e ainda assim continua rica e desejada por novos e recentes invasores, pior, com o apoio dos anti-heroicos, os traidores que aceitam pequenas gorjetas em troca de prostituir a pátria e a sua gente.

Mesmo que representa uma injustiça contra os milhões de anônimos que fazem, que fizeram a nação brasileira, é interessante nomear alguns que brilharam muito além dos outros. E vou mencioná-los sem nenhuma ordem especial até porque a História que nos contaram não precisa ser a História em que desejamos acreditar. E nesta desordem vou começar por um militar que certamente se envergonharia dos que hoje sujam a farda do exército brasileiro com o sujo golpe iniciado em 2012 em reuniões que aconteceram fora do Brasil mas que desembocaram na destituição da primeira mulher presidente deste país. Quero lembrar o sertanista e indianista que foi o Marechal Cândido Rondón que gastou parte significativa de sua vida na defesa dos primeiros povos a quem respeitou, protegeu e por quem lutou. Era um militar desses por quem se deve ter respeito e veneração. Cândido Mariano da Silva Rondon, mais conhecido como Marechal Rondon, foi um militar e sertanista brasileiro. Patrono da Arma de Comunicações do Exército Brasileiro. De origem indígena por parte de seus bisavós maternos (Bororó e Terena) e bisavó paterna (Guará), Rondon tornou-se órfão precocemente, tendo sido criado pelo tio e, depois de sua morte, transferiu-se para o Rio de Janeiro para ingressar na Escola Militar desta cidade,[1] pois além dos estudos serem gratuitos, os alunos da escola recebiam, desde que assentassem praça, soldo de sargento.
Alistou-se no 3º Regimento de Artilharia a Cavalo em 1881. Dentre outros estudos, cursou Matemática e Ciências Físicas e Naturais da Escola Superior.

Ou então o sertanista que teve se educou em escola militar e de certa forma foi um militar e escritor brasileiro o autor da obra monumental “Os Sertões”, Euclides da Cunha e que fez pouco frente ao que poderia ter feito não tivesse morrido em vão ainda jovem.

Como sou Matemático, estudei nos livros de Sinésio de Fárias,
Ary Quintella, Manoel Jairo Bezerra, Darcy Leal de Menezes este autor de monumental obra que era o nosso maior susto pela quantidade de expressões algébricas que ele conseguiu juntar em seu então famoso Abecedário da álgebra – “Ciclo Colegial – Livro Premiado Pelo Exército Brasileiro”. Todos militares com exceção de Manoel Jairo Bezerra, que foi, entretanto, professor do Colégio Naval do Rio de Janeiro e de outras instituições de ensino dos militares. Embora a Matemática que eles tenham produzido fosse de certa forma repetição da existente na Europa e que eles mesmo tenha agregado pouco ou quase nada de novo, eles representaram o começo da Matemática Brasileira que hoje brilha e conseguiu brilhar num período relativamente curto de existência própria e sem dúvida deve a estes mestres da Matemática básica o alicerce daquilo que foi construído depois porque eles começaram. E foram militares de que nos orgulhamos, nenhum deles é um golpista, nenhum deles é um traidor da pátria e pelo contrario contribuirão para que nós crescemos.

João Guimarães Rosa nasceu em Cordisburgo, Minas Gerais, no dia 27 de junho de 1908.
Foi Oficial Médico do 9º Batalhão de Infantaria, quando em 1934, ingressa para a carreira diplomática, no Itamaraty.
Guimarães Rosa foi Patrono da cadeira nº 2 na Academia Brasileira de Letras, tomando posse três dias antes de morrer, no dia 16 de novembro de 1967.

Na literatura temos nomes de respeito internacional e citar alguns seria injustiça que eu cite um que foi um mestiço, que nunca teve instrução formal mas que deslumbrou meio mundo com os romances que escreveu e cujo nome marca a Academia Brasileira de Letras que nem sempre se tem mostrado merecedora do nome que ostenta, a Casa de Machado de Assis.

Seria injusto não lembrar Prestes também oriundo do exército ou Lamarca, este último um herói entre os que resistiram ao golpe de 1964 promovido pelo famigerado projeto Condor americano e que nos atrazou por dezenas de anos deixando ainda as raízes que vicejaram agora com este novo golpe.

Antes lembrei militares e agora quero lembrar os que marcaram etapas na vida brasileira, alguns mesmo vivendo fora do Brasil como Santos Dumont, ou o nosso primeiro matemático merecendo este nome, o maranhense Souzinha. O Maranhão, antes de ser dizimado por um dos filhotes da ditadura de 1964, produziu figuras imensas da literatura brasileira e aliás, durante muito tempo era considerado o berço da linguá portuguesa, o local, no Brasil, onde melhor se falava o português. Humberto de Campos era um maranhense e como ele muitos outros maranhenses brilharam nas letras.

Da Bahia, onde primeiro aportaram os invasores sairão diversas sumidades dentre elas o jurista Ruy Barbosa que já antevia a catástrofe ética em que um dia iriamos nos encerrar. Ruy Barbosa de Oliveira (Salvador, 5 de novembro de 1849 — Petrópolis, 1 de março de 1923) foi um polímata brasileiro, tendo se destacado principalmente como jurista, advogado, político, diplomata, escritor, filólogo, jornalista, tradutor e orador.
https://pt.wikipedia.org/wiki/Ruy_Barbosa

O trono no Brasil foi derrubado por um golpe militar que alijou do poder um dos reis mais corretos que a história da realeza registra. Pessoalmente detesto a “realeza” que considero uma infâmia, aliás, infâmia esta cuidadosamente corroborada por todas as realezas vigentes no Mundo. Mas Pedro II introduziu no Brasil a telefonia e neste sentido parece que o Brasil foi o primeiro país do mundo a usar telefones. Como também foi, muito tempo depois, o primeiro país fazer eleições totalmente eletrônicas e garantir um lugar de destaque nas ciências da computação cabendo a professores da PUC do Rio a construção duma linguagem de programação de reconhecimento mundial, a Lua. A fibra ótica foi produzida pela Unicamp/Telebras ao mesmo tempo que por uma fabrica americana marcando a cooperação do sistema Telebras com as universidades brasileiras tendo como uma das avançadas resposta a tecnologia brasileira do petróleo que o golpe ora em curso quer entregar de bandeja para os americanos junto com a tecnologia aérea produzida pela Embraer.

Instituto Oswaldo Cruz – Ciência e Saúde desde 1900 – Fiocruz
http://www.fiocruz.br/ioc/
Pesquisadores do IOC foram contemplados na Chamada Universal do CNPq. Trinta projetos receberão financiamento entre 30 e 120 mil. O IOC atua nas áreas de pesquisa, desenvolvimento tecnológico e inovação e na prestação de serviços de referência para diagnóstico de doenças infecciosas e genéticas e controle de vetores, amparado pela ação de comissões internas responsáveis por garantir os padrões de biossegurança, de qualidade e de gestão ambiental. O IOC também mantém coleções biológicas de importância nacional e internacional e forma cientistas e técnicos através da atuação na educação profissional e de pós-graduação.
Um artigo publicado na edição de fevereiro da revista The Lancet Global Health lançou a hipótese de que a infecção do vírus zika, transmitido principalmente pelo mosquito Aedes aegypti, pode gerar imunoproteção contra o vírus da dengue. O estudo intitulado “Does immunity after Zika vírus infection cross-protect against dengue?” foi resultado de pesquisas realizadas com pacientes infectados pelos vírus zika, dengue e chikungunya, em Salvador (BA).

Seria injusto não computar como crédito da Ditadura Militar de 1964 a criação do sistema Telebrás que foi destruído em 1998 pele entreguista FHC que também destruiu a indústria nacional do ferro contribuindo para o desastre da lama da Samarco. É preciso apenas registrar que não precisaríamos ter tido uma ditadura militar para produzir o que foi produzido inclusive às custas do que perdemos, da perseguição política, das torturas e dos assassinatos.

Delmiro Gouveia, um industrial do sertão pernambucano que poderia ter feito de Pernambuco o mais forte concorrente de São Paulo, teve sua vida ceifada pelos interesses da indústria inglesa que considerava o Brasil como sua colônia e para quem Gouveia representou um risco significativo de independência industrial. Delmiro Gouveia foi quem arquitetou e construiu um protótipo de hidrelétrica no Rio São Francisco e o que nós temos de Energia Hidrelétrica vem do que ele pensou em construir não tivesse sido morto pelos ingleses.

A revolta é urgente, depois será tarde!

O Brasil é uma holding, e vão quebrar esta holding?

O Brasil é uma empresa, na linguagem da macro economia, é uma holding que gerencia grandes empresas como Banco do Brasil, Caixa Econômica, Petrobras, Eletrobras, enfim as
empresas estatais e mais Receita Federal que todas garantem o caixa do Governo Federal
com a Previdência representando a grande empresa social que garante aposentadorias, SUS com dinheiro arrecado inclusive pela Loteria Federal que é gerenciada pela Caixa Econômica Federal.

Esta é uma pintura em grandes traços da Economia desta holding chamada Brasil. Os economistas, professores universitários, gente que está habituada a descrever o panorama econômico tem que vir para fora rapidamente e descrever melhor, com números claros e com palavras exatas e pedagógicas o que eu estou aqui descrevendo de forma imprecisa mas que tenho certeza de que é profundamente real, mas de economia eu domino apenas aquilo que um leigo não idiota consegue dominar e não posso ter uma expressão ou desenvolver um argumento sólido para mostrar o suicídio em que o país estará incorrendo se esta claque de irresponsáveis assumir a gerência da Holding Brasil no dia 1º de Janeiro de 2019. Eu não tenho dúvida, estaremos definitivamente perdidos.

Com estes loucos que ninguém esperava que se tornassem os gerentes da holding Brasil agora anunciando que irão torrar todo o patrimônio da holding Brasil um caos vai se estabelecer a curtíssimo prazo e ai será tarde para que nós juntemos força para desfazer a loucura inclusive porque do ponto de vista “jurídico” os que levarem o Banco do Brasil, a Caixa Econômica, a Petrobrás, a Eletrobrás, os Correios, a Casa da Moeda, a Receita Federal poderão dizer que o negócio foi legal e que não podemos simplesmente querer desfazê-lo porque terá sido um governo eleito por cincoenta milhões de brasileiras, claro, apenas 30% do eleitorado e via um estelionato eleitoral representado pelas notícias falsas que fizeram com que 40% se retraísse, votando nulo, branco ou simplesmente deixando de votar, e apenas quase 30% que se mantiveram firmes dizendo que queriam continuar com o Brasil como ele ainda é hoje.

Ou nos revoltamos agora ou depois será tarde demais. Se nos acomodarmos e deixarmos que estes loucos cometam o suicídio do país, será muito difícil corrigir o rombo depois porque eles estarão aparentemente amparados pelo resultado também aparentemente legal das eleições. Estaremos perdidos, então!

Agora os funcionários do Banco do Brasil e da Caixa Econômica estão alvoroçados para pegar a grana da demissão voluntária porque eles precisam mostrar dois bancos sem custos e apenas com um grande volume de capacidade operacional que pode ser toda tocada eletronicamente e sem precisar de mãos humanas, lucro puro. Em troca os suicidas que nomeamos gerentes da holding, terão um pequeno ativo como resultado da venda que irão torrar rapidamente com o pagamento das demissões voluntárias ou jogar no ralo da chamada dívida pública que o saudoso Hélio Fernandes passou toda a sua vida questionando e logo vai se acabar o resultado da venda das galinhas de ovos de ouro que temos.

Então vai chegar a vez de fazer a demissão voluntária no judiciário, nas forças armadas, nas Universidades, e no resto da empresas públicas, mas então vai ser muito tarde para reagirmos.

Não temos outra saída e começar urgentemente uma greve geral, parar o país inteiro e mostrar para o TSE que estas eleições fraudadas não podem ser legalizadas usando o irresponsável parecer da dita “procuradora federal” que menciona que as ilegalidades foram menores, apenas valendo alguns bilhões em caixa 2 que alteraram significativamente o pensamento de 70% das eleitoras e eleitores, os que votaram no capitão ou que deixaram de votar. Não foram ilegalidades menores, e pelo contrário foram profundas ilegalidades reconhecidas até pela Folha de São Paulo, mas também por toda a imprensa internacional.

Ou nos revoltamos agora ou depois será tarde demais.

Saia de cima do muro, por favor!

Eu me dirijo, sobre tudo, aos 30 milhões de brasileiras e brasileiros que se omitiram no 1º turno e que agora se analisarem com cuidado as duas propostas devem sentir que a omissão neste momento pode os jogar num fosso de violência e de atraso. Apresento aqui o resultado de minha leitura apenas com o objetivo de estimular que exatamente leiam as propostas para sentirem se vale a pena ficar omissos e deixarem que os outros decidam por si.  Mais do que isto, venham para a campanha para nos ajudar a evitar uma tragédia que permitir que os militares voltem a tutelar a nossa política.

Os estudantes da USP abriram uma página com o título “saindo do muro” e discutem as duas propostas mas também lá tem um link que você pode usar para acessas as propostas que se encontram registradas no site do TSE,  Saindo de cima do muro
Eu li os dois projetos de governo. A proposta de Haddad representa uma correção de rumos do plano de governo do PT como Haddad já disse várias, corrigir erros cometidos que foram erros que acontecem quando se trabalha para alterar uma realidade infame com milhões de brasileiros na miséria, e o Brasil saiu do mapa da fome mas certamente erros foram cometidos na tentativa de resolver este problema angustiante para milhões de brasileiros. Foram erros e não crimes.

É interessante observar que o plano do outro é uma cópia deformada da proposta de Haddad e começa com três frases de efeito, Constitucional, eficiente, fraterno.

E segue desenvolvendo estas ideias como se fossem verdades para uma proposta de quem está ferindo a Constituição com o a corrupção do Caixa 2 inclusive envolvendo empresas estrangeiras no processo e desrespeitando violentamente as regras eleitorais. Ora quem durante a campanha eleitoral distorce todo o processo com o objetivo de ganhar uma eleição, como, irá depois respeitar a Constituição. Como respeitar a Constituição se hoje eles infiltraram o STF e o STE com militares para intimidar aqueles que devem proteger a Constituição. Se um dos filhotes do candidato goza do STF dizendo quem nem um jipe é necessário para fechá-lo bastando um cabo e um soldado, e claro, quando a coisa foi divulgada correram para estancar a ferida, serão eles a respeitarem a Constituição? Como respeitar a Constituição se o próprio cabeça de chapa em discurso divulgado na Internet avisa que os vermelhos, nós da esquerda, teremos duas opções, o exílio ou a cadeia, seria este o respeito que eles entendem da Constituição ou será esta uma resenha da Constituição que pretendem editar em substituição à Constituição Cidadã? Depois o vice da chapa já mencionou a reforma da Constituição, logo em vez de respeitá-la se propõem a violentá-la diretamente.

A outra etiqueta de efeito é a eficiência. E aqui o vazio é enorme quando a eficiência vem de alguém que em 27 anos de deputado conseguiu fazer passar dois projetos e de natureza pífia, deixando para trás um monte de bobagens que nem mereceram ser analisadas como a sua proposta de alterar o nome da costa brasileira chamando-a de Mar de Médice, o nome do pior dos dos ditadores que nos assolaram depois do golpe de 1º de abril de 1964 que o presidente do STF, agora sob controle dum general, decidiu que passaria a chamar de movimentação de 64 provocando o riso de historiadores e sociólogos.  Como deputado, Bolsonaro é um exemplo de falta de eficiência até mesmo para gerir uma agenda que ele poderia ter, e nunca teve, pois somente conseguiu aparecer durante este tempo todo para mostrar uma face violenta e cheia de ódio, por sinal em contraste com a próxima etiqueta.

A última etiqueta  que abre o programa menciona a fraternidade,  digo “programa” que nem bem é um programa, mas se assemelha a uma apresentação de “power point” lembrando o falido Dallagnol! A campanha, e ainda é apenas a campanha, os seguidores do candidato vem espalhando por todo o Brasil algo pode se chamar de qualquer coisa menos  fraternidade. Não esquecendo do discurso de ódio em que promete nos levar, os opositores, a escolher a saída do país ou a prisão. É a fraternidade com que ele nos acena!

Mas você pode ler você mesmo o programa e constatar que se tratam de flashes com levantamento de problemas sem nenhuma mostra objetiva de que os saberia resolver, como a educação, onde surge a ideia da educação à distância economizando professores, merendeiras, merendas, material escolar e remetendo para os pais a tarefa de educar. Dentro do flash-educação apresenta uma síntese do que é possível falando que a educação não deve ser dirigida mas deixada em total liberdade para que os pais decidam o seu direcionamento, algo que parece bonito, como parece bonito todo o projeto. Enquanto Haddad promete reativar os investimentos em educação e inclusive tornar federal o Ensino Médio, o grupo Bolsonauro promete desinvestir em educação, economizar, jogar para os ombros dos pais a responsabilidade educacional sob a direção, agora sim, os pais vão receber um direcionamento à distância para dirigi-los na tarefa educacional, claro sem pagamento adicional para isto e consequentemente mais uma vez a mulher seria sacrificada virando a professora dos seus filhos estudantes e ainda  também será forçada a trabalhar para complementar a renda familiar que o projeto promete ser reduzida em tempos duma economia adjetivada e direcionada para o ajuste fiscal que eles ainda caracterizam como severo. Novamente, no projeto de governo, eles pensam na mulher mas como uma trabalhadora sem perspectivas e sem valor.

A pesquisa centralizada foi outro dos erros do programa do PT embora apenas tenha convivido com ele como herança. Nossas universidades são geridas por duas super reitorias chamadas de CAPES e CNPq. Estas são dominadas por grupos que vêm das grandes universidades e que tratam de manter o controle do investimento voltado para os grandes centros repetindo  o estilo de concentração de renda dentro do sistema de pesquisa brasileira. Apesar das distorções deste sistema centralizado, e como consequência das lutas dos docentes via um sindicato docente muito forte e combativo, a ANDES, um pouco deste erro foi controlado, mas ele existe e deverá ser um dos pontos em que deveremos colocar o dedo na ferida durante o governo Haddad para que nossas universidades consigam dar um salto que nos leve a posição 1ª na economia mundial saindo da honrosa 6ª em que chegamos, quando eramos na era fhc, a 17ª economia. Na proposta do grupo Bolsonauro se destila fácil a vontade de privatização em que a estudante deve ser dirigida para fomentar o “empreendedorismo levando a jovem a sair da faculdade para abrir a sua empresa” e é fácil compreender que não é este o caminho da Universidade, uma incubadora de empresas como a ideologia neo liberal entende que todos nós na sociedade seremos capitalistas. E aqui se situa um general que parece ser o ideólogo educacional do grupo dizendo que somente os pobres de alto nível é que precisam ir para a Universidade, acrescentando que nem todos poderão ficar ricos.  E não se esqueceram de mencionar Paulo Freire mas para garantir que devem erradicar qualquer marca de sua brilhante passagem pela educação brasileira.

Foram erros, não foram crimes, que o PT cometeu ao longo dos 12 anos em que governou. E foram erros que são naturais de quem enfrentava problemas urgentes, como no caso da fome, havia outra situação angustiante que era a possibilidade de crescimento e desenvolvimento individual e era preciso urgentemente ampliar as vagas nas universidades, escolas técnicas e em geral no Ensino Médio e Fundamental. Novamente aqui houve erros como uma abertura gigantesca para a iniciativa privada quando cresceram raposas do Ensino dentro do quadro do Ensino à Distância oferecendo um ensino de qualidade entre ruim e duvidoso quando este dinheiro deveria ter ido para as Universidades públicas para que nelas fossem abertas mais vagas, tanto para estudantes, para professores, técnicos de laboratório e técnicos administrativos, por um lado criando distribuição de renda e por outro fazendo o conhecimento chegar a todos os rincões do território nacional. Mesmo com os erros, foram criadas mais universidades e campus universitários que nos 400 anos anteriores de existência do Brasil. Foram erros e não crimes.

Mas penso que estou lhe dando uma razão para  ler os dois programas e fazer anotações, as suas próprias anotações como eu estou aqui fazendo as minhas para levar para uma discussão, hoje, quinta-feira, amanhã, sexta-feira e no dia 27, no sábado para que a vira-volta seja muito maior do que esta que já estamos verificando, que levemos 30% de votos indecisos para se somarem ao nosso campo de campanha, e isto poderá projetar que o resultado venha a ser 40.76% para Boso e 59.22% para o Brasil Feliz de Novo. Se é que não poderemos chamar mais gente que hoje se confessa iludida pelo grupo Bolsonauro para vir se juntar ao Brasil Feliz de Novo e talvez possamos sair dos 59.22% para 70% dando uma reposta clara aos militares que não aceitamos a sua intervenção e é preciso que esta voz fique clara.

Comparando Haddad e Bolsonaro

Fiz uma tabela de atributos entre os dois candidatos, mas certamente ela está tendenciosa. Se alguém quiser sugerir alterações eu as posso incluir.  De qualquer forma ela fica como uma sugestão para estudos em grupo, cada grupo pode selecionar os atributos contra os quais  gostaria de analisar os candidatos frente às eleições e numa discussão democrática atribuir notas e depois analisar a média de resultados do grupo.

Talvez as notas pudessem ser de 0 a 10 e não estritamente de 0 a 1 como escolhi. Eu sinto muita dificuldade em usar um variação grande, para mim 5 já é zero, que era como eu avaliava as provas até me aposentar. Minha nota mínima era 5  e eu tentava com grande dificuldade avaliar quem merecia 6,7,8,9,10. Sempre terminava usando apenas 5, 7, 10.

Refarei a tabela se houver sugestões, inclusive sobre as notas.

Envie para    tarcisio.praciano@gmail.com  que é uma conta exclusiva para este registro.

Podemos juntos encontrar uma forma melhor para avaliar os candidatos e estamos precisando muito disto.