Mais um episódio da sinfonia das pedras quebrando pelo maestro Votorantim

Não se trata bem dum maestro e sim duma fábrica criminosa e de autoridades que são leão para conosco mas chuchucas para com a Votoratim.

Sim, eu deixei de pagar o IPTU em 2017, não por minha vontade, como tentei argumentar com a Prefeitura de Sobral, e mostrei-lhes, eu vivo em Sobral desde 1999 e a única falha foi esta de 2017. Argumentei que possivelmente o carnet não havia chegado às minhas mãos. Mas não houve jeito, tive que pagar com juros. É a prefeitura é um leão para cima de nós mas é chuchuca com a Votorantim que suja o meio ambiente, suja com poeira e com barulho. E o barulho e a poeira fazem mal a todos nós até mesmo aos filhos do prefeito quando eles estiverem aqui de passeio.

Hoje de madrugada, terça-fera, 05 de janeiro de 2021, 05 horas e cinco minutos, eu estava num sono ótimo e uma brisa agradável entrava pela janela quando a Sinfonia das Pedras Quebradas com que Votorantim frequentemente nos brinda, entrou no ar. Fechei a janela, perdi o direito a respirar um ar fresquinho, coloquei um travesseiro sobre as orelhas, me virei e felizmente dormi novamente. 

Mas é CRIME e a prefeitura de Sobral é cúmplice deste crime! É um crime e um terrível mau gosto, pois tem música melhor para brindar quem estiver dormindo nas madrugadas.
E hoje, terça-feira, 05 de janeiro de 2021, foi mais um dia em que o crime foi cometido.  
 
No dia 21 de novembro de 2020, também. um sábado em que eu esperava dormir um pouco mais, fui acordado de supetão por nova edição da Sinfonia de Pedras da Votorantim, 05:38 da minha madrugada do sábado, dia 21 de novembro. 
 

É injusto que a Votorantim possa fazer conosco aquilo que ela queira, nos incomodar dentro do horário do sono de muitos de nós, lançar para o alto a poeira que emporcalha as nossas casa, e os nossos pulmões. É injusto que aqueles que lucram e exploram o meio ambiente, possam também fazer o mal impunemente a toda uma população. 
 

E somos todos que os alvejados pelo lixo que a Votorantim joga para cima, quem pensa que se livra da sujeira porque usa ar condicionado, se engana. O ar condicionado, que eu deixei de usar por causa da Votorantim, filtra mas deixa passar o que há de pior que as micropartículas, exatamente estas partículas contra as quais as nossas defesas orgânicas, a defesa natural dos pulmões, têm menos possibilidades de detectar e jogar fora.  
 
A Votorantim está matando a população de Sobral e a prefeitura se omite na verificação desta denuncia que eu repito frequentemente.  
 
Há cerca de 13 anos que luto contra a sujeira que a Fábrica de Cimento da Votorantim faz em Sobral.  Mas já faz algum tempo que parei de gritar porque algumas pessoas chegaram a me chamar de Dom Quixote, o personagem de Cervantes. Eu estaria atacando moinhos de vento então parei um pouco de lutar. Mas desde  sábado, dia 31 de outubro, por volta de 3:30 horas da madrugada, acordei-me com um forte barulho, da fábrica moendo pedras decidi-me a retomar a luta.  A moagem durou cerca de meia hora e estava agindo em desrespeito a lei do silêncio, registrei o ruído apontando com o celular na direção da fábrica e alterando a direção quando observa que a intensidade do ruído diminuía numa comprovação de que o barulho vinha de fato da fábrica. 

 
Mas agora a Fábrica resolveu colocar a Sinfonia das Pedras Quebradas no ar, nas madrugadas. A primeira que vez que observei foi no dia 31 de outubro, por volta de 3:30 horas da madrugada. No dia 13 de novembro,mas agora em outro horário, porque a Votorantim é esperta, sempre muda os  horários em que ela nos ataca,  sempre espera nos pegar desprevenidos, no dia 13 de novembro foi 01:18, é, no começo da madrugada que ela vei nos atacar com a Sinfonia das Pedras Quebrando. 
 
Eu vivo a cerca de 500 metros da Fábrica de Cimento da Votorantim, em Sobral e desde 2007 que vivia postando informações sobre a sujeira que fábrica lança no ar.  Consegui uma pequena vitória, a Fábrica deixou de jogar sujeitas ostensivamente durante o dia, e montou um filtro em cima da estrutura, mas durante a noite, sem que possamos fotografar, ela deve usar processamento reverso e limpar o filtro no ar porque continuamos tendo um ar com uma grande quantidade de cimento. 
 
Era bom que o prefeito de Sobral se lembrasse que ele também tem pulmão e que a poeira de cimento fica pairando no ar e entra em toda parte, mesmo nos aparelhos de ar condicionado, coisa que eu não uso há muito tempo porque eu tive um que ficou destruído pela poeira da Votorantim e cheguei à conclusão que fico menos atingido se não forçar a ventilação para dentro de casa. 

E o ruído da sinfonia das pedras quebrando! Não tem que possa dormir com um barulho destes!

E falou Antero de Quental

Pela pena do Doutor Brasilino Godinho, um jovem lutador que se doutorou em línguas pela Universidade de Aveiro aos 89 anos, falou Antero de Quental e eu repito.

Recordando…

15 de Setembro de 2014 · 

Mui prezadas e atenciosas senhoras,
Caros e atentos senhores,
Também para manter a chama viva do nosso (agora irregular) convívio, mas, sobretudo, para abrir horizontes de esperança em melhores dias e, ainda, tendo em vista corresponder à atenção que o santo Antero de Quental, através dos seus escritos, dispensa aos atormentados indígenas que somos neste desgraçado país – na actualidade, empobrecendo e sofrendo segundo as determinações autoritárias impostas pelo governo, em aplicação do catecismo ideológico de bem-fadadas excelências: a do venerando Chefe de Estado, Prof. Doutor Aníbal Cavaco Silva, a do jovem e ilustre presidente do Conselho, dr. Pedro Passos Coelho e as do seu selecto grupo de ajudantes – anexo um meu registo do vigoroso alerta que o grande poeta e pensador micaelense dirigiu a todos os portugueses.
Com votos de boa leitura e vital consequência.
E juntando os melhores cumprimentos.
Brasilino Godinho 

QUEM DISSE QUE ANTERO DE QUENTAL ESTÁ MORTO?

Um registo de Brasilino Godinho

Sito além-túmulo, em Ponta Delgada, Açores, Antero de Quental, poeta, político e pensador, que dir-se-ia jazer adormecido está, afinal, bem vivo e atento ao tenebroso estado de Portugal. E, evidenciando grande inquietação, lança-nos um vigoroso alerta.

Pois façamos a leitura atenta do alerta de Antero de Quental.
Em primeiro lugar, precedendo o descritivo da infame realidade, nele expressa uma perturbadora interrogação.

«No templo sagrado da Pátria tomaram assento os vendilhões da intriga, os mercadores de traições, e rumorejam debatendo o preço por que se compram e vendem entre si, enquanto a alma popular, contrita e humilhada, chora no seu desolado abandono. E não haverá quem proteste contra esta corrente de torpeza, de baixeza e cinismo, que ameaça subverter o que ainda nos resta de crenças e dignidade cívica? »

Em segundo lugar, no mesmo expõe a panaceia da restauração da sociedade portuguesa.

«Quando a nação portuguesa tiver governos que verdadeiramente a representem e nos quais confie, quando o Estado voltar a ser um órgão útil e não uma excrescência parasita e nociva no corpo social, só então poderemos dizer que está dado o primeiro passo no caminho da restauração das forças vivas da sociedade portuguesa.»
Fim de citação
(Sem comentários. Aqui absolutamente desnecessários…)

Com um comentário ao final, contrariando o meu amigo Brasilino Godinho, onde estiver portuguesa ou assemelhados, substitua-se por brasileira e vale contra o golpe dos banqueiros, do AgroVeneno, da Corrupção Imobiliária para atender aos interesses do Imperialismo americano feito com o apoio dos milicos antipatriotas, dos lacaios do judiciário e dos vermes entreguistas que pululam no Congresso.

Antero do Quental está vivo e nos alerta.

Porque eu iria trabalhar?

E a mulher do Zé, o balança, o sacode de leve na cama, e ele pergunta:
Que foi, mulher?

Tu não vais te levantar pra trabalhar? Já é quatro horas!

O Zé se senta na cama, dá um tapinha amigo na rosto da companheira, coisa que ele não fazia
a muito tempo. Um tapinha amigo!
Ai o Zé fala!

Olha, eu cheguei ontem era meia noite, tu estavas dormindo, eu me enfiei aqui na cama do teu
lado, com cuidado para não te acordar e logo peguei no sono. Agora eu tenho no bolso uma merrequinha
que eu ganhei ontem no dia inteiro de trabalho. Dá para te deixar um trocado e tu comprares
quatro bananas, uma para ti e mais três para os meninos e para a menina. Uma banana para cada
um para comer o dia todo. Pra mim sobra a grana para pegar o transporte e voltar para trabalhar.
E se nem conseguir o dinheiro do transporte para voltar eu vou ficar na rua e dormir na rua!
Porque eu iria trabalhar?

Onde eu trabalho, numa borracharia, tem mais quatro caras trabalhando junto com dono da borracharia.
Cada pneu que a gente conserta, a metade da grana é do dono da borracharia. E a gente fica sentado no
chão esperando que passe um “problema” e quando aparece o dono manda um de nós tratar do pneu. Se
no dia todo aparecerem quatro “problemas”, é esta grana que eu trouxe ontem que eu ganho num dia
de trabalho. Porque eu iria trabalhar?

E o Zé, passou o braço no pescoço da companheira e a arrastou de volta para dormir! Hoje eu vou tirar
uma folga, vou dormir um pouco mais, mulher. E dormiram! Nem mesmo aproveitaram para trepar coisa que há anos não faziam, afinal o Zé havia “comido” ontem um copo de café com um pedaço de pão que o
dono da borracharia oferecia para todo o pessoal ao meio-dia. Com fome ninguém trepa! E fazia anos que o Zé não dava um abraço daqueles na mulher!

Quando o sol começou a entrar pelos buracos do barraco, a meninada se acordou e correu para a cama
se enfiar ali do junto do pai que não viam a um tempão.

Aí o Zé se levantou, tomou um copo d’água e disse para mulher:Eu vou sair pelo morro ver se encontro alguma coisa.

E saiu o Zé, andou, e não encontrou nenhum trabalho!
De repente ele vê um pinta boa que vinha vindo no sentido contrário, e rapidinho teve uma ideia,
deu um encontrão seguro no pinta boa e os dois caíram sentados no chão! Foi aí que o Zé falou:

— Olha, desculpa, mas se eu tivesse lhe pedido um trocado para eu levar para casa e comprar comida,
você ia se esquivar e me dizer que não tinha dinheiro. Assim, caídos aqui no chão a gente pode
conversar. Eu não estou armado, não tenho faca, não vou te agredir! Eu somente te peço um trocado
para eu levar para casa pra dar de comer a minha mulher e meus filhos. Podes me arrumar uma grana?

O pinta boa riu-se, e confirmou que era verdade. Se ele tivesse tentado lhe pedir uma grana, ele
se iria mesmo esquivar e seguir em frente rapidamente. Ali sentado, ainda com a bunda doendo da queda,
eles eram iguais, ele e o Zé. Sentados no chão o pinta boa meteu a mão no bolso, examinou a carteira
e deu para o Zé a grana do conserto dum pneu. O Zé agradeceu, até apertaram a mão, e o Zé, forte, ainda
se levantou primeiro e ajudou o pinta boa a se levantar e seguiram em sentidos contrários, o Zé
pensando em dar um trambolho em outro pinta boa na primeira oportunidade.

Até o meio-dia o Zé já havia juntado a grana de 30 pneus, um mês inteiro de ganhos diários na borracharia!
Foi aí que Zé pensou: É, os banqueiros estão ricos somente roubando! Porque eu iria trabalhar?

Zé voltou pro barraco, ao meio dia, com um almoço que fazia anos que eles não comiam e assim começou
a nova vida de Zé como futuro banqueiro. Porque o Zé iria trabalhar?

Outro episódio da Sinfonia das Pedras Quebrando pela Votorantim

 
 Hoje de madrugada, sexta, 04 de dezembro de 2020, não posso precisar a hora, eu estava num sono ótimo e uma brisa agradável entrava pela janela quando a Sinfonia das Pedras Quebradas com que Votorantim frequentemente nos brinda, entrou no ar. Fechei a janela, perdi o direito a respirar um ar fresquinho, coloquei um travesseiro sobre as orelhas, me virei e felizmente dormi novamente.  
Mas é CRIME e a prefeitura de Sobral é cúmplice deste crime! É um crime e um terrível mau gosto, pois tem música melhor para brindar quem estiver dormindo nas madrugadas. 
E hoje, sexta, 04 de dezembro de 2020, foi mais um dia em que o crime foi cometido. 
 
 @page { size: 21cm 29.7cm; margin: 2cm } pre { font-family: "Liberation Mono", monospace; font-size: 10pt; background: transparent } p { margin-bottom: 0.25cm; line-height: 115%; background: transparent } 
No dia 21 de novembro, também. um sábado em que eu esperava dormir um pouco mais, fui acordado de supetão por nova edição da Sinfonia de Pedras da Votorantim, 05:38 da minha madrugada do sábado, dia 21 de novembro. 
 
 @page { size: 21cm 29.7cm; margin: 2cm } pre { font-family: "Liberation Mono", monospace; font-size: 10pt; background: transparent } p { margin-bottom: 0.25cm; line-height: 115%; background: transparent } 
 É injusto que a Votorantim possa fazer conosco aquilo que ela queira, nos incomodar dentro do horário do sono de muitos de nós, lançar para o alto a poeira que emporcalha as nossas casa, e os nossos pulmões. É injusto que aqueles que lucram e exploram o meio ambiente, possam também fazer o mal impunemente a toda uma população. E somos todos que os alvejados pelo lixo que a Votorantim joga para cima, quem pensa que se livra da sujeira porque usa ar condicionado, se engana. O ar condicionado, que eu deixei de usar por causa da Votorantim, filtra mas deixa passar o que há de pior que as micropartículas, exatamente estas partículas contra as quais as nossas defesas orgânicas, a defesa natural dos pulmões, têm menos possibilidades de detectar e jogar fora.  A Votorantim está matando a população de Sobral e a prefeitura se omite na verificação desta denuncia que eu repito frequentemente. Há cerca de 13 anos que luto contra a sujeira que a Fábrica de Cimento da Votorantim faz em Sobral.  Mas já faz algum tempo que parei de gritar porque algumas pessoas chegaram a me chamar de Dom Quixote, o personagem de Cervantes. Eu estaria atacando moinhos de vento então parei de lutar. Mas ontem, sábado, dia 31 de outubro, por volta de 3:30 horas da madrugada, acordei-me com um forte barulho, da fábrica moendo pedras.  A moagem durou cerca de meia hora e estava agindo em desrespeito a lei do silêncio, registrei o ruído apontando com o celular na direção da fábrica e alterando a direção quando observa que a intensidade do ruído diminuía numa comprovação de que o barulho vinha de fato da fábrica. 
Era bom que o prefeito de Sobral se lembrasse que ele também tem pulmão e que a poeira de cimento fica pairando no ar e entra em toda parte, mesmo nos aparelhos de ar condicionado, coisa que eu não uso há muito tempo porque eu tive um acabado pela poeira da Votorantim e cheguei à conclusão que fico menos atingido se não forçar a ventilação para dentro de casa.

Mais outro episódio da sinfonia das pedras quebrando pelos maestros da Votorantim

No dia 21 de novembro, há dois dias, um sábado em que eu esperava dormir um pouco mais, fui acordado de supetão por nova edição da Sinfonia de Pedras da Votorantim, 05:38 da minha madrugada do sábado, dia 21 de novembro.

até parece uma bela imagem, lembra-me uma árvore de Natal, no cento o caule, enfeitado, ao redor uma nuvem de presentes, a poeira mortífera da Votorantim se espalhando por Sobral.

É injusto que a Votorantim possa fazer conosco aquilo que ela queira, nos incomodar dentro do horário do sono de muitos de nós, lançar para o alto a poeira que emporcalha as nossas casa, e os nossos pulmões. É injusto que aqueles que lucram e exploram o meio ambiente, possam também fazer o mal impunemente a toda uma população.

E somos todos que os alvejados pelo lixo que a Votorantim joga para cima, quem pensa que se livra da sujeira porque usa ar condicionado, se engana. O ar condicionado, que eu deixei de usar por causa da Votorantim, filtra mas deixa passar o que há de pior que as micropartículas, exatamente estas partículas contra as quais as nossas defesas orgânicas, a defesa natural dos pulmões, têm menos possibilidades de detectar e jogar fora.

A Votorantim está matando a população de Sobral e a prefeitura se omite na verificação desta denuncia que eu repito frequentemente.

Há cerca de 13 anos que luto contra a sujeira que a Fábrica de Cimento da Votorantim faz em Sobral. Mas já faz algum tempo que parei de gritar porque algumas pessoas chegaram a me chamar de Dom Quixote, o personagem de Cervantes. Eu estaria atacando moinhos de vento então parei de lutar. Mas ontem, sábado, dia 31 de outubro, por volta de 3:30 horas da madrugada, acordei-me com um forte barulho, da fábrica moendo pedras. A moagem durou cerca de meia hora e estava agindo em desrespeito a lei do silêncio, registrei o ruído apontando com o celular na direção da fábrica e alterando a direção quando observa que a intensidade do ruído diminuía numa comprovação de que o barulho vinha de fato da fábrica.

Mas agora a Fábrica resolveu colocar a sinfonia das pedras quebradas no ar, nas madrugadas. A primeira que
vez que observei foi no dia 31 de outubro, por volta de 3:30 horas da madrugada. No dia 13 de novembro,
mas agora em outro horário, porque a Votorantim é esperta, sempre muda os horários em que ela nos ataca,
sempre espera nos pegar desprevenidos, agora, no dia 13 de novembro foi 01:18, é, no começo da madrugada
que ela vei nos atacar com a sinfonia das pedras quebrando.

O mais recente episódio da Sinfonia da Pedras que pude observar, foi no dia 21 de novembro, há dois dias, um sábado em que eu esperava dormir um pouco mais, fui acordado de supetão por nova edição da Sinfonia de Pedras da Votorantim, 05:38 da minha madrugada do sábado, dia 21 de novembro.

Eu vivo a cerca de 500 metros da Fábrica de Cimento da Votorantim, em Sobral e desde 2007 que vivia postando informações sobre a sujeira que fábrica lança no ar.

Consegui uma pequena vitória, a Fábrica deixou de jogar sujeitas ostensivamente durante o dia, e montou um filtro em cima da estrutura, mas durante a noite, sem que possamos fotografar, ela deve usar processamento reverso e limpar o filtro no ar porque continuamos tendo um ar com uma grande quantidade de cimento.

Era bom que o prefeito de Sobral se lembrasse que ele também tem pulmão e que a poeira de cimento fica pairando no ar e entra em toda parte, mesmo nos aparelhos de ar condicionado, coisa que eu não uso há muito tempo porque eu tive um acabado pela poeira da Votorantim e cheguei à conclusão que fico menos atingido se
não forçar a ventilação para dentro de casa.

E o ruído da sinfonia das pedras quebrando!

A Sinfonia das pedras quebrando pela Votorantim

Eu vivo a cerca de 500 metros da Fábrica de Cimento da Votorantim, em Sobral e desde 2007 que vivia postando informações sobre a sujeira que fábrica lança no ar.

Novembro, poderia lembrar o Natal, mas no centro é a chaminé criminosa da Votorantim e a volta não é embelezamento natalino, é a poeira que ela espalha em volta

Há cerca de 13 anos que luto contra a sujeira que a Fábrica de Cimento da Votorantim faz em Sobral. Mas já faz algum tempo que parei de gritar porque algumas pessoas chegaram a me chamar de Dom Quixote, o personagem de Cervantes. Eu estaria atacando moinhos de vento então parei de lutar. Mas ontem, sábado, dia 31 de outubro, por volta de 3:30 horas da madrugada, acordei-me com um forte barulho, da fábrica moendo pedras. A moagem durou cerca de meia hora e estava agindo em desrespeito a lei do silêncio, registrei o ruído apontando com o celular na direção da fábrica e alterando a direção quando observa que a intensidade do ruído diminuía numa comprovação de que o barulho vinha de fato da fábrica.

Era bom que o prefeito de Sobral se lembrasse que ele também tem pulmão e que a poeira de cimento fica pairando no ar e entra em toda parte, mesmo nos aparelhos de ar condicionado, coisa que não uso há muito tempo porque eu tive um acabado pela poeira da Votorantim e cheguei à conclusão que fico menos atingido se não forçar a ventilação para dentro de casa.

E o ruído da sinfonia das pedras quebrando!

Um dia na vida do Brasilino

Tarcisio Praciano-Pereira

“Essa história de imperialismo não
passa de invenção de falsos nacionalistas
que pretendem impedir o progresso da nação.”
O Estado de São Paulo

Boa parte deste texto foi tirado dum artigo com o mesmo título que encontrei aqui https://anovademocracia.com.br/no-18/840-um-dia-na-vida-do-brasilino e também encontrei o livro “Um Dia na Vida do Brasilino, de Paulo Guilherme Martins” que se encontra a venda aqui

O “progesso da nação” para o Estadão é a subserviência aos interesses do imperialismo Norte Americano! Mas não é um complexo de vira-latas que seja exclusivo dO Estadão, ele se alastra para todos os jornalões, para o chamado “meio empresarial”, como FIESP, FEBRABAN ou o AgroVeneno. Todos parte do golpe de 2016 que agora quer se apoderar, abocanhar o Banco Central do Brasil e usa para isto um jargão que já repetem há anos
que é da “independência do BC” cuja tradução é que o BC fique independente do Brasil mas cuidosamente nas mãos da FEBRABAN que é o “sindicato dos banqueiros”.

Mas o título que escolhi para esta história de hoje é um conto dos anos 50 quando a “light” inglesa tomava
conta da nossa luz elétrica e todo dia la em casa, quando eu tinha 7 anos de idade, pontualmente, na hora
da ave maria, falta luz e meu pai já tinha um cande iro pronto para ficar aceso até 21:00 horas que é quando em geral voltava a luz elétrica. Quem tomava conta de nossa telefonia Phone e Cable Company que também era
inglesa. Como também foram os ingleses que mataram Delmiro Gouveia no final da primeira guerra mundial pois
ele tinha aproveitado a interrupção do transporte marítimo durante a guerra e expandido a sua companhia de tecelagem para toda a América Latina, e terminada a guerra a Corrente Laranja, inglesa, chegou com ele para comprar-lhe a sua pujante companhia que ficava no Vale do São Francisco, onde ele também tinha começado a construir uma hidrelétrica. Como ele se recusou a vender a sua companhia, mataram-no, pegaram a companhia da viúva, jogaram as máquinas no São Francisco e encerraram um ciclo industrial significativo do Estado de Pernambuco junto com Alagoas que era onde ficava o império comercial de Delmiro Gouveia.

Nos anos 50 o Brasilino se levantava de manhã, ainda escuro porque quem trabalha para os outros tem acordar antes, muito antes do que os outros, então ele acendia a luz e assim, o Brasilino iniciava o seu dia pagando dividendos ao Capital Estrangeiro. Cuidadoso, escovando os dentes com pasta Kolynos, pagando dividendos ao Capital Estrangeiro e logo depois tomando café com leite sob os cuidados da Nestlé, pagando dividendos ao Capital Estrangeiro, para depois pegar o bonde para o trabalho e quem o levava era novamente uma companhia inglesa que era dona dos bondes, pagando dividendos ao Capital Estrangeiro e talvez ele fosse trabalhar na MoreMcCock, uma companhia americana de cabotagem que transportava os produtos brasileiros para fora do Brasil. Eu falei nos anos 50 mas a coisa continua a mesma e cada vez pior agora depois do golpe de 2016

Mas o Brasilino não sabe que o leite, que bebe, é originário de uma vaca que foi alimentada com farelo Refinazil, da “Refinações de Milho do Brazil” (Brasil com Z), que é americana, e que a farinha com a qual foi feito o pão é originária do “Moinho Santista”, que não é santista e sim inglesa, pagando dividendos ao Capital Estrangeiro.

Terminado o café, Brasilino acende o seu primeiro cigarro, coitado, o Brasilino era fumante, e somente fumava cigarro com filtro, Minister ou Hollywood, um desses da “Cia. Souza Cruz”, que nem é do Souza e muito menos do Cruz, mas, sim, da “British, American Tobacco Co.”, pagando dividendos ao Capital Estrangeiro.

Comeu, fumou, pagando dividendos ao Capital Estrangeiro, Brasilino vai ao banheiro, fazer a sua toilette: acende o aquecedor de gás — gás que é da City e, portanto, do grupo Light, e, enquanto a água aquece, toma da escova de dentes, marca “Tek”, da “Johnson & Johnson do Brasil” (que é americana), e da pasta dentifrícia “Kolynos”, com clorofila, da “Whitehall Laboratories of New York” e, assim, para escovar os dentes, Brasilino paga dividendos ao Capital Estrangeiro.

Brasilino não sabe bem o que é clorofila e está certo de que, quando entrou na farmácia e escolheu essa pasta, o fez livremente, ignora que sua vontade foi condicionada pelas custosas campanhas de promoção de vendas, feitas através da imprensa, do rádio e da televisão e que, da mesma forma como ele escolhe sua pasta de dentes, escolhe, também, o seu candidato à Presidência da República.

Se hoje, apressado, Brasilino não for de bonde para o trabalho, ao tomar o seu automóvel “Volkswagen”, fabricado pela “Volkswagen do Brasil”, que é alemã, rodando sobre pneus “Firestone”, da “Firestone do Brasil”, que é americana, acionado por gasolina refinada pela “Petrobrás”, mas distribuída pela “Esso Standard do Brasil”, que é americana. Até para usar a gasolina, refinada pela Petrobrás, Brasilino paga dividendos ao Capital Estrangeiro!

Mas passados alguns anos o Brasil começou a ficar de pé tentando se livrar da coleira do “capital estrangeiro” foi quando o Governo Brasileiro estatizou as companhias de energia elétrica criando a Eletrobras e em cada estado foram criadas as companhias estaduais de energia elétrica, mas ai veio o privataria tucana com o canalha fhc e este trabalho de nacionalização de nossas companhias de energia elétrica foi rapidamente por saco e hoje novamente temos diversas empresas que invadiram o Brasil para nos ajudar com a distribuição da energia elétrica, sempre usando toda a infraestrutura que nós mesmos criamos e apenas para cobrar o preço da energia que nós produzimos, elas distribuem.

Mas passados alguns anos o Brasil começou a ficar de pé tentando se livrar da coleira do “capital estrangeiro” foi quando o Governo Brasileiro estatizou as companhias de telefone, foi criada a Embratel, que era uma estatal, e em cada estado foi criada a Companhia Estadual de Telefones, mas ai veio o privataria tucana com o canalha fhc e este trabalho de nacionalização de nossas companhias telefônicas foi rapidamente por saco e hoje novamente temos diversas empresas que invadiram o Brasil para nos ajudar com as nossas comunicações, sempre usando toda a infraestrutura que nós mesmos criamos e apenas para cobrar o preço das chamadas. Pior, como agora elas são várias, se você for refém duma delas e quiser se comunicar com um amigo que seja refém de outra, ai você vai pagar pela comunicação às duas porque nós não temos um sistema telefônico e sim uma exploração telefônica entre vários tubarões que se autodenominam companhias telefônicas e que se encontram reunidas num sindicato chamado anatel.

Mas siga lendo sobre o Brasilino na versão original do autor, Paulo Guilherme Martins, aqui.

Canalhice

São canalhas os membros do Congresso do Brasil porque entre eles se encontram canalhas e os seus membros convivem com os canalhas de forma parceira e prazenteira. Um dos “membros” do Congresso é uma assassina, corruptora de menores que legalmente se encontram no status de filhos da mesma pelo fato de que os tenha adotado e mantenha uma casa de
órfãos. Além do mais a assassina passa por ser uma pastora de uma certa seita religiosa apenas tornando mais vil o seu conjunto de crimes e o dito “presidente” do legislativo afirma que nada vê que justifique haver uma ação para destituir a criminosa do seio do Congresso.

Agora, para aumentar a indignação, um dito “senador” é encontrado pela polícia transportando valores ilegalmente e a um tal ponto de forma indigna que os valores lhe são encontrados entre as pernas numa forma que é comum entre os que fazem transporte de drogas para dentro dos presídios, é um membro do senado o cafajeste.

Dias atrás um outro canalha, membro do judiciário, afronta a Constituição numa decisão típica de moleque e cassa um diploma que uma Universidade Pública havia outorgado a um ex-presidente da República quando a Constituição estabeleceu que as Universidades são autônomas e suas decisões não podem ser questionadas. O canalha membro do judiciário, ao ver a grande estupidez cometida ante um clamor que se elevou em toda a Sociedade, teve a ousadia de nos chamar a todos de idiotas dizendo que havia assinado sem dar-se contas do teor de sua sentença, esta que envolvia uma Universidade e um ex-presidente da República. Dois crimes numa mesma canalhice, primeiro o de ter assinado uma sentença sem ler o seu
conteúdo, o que é sabidamente impossível porque eles vivem rodeados e assessorados por vários funcionários com grande experiência do assunto e certamente, ao assinar, um destes assessores apresentou-lhe o documento observando do que se tratava e portanto a mentira é simplesmente deslavada. Uma canalhice.

A chamada corte supremo enrola a toda a Nação há meses no trato duma injustiça patente, envolvendo o ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva vítima de processos arbitrários que a dita “suprema” corte não pode em nenhuma hipótese afirmar desconhecer porque foi avisada por uma centena de juristas brasileiros que publicaram um livro com um claro título indicando que estudavam exatamente o comportamento do judiciário relativamente ao caso do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva. Não bastasse isto, dezenas de juristas do Mundo afora se manifestaram junto à dita “suprema” corte solicitando que justiça fosse feita ao ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva. O comportamento da corte é de canalhas,
de lacaios daqueles que deram o golpe de 2016 do qual a corte se tornou um fiador em troca dum aumento salarial de 40% negociados ostensivamente durante os “trabalhos” da encenação do impeachment da Presidente Dilma.

A canalhice do golpe de 2016 foi demasiado séria, derrubaram a Presidente Dilma sem razões outra que não os interesses do sistema financeiro em se apoderar das riquezas do Brasil junto com os interesses dos Americanos em parar o nossos desenvolvimento como nação soberana se apoderando de nossa aviação, destruindo as nossas indústrias, corrompendo as nossas forças armadas, para o que avançaram aprofundando o golpe até o ponto de profanarem as nossas eleições e, quando na falta de alguém que fosse capaz de se eleger lançaram mão dum psicopata cujas falas absurdas serviram para incendiar uma plebe fascista com o que conseguiram transformar o psicopata em “presidente da Republica”.

A canalhice do golpe de 2016 já levou em sua fase inicial um canalha que era o vice-presidente a executar todo um planejamento econômico destruidor de nossas leis trabalhistas e de destruição de nossa atividade industrial jogando milhões de brasileiras e de brasileiros rapidamente na cova da fome coisa que havíamos deixado para trás há uma década.
Um crime nefasto, uma canalhice sem tamanho.

Recentemente os membros da forças armadas se envolveram em uma canalhice absurda gastando 6 milhões de reais numa brincadeira que eles caracterizaram como um exercício militar na Amazônia, próximo à fronteira com a Venezuela, caracterizando uma afronta ao país vizinho e amigo e com óbvio motivo de atender aos interesses dos Americanos que pretendem há anos a derrubada do governo da Venezuela. A canalhice é tanto maior que neste momento nos faltam recursos para enfrentar a infecção com vírus Corona e portanto estes seis milhões não poderiam ter sido gastos numa brincadeira militar inconsequente. A canalhice é tanto maior que deixa clara a incompetência completa do comando de nossas forças armadas do simples ponto de vista de estratégia militar porque do outro lado se encontra um povo preparado para defender a sua independência como mostra a situação triste da Colômbia que deixa o seu próprio povo na miséria para atender os interesses dos Americanos sem conseguir nem de leve ferir a independência da Venezuela o que levaria as forças armadas do Brasil a se envolverem num episódio semelhante ao da guerra das Malvinas quando os ingleses em parcos seis ou sete dias refutou a invasão dos militares argentinos sobre as ilhas que os ingleses usurpam. A canalhice apenas poderia ser aceita com prazer porque, certamente, frente a um fiasco profundo não restaria outra saída aos militares que enfiar o rabo entre as pernas e cair fora do golpe em que estão metidos desde 2016 a serviço do sistema financeiro e contra os interesses do povo brasileiro.

Hoje nos sentimos, qualquer brasileiro de respeito, angustiados ante o caos em nossa pátria se encontra lançada. Há dias que me acordo e penso que melhor seria dormir um pouco mais porque parece que estamos vivendo um pesadelo. Mas a angustia se aprofunda quando de fato acordado vejo que mais de cento e cinquenta mil compatriotas já morreram por conta deste golpe imundo que estamos sofrendo. A morte é uma perda irreparável!

ALERTE SUR LE CAS DE KHALED

Bonjour à tous,

RSF lance un appel international pour obtenir de toute urgence la libération de son confrère Khaled Drareni, le correspondant de RSF et de TV5 Monde en Algérie actuellement emprisonné. Dans son procès en appel qui a eu lieu mercredi, quatre ans de prison ferme ont été requis contre lui pour avoir couvert les manifestations pacifiques qui avaient lieu à Alger dans le cadre de la mobilisation populaire du Hirak en mars dernier.

Le pouvoir algérien souhaite clairement faire de Khaled Drareni un exemple pour intimider tous les journalistes. Ce réquisitoire de quatre ans de prison est totalement infondé et extrémiste et fait craindre le pire pour notre ami. Devant les juges, Khaled, toujours très amaigri mais calme et souriant a expliqué qu’il n’avait fait qu’exercer son métier de journaliste. Relayer une information ne peut être considéré comme une atteinte à l’unité nationale. 

Nous demandons aux autorités algériennes d’arrêter cette furieuse fuite en avant dans la répression. Faisons tous ensemble de Khaled un symbole de résistance à la censure ! Nous appelons toutes les bonnes volontés à soutenir nos actions sur le terrain en Algérie, partagez le plus possible cette image #WeAreKhaled sur vos réseaux et faites un don dès aujourd’hui à RSF.