Governador Malloy no ato de eliminação da pena de morte em Connecticut

OVERNADOR. MALLOY NA ASSINATURA DA LEI ELIMINANDO A PENA CAPITAL – CONNECTICUT

(HARTFORD, CT) – Governador Dannel P. Malloy hoje distribuiu o seguinte comunicado depois de assinar  S.B. 280, A lei revisando a pena capital:

(HARTFORD, CT) – Governor Dannel P. Malloy today released the following statement after signing S.B. 280, An Act Revising the Penalty for Capital Felonies:

“Hoje no final da tarde eu assinei a lei que a partir de hoje substitui a pena capital por prisão perpétua sem possibilidade de libertação como a mais alta penalidade em  Connecticut.  Apesar de ser um momento histórico – Connecticut se junta a mais  16 outros estados e o resto do mundo industrializado ao tomar esta decisão – na verdade é um momento para reflexão e não celebração.

“This afternoon I signed legislation that will, effective today, replace the death penalty with life in prison without the possibility of release as the highest form of legal punishment in Connecticut.  Although it is an historic moment – Connecticut joins 16 other states and the rest of the industrialized world by taking this action – it is a moment for sober reflection, not celebration.

Muitos de nós que têm defendido esta posição ao longo dos anos vem dizendo que há um componente moral de nossa oposição à pena de morte. Para mim, isso é certamente o caso. Mas isso não significa nem deveria significar  que eu questione a moralidade daqueles que são a favor da pena capital. Eu certamente não o faria. Conheço muitas pessoas que eu respeito profundamente, incluindo amigos e familiares, que acreditam que a pena de morte sea justa. Na verdade, a questão não conhece fronteiras: não de partido político, não de gênero, idade, raça ou qualquer outro item demográfico. É, ao mesmo tempo, uma das questões mais instigantes e vexatórias do nosso tempo.

“Many of us who have advocated for this position over the years have said there is a moral component to our opposition to the death penalty.  For me, that is certainly the case.  But that does not mean – nor should it mean – that we question the morality of those who favor capital punishment.  I certainly don’t.  I know many people whom I deeply respect, including friends and family, that believe the death penalty is just.  In fact, the issue knows no boundaries: not political party, not gender, age, race, or any other demographic.  It is, at once, one of the most compelling and vexing issues of our time.

“Minha posição sobre a adequação da pena de morte em nosso sistema de justiça criminal evoluiu durante um longo do tempo. Quando jovem, eu era um partidário da pena de morte. Então eu passei anos como promotor e acompanhei o caso de  criminosos perigosos no tribunal, incluindo assassinos. Nas lides dos tribunais, eu aprendi em primeira mão que o nosso sistema de justiça é muito imperfeito. Embora seja um bom sistema projetado com os mais altos ideais de nossa sociedade democrática em mente, como a maioria das experiências humanas, está sujeita à falibilidade das pessoas que dele participam. Eu vi pessoas  mal servidas por seus conselheiros. Eu vi pessoas injustamente acusadas ou erroneamente identificadas. Eu vi a discriminação. Ao passar pelo  testemunho dessas coisas, passei a acreditar que acabar com a pena de morte era a única maneira de garantir que ela não seria aplicada injustamente.

“My position on the appropriateness of the death penalty in our criminal justice system evolved over a long period of time.  As a young man, I was a death penalty supporter.  Then I spent years as a prosecutor and pursued dangerous felons in court, including murderers.  In the trenches of a criminal courtroom, I learned firsthand that our system of justice is very imperfect.  While it’s a good system designed with the highest ideals of our democratic society in mind, like most of human experience, it is subject to the fallibility of those who participate in it.  I saw people who were poorly served by their counsel.  I saw people wrongly accused or mistakenly identified.  I saw discrimination.  In bearing witness to those things, I came to believe that doing away with the death penalty was the only way to ensure it would not be unfairly imposed.

“Outro fator que me levou aos dias de hoje é o “inaplicabilidadeda pena de morte de Connecticut lei. Nos últimos 52 anos, apenas 2 pessoas foram condenados à morte em Connecticut  e ambos se ofereceram para tal. Em vez disso, as pessoas deste estado pagam por recurso após recurso, e, em seguida, assistem os condenados  um a um  marchando na frente das câmeras, dando-lhes uma plataforma de atenção  pública que não merecem. É uma atenção sórdida que dilacera feridas que nunca se curam. Os 11 homens atualmente no corredor da morte em Connecticut com muito maior probabilidade  morrerão de velhice do que pela pena capital.

“Another factor that led me to today is the ‘unworkability’ of Connecticut’s death penalty law.  In the last 52 years, only 2 people have been put to death in Connecticut – and both of them volunteered for it.  Instead, the people of this state pay for appeal after appeal, and then watch time and again as defendants are marched in front of the cameras, giving them a platform of public attention they don’t deserve.  It is sordid attention that rips open never-quite-healed wounds.  The 11 men currently on death row in Connecticut are far more likely to die of old age than they are to be put to death.

Como nos anos anteriores, a campanha para abolir a pena demorte em Connecticut foi apoiada por dezenas de familiares de vítimas de assassinato, e alguns deles estiveram presentes, quando eu assinei esta legislação hoje. Nas palavras de um destes sobreviventea: ‘Agora é a hora para iniciar o processo de cura, um processo que poderia ter sido iniciado décadas antes, com a finalidade de uma sentença de prisão perpétua. Não podemos nos  dar ao luxo de colocar em espera a vida dessas vítimas secundáriasPrecisamos permitir-lhes encontrar uma nova maneira  para começar a viver de novo. Talvez seja essa amensagem mais convincente de todas.

“As in past years, the campaign to abolish the death penalty in Connecticut has been led by dozens of family members of murder victims, and some of them were present as I signed this legislation today.   In the words of one such survivor: ‘Now is the time to start the process of healing, a process that could have been started decades earlier with the finality of a life sentence. We cannot afford to put on hold the lives of these secondary victims.  We need to allow them to find a way as early as possible to begin to live again.’  Perhaps that is the most compelling message of all.

À medida que nossos estados passam para  além deste debate divisivo, espero que todos nós possamos redobrar nossos esforços e trabalho comum para melhorar a justiça e integridade de nosso sistema de justiça criminal, e para minimizar a sua falibilidade.

“As our state moves beyond this divisive debate, I hope we can all redouble our efforts and common work to improve the fairness and integrity of our criminal justice system, and to minimize its fallibility.”