Letter From President Maduro As US Threatens Venezuela With War

From President Nicolas Maduro Moros

To the Peoples of the World,

In greeting you, with affection, I take the liberty of addressing you on the occasion of denouncing the severe events taking place against the peace and stability of Venezuela, at a time when the concern of the States and Governments should be focused on the protection of the life and health of their citizens, due to the acceleration of the COVID-19 pandemic.

As it is publicly known, last March 26, the government of the United States announced a very serious action against a group of high officials of the Venezuelan State, including the Constitutional President of the Republic, Nicolás Maduro.

This action consisted in the presentation of a formal accusation before the American judicial system, which is not only by illegal in itself, by also seeks to support a false accusation of drug trafficking and terrorism, with the sole objective of simulating the alleged judicialization of the Venezuelan authorities.

This American performance includes the unusual offer of an international reward to anyone who provides information about the President and the high Venezuelan officials, leading to a dangerous moment of tension in the continent. I, therefore, consider it necessary to make an account of the facts, which reveal the perverse plot behind the accusations of the Department of Justice.

Just one day before, on March 25, the Bolivarian Republic of Venezuela denounced before national and international public opinion the development in Colombian territory of an operation aimed at attempting against the life of President of the Republic, Nicolás Maduro Moros, his family members, and high State officials; as well as attacking civil and military objectives in our country, accusing Mr. Clíver Alcalá, a retired general of the Venezuelan armed forces, of being the military chief of that operation.

This denouncement was made with all responsibility, after a control operation in the road to the north of Colombia, near the border with Venezuela was announced on March 24, in which the police of that country captured a batch or war weapons in a civilian vehicle.

The investigations revealed that it was a sophisticated arsenal aimed at a group of former Venezuelan and Colombian military and paramilitary personnel who were training in camps located in Colombian territory.

On March 26, the aforementioned Clíver Alcalá, gave a statement to a Colombian media outlet -from his residence in the city of Barranquilla, Colombia- in which he confirmed his participation in the reported events, confessing to being the military leader of the operation and revealing that the weapons were purchased by order of Mr. Juan Guaidó, national deputy, who calls himself interim President of Venezuela and serves as Washington’s operator in the country. He also confirmed that the weapons were intended to carry out a military operation to assassinate senior members of the Venezuelan State and Government and to produce a coup d’état in Venezuela.

Mr. Alcalá clarified that the weapons were purchased through a contract signed by himself, Mr. Juan Guaidó, U.S. advisors and Mr.Juan José Rendón, political advisor to President Iván Duque, and carried out with the knowledge of Colombian government authorities.

In the face of this confession, the unusual response of the United States government has been the publication of the accusations mentioned at the beginning of this letter, with the extravagant inclusion of the name of Mr. Alcalá, as if he were part of the Venezuelan authorities and not a mercenary hired by the United States to carry out a terrorist operation against the Venezuelan government.

As a demonstration of this statement, I need no more proof than to mention the alleged capture of Mr. Alcalá by Colombian security forces and his immediate surrender to U.S. DEA authorities, in a curious act in which the prisoner, without handcuffs, was shaking hands with his captors, right in front of the stairs of the plane that would take him on a special VIP flight to the United States, which shows that in reality, this whole set-up is about the rescue of someone they consider a U.S. agent.

It must be stressed that the unsuccessful armed operation was originally designed to be executed at the end of this month, while all of Venezuela is fighting the COVID-19 pandemic. Actually, this is precisely the main battle that concerns humanity today.

A battle that our nation is successfully waging, having managed to stop the contagion curve, reinforcing health provisions and keeping the population in a massive quarantine, with a low number of positive cases and deaths.

For all these reasons, the Government of the Bolivarian Republic of Venezuela alerts our brothers and sisters of political organizations and social movements around the world about the reckless and criminal steps being taken by the administration of Donald Trump which, despite the frightening acceleration of the growth of COVID-19 affecting the American people, seems determined to deepen its policy of aggression against sovereign states in the region, and especially against the Venezuelan people.

During the pandemic, the U.S. government, instead of focusing on policies of global cooperation in health and prevention, has increased unilateral coercive measures, has rejected requests from the international community to lift or make flexible the illegal sanctions that prevent Venezuela from accessing medicines, medical equipment, and food.

At the same time, it has banned humanitarian flights from the United States to Venezuela to repatriate hundreds of Venezuelans trapped in the economic and health crisis in the northern country.

By denouncing these serious facts, Venezuela ratifies its unwavering will to maintain a relationship of respect and cooperation with all nations, especially in this unprecedented circumstance that forces responsible governments to work together and put aside their differences, as is the case with the COVID-19 pandemic.

Under such serious circumstances, I request your invaluable support in the face of this unusual and arbitrary persecution, executed through a new version of that rancid McCarthyism unleashed after World War II. At that time, they willingly labeled their adversaries as Communists in order to persecute them; today they do so by means of the whimsical categories of terrorists or drug traffickers, without having any evidence whatsoever.

Condemning and neutralizing today these unjustifiable attacks against Venezuela will be very useful to prevent Washington from launching similar campaigns against other peoples and governments of the world tomorrow. We must all adhere to the principles of the United Nations Charter, to prevent excessive unilateralism from leading to international chaos.

Brothers and sisters of the world, you can be absolutely sure that Venezuela will stand firm in its fight for peace and that, under any circumstances, it will prevail. No imperialist aggression, however ferocious it may be, will divert us from the sovereign and independent path that we have forged for 200 years, nor will it distance us from the sacred obligation to preserve the life and health of our people in the face of the frightening global pandemic of COVID-19.

I take this opportunity to express my solidarity and that of the people of Venezuela to all the peoples who today also suffer serious consequences from the effects of the pandemic. If we are obliged to draw any lesson from all this difficult experience, it is precisely that only together we can move forward. The political and economic models that advocate selfishness and individualism have demonstrated their total failure to face this situation. Let us firmly advance towards a new World with justice and social equality, in which the happiness and fullness of the human being is the center of our actions.

I appreciate the solidarity that you have permanently expressed towards my country and my people, denouncing the criminal blockade to which we and many other nations are subjected. I take this opportunity to reiterate my respect and affection, and to invite you to continue united, plowing a future of hope and dignity.

A famigerada “school of americas” onde os americanos deturpam os nossos militares

Today, February 21, is the 15th anniversary of the massacre in the Peace Community of San José de Apartadó, where 8 civilians, including an 18-month old, were killed by paramilitary and military forces. After this massacre, FOR and other organizations succesfully lobbied Congress to stop US funding for the Colombian military brigade responsible for the massacre. Our field team is currently in San José with a large delegation  to commemorate this massacre and those that were killed (shown in photos above). 

As an organization, we have long been critical of the U.S. military’s role in training and supporting the Colombian military while they engage in human rights abuses. Massacres like that of San José de Apartadó continue to happen, as you can see in the infographic below. You can learn more at School of the Americas Watch. 

bebendo água com cor de chocolate, mas com gosto de barro!

E o Rio continua lindo! é pena que uma turista tenha falado mal do Rio e a companhia de turismo do witzel não gostou!

Nesta sexta, dia 7, faz um mês desde que a água que chega às nossas casas tem cheiro e gosto de terra. Pra completar, fevereiro chegou e os boletos também: a população do Rio está literalmente pagando a conta de uma água que pode colocar nossa saúde em risco. Não dá mais pra esperar: precisamos agir agora! Enquanto as autoridades seguem fazendo vista grossa sobre a água e a CEDAE esconde os relatórios, queremos de volta o valor que pagamos pela conta de janeiro! Muita gente já comprometeu seu orçamento comprando água mineral; outras milhares de pessoas vem arriscando sua saúde com água podre. Já que não temos água potável, o mínimo que exigimos é não ser cobrado por ela! A cada dia que passa, a CEDAE parece mais perto de se livrar dessa, e o preço é a gente que paga. Por isso, hoje começa uma pressão GIGANTE no presidente da CEDAE, Hélio Cabral, para exigir que ele desconte da próxima conta de água o valor que pagamos pela água suja de janeiro. Mas isso só vai ser possível com você!A Defensoria Pública já está negociando uma indenização, agora é a nossa vez! Precisamos ser milhares mostrando que é inaceitável essa situação. Envie agora seu recado pressionando o presidente da CEDAE!

Morreu uma escola surgiu um quartel

Por Tarcisio Praciano-Pereira, professor

Em Sobral, uma escola pública estadual foi morta para que em seu lugar surgisse um quartel. Sintomaticamente a Escola Estadual Pública fica nas imediações dum bairro em que vivem pessoas menos favorecidas, vão treinar os meninos pobres para se transformarem em milicianos ou uma
juventude fascista.

Era uma Escola Pública que agora virou um quartel

Morre um local em que se fazia educação, a Educação que foi modificada por Paulo Freire com o objetivo de libertar as pessoas, fazer com que os jovens adquirissem uma visão ampla da vida, fazer com os jovens aprendessem o que significa cidadania, o que é ter direitos e naturalmente
obrigações dentro dum contexto cidadão duma sociedade que é regida por uma Constituição.

Aqui jaz uma Escola Pública e que até mesmo tinha uma ar de abandono, agora a pintaram para que desse lugar a um quartel

No lugar da Escola enfiaram um quartel, e como em todo quartel o diretor é um militar que nada entende de Educação mas que foi treinado para passar em frente uma ideologia de obediência ao “superior” militar que não deve nenhuma explicações a quem é seu subordinado. As crianças que vão sofrer no quartel da Polícia Militar serão subordinados dos “superiores militares”.

parece que escolha foi proposital, a Escola tinha o nome de quem perseguiu estudantes durante a ditatura militar de 1º de abril de 1964 o autor da famigerada 477 que enfiou o AI-5 dentro das escolas. Seu nome? não me interessa! Ele morreu!

Não sei, e nem me interessa saber qual é a estrutura do quartel em que Escola foi transformada. O que eu sei é que lugar de crianças, de jovens e de adolescentes absolutamente não é num quartel e sim numa Escola. Porque as Escolas são dirigidas por professores que adquiram uma formação pedagógica voltada exatamente para estimular nas crianças, jovens e adolescentes um sentimento de que na Sociedade todos estamos condicionados pela Lei e que a Lei Maior é a Constituição que também estabelece direitos para todos. Um quartel não pode ser, em nenhuma hipótese, um ambiente saudável para o desenvolvimento integral da juventude onde a Educação seja libertadora e não como, necessariamente num quartel, uma educação condicionadora.

E sem rodeios, militares nem precisavam existir e muito menos se ocupar de Educação. Num quartel o que se pode produzir é uma juventude fascista que é a única característica que militares podem dar ao que eles pensam que é educação.

O governo falsamente petista do Ceará está embarcando na onda fascista de militarização das escolas estaduais, pelo que este exemplo mostra. Eu, como cidadão, como professor, não posso aceitar isto e estou disposto a ir o mais fundo possível, ao ponto que minhas forças permitam, para impedir esta corrupção do sistema escolar público.

Escola é para ser dirigida por professores e não por soldados.

O Doomsday Clock está a 100 segundos da meia noite!

Today, scientists moved the Doomsday Clock closer to midnight than ever before, thanks to the mortal perils of climate crisis and nuclear weapons. The clock, which was created in the wake of World War II to measure the most dire threats to humanity, is now at 100 seconds to midnight.

Hoje os cientistas que controlam o Doomsday Clock moveram o ponteiro dos minutos para 23:58:40 quer dizer a 100 segundos de meia noite. O relógio foi criado ao final da Segunda Gerra Mundial para medir os riscos que Humanidade corre com semântica de a meia noite é o momeno crítico a ser evitado. Como num filme de terror, mas vivemos desde o fim da segunda gerra mundial num claro filme de terror entre “potências” dominadas pela gang industrial-militar (modificando a forma educada como Dwight David “Ike” Eisenhower criou a expressão).

This announcement should shake us to our core — and then jolt us into action.

Este anuncio nos deveria deixar-nos alarmados. O problema é que nos acostumamos com o terror e até tem gente que se diverte rodando vídeos games de guerra alguns dos quais simulam numa autêntica sessão de sadomasoquismo, uma proximidade cruel de guerra atômica guerra da qual ninguém, nesmo os membros da gang industrial-militar, escaparia.

But how do we act in the face of the deadliest-yet threats to the survival of our species? In the statement accompanying their Doomsday Clock announcement, world-renowned scientists plead for nuclear disarmament, multilateral diplomacy, and a full-on confrontation of the climate emergency. But they also include a recommendation that’s a little different, and caught my eye as a journalist: They call on the people of the world to “unmask social media disinformation.” They call on us to “insist on facts, and discount nonsense.”

Porém como reagir frente aos riscos mortais de sobrevivência da nossa espécie? Ao mover o ponteiro os responsáveis pelo Relógio Doomsday Clock fizeram um anúncio justificando a atualização do ponteiro dos minutos do relógio. Quem se ocupa do relógio são os editores do Bulletin of the Atomic Scientists que é um grupo de cientístas de renome mundial e ao fazer o movimento eles estão pedindo que se faça um desarmamento multilateral das armas núcleares junto com uma completa confontração com os risco que a emergência do clima nos impõe. Mas ele fizeram uma referência nada usual: Pedem que a população do Mundo “retire as máscaras de desinformação da mídia” que “insistamos com os fatos descontando as idiotices”. Eu sei que “nonsens” em inglês é menos forte que idiotice, mas foi minha opção de escolher esta tradução, da mesma forma como traduzo de forma crua e nada delicada aquilo que Eisenhower chamou de “complexo industrial-militar” que prefiro traduzir por “gang industrial militar”.

Insist on facts. Discount nonsense. These may seem like simple demands. But at a time when the most powerful human in the world is helming a disinformation campaign of mindblowing proportions, “insisting on facts” is not just common sense. It is an act of courageous resistance.

Insistir nos fatos, descontar a desinformação, parecem ser dois requesitos simples. Porém quando o cara mais poderoso do mundo gera, pessoalmente, uma campanha colossal de desinformação, “insistir nos fatos” não é um ato comum, se transforma num ato de coragem.

Paises livres não podem se submeter a ser bases americanas

Para el 13 de febrero de 2019 se ha anunciado una reunion en Washington entre Duque, presidente da Colombia y el presidente de los Estados Unidos, Donald Trump. Queremos manifestarle nuestra preocupacion por la actitud complaciente del Gobierno Nacional con relacion a una eventual intervencion militar de los Estados Unidos en Venezuela, y a la participacion que tendria nuestro pais en ese proposito. Estas son nuestras evidencias:

  1. El 15 de septiembre de 2018, en la ciudad de Cucuta, el secretario general de la Organizacion de Estados Americanos, Luis Almagro, acompanado del canciller, Carlos Holmes Trujillo, afirmo que “[e]n cuanto a la opcion militar para derrocar a Maduro, no debemos descartar ninguna opcion”
  2. El 16 de septiembre de 2018, el gobierno colombiano se abstuvo de firmar la declaracion del Grupo de Lima, en el que otros gobiernos de la region plasmaron su rechazo “[a]nte cualquier curso de accion o declaracion que implique una intervencion militar o el ejercicio de la violencia, la amenaza o el uso de la fuerza en Venezuela”
  3. El 18 de septiembre de 2018, el embajador de Colombia en Estados Unidos, Francisco Santos, declaro: “[s]e escuchan voces que hablan de operaciones militares unilaterales (sic). Creemos que debe darse una respuesta colectiva a esta crisis. Pero creemos, y, dejeme ser bastante claro, que todas las opciones deben ser consideradas”
  4. El 31 de enero de 2019, tras las reacciones por la nota en la libreta del consejero de Seguridad Nacional de Estados Unidos, John Bolton, en la que se mencionaba el envio de “5.000 tropas a Colombia”, el embajador de nuestro pais en los Estados Unidos dijo que “[e]s una jugada diplomatica inteligente para decirle a Venezuela que esta en el final (sic) […] Estados Unidos siempre ha dicho que ‘todas las opciones estan sobre la mesa'”4. Ese mismo dia, el inusitado despliegue militar en Cucuta como resultado de la visita del jefe del Comando Sur, almirante Craig Faller, genero mayor tension en la frontera con Venezuela.
  5. El 6 de febrero de 2019, al canciller Holmes Trujillo se le pregunto en rueda de prensa, luego de salir de la reunion con el Consejero de Seguridad de Estados Unidos, si habia tratado el asunto de la anotacion en la libreta a lo cual respondio: “Yo no iba a hacerle un interrogatorio, iba a conversar sobre lo que son las acciones que conjuntamente estamos disenando politica y diplomaticamente para crear condiciones que permitan que el hermano pueblo pueda vivir en democracia y libertad”

Senor presidente, de manera respetuosa, le pedimos que rechace cualquier accion que implique la participacion de Colombia en una confrontacion armada con Venezuela. Usted tiene en sus manos el deber moral y politico de defender la paz en Colombia y de la region.

Apesar de você

Apesar de você – Chico Buarque

Hoje você é quem manda
Falou, tá falado
Não tem discussão, não
A minha gente hoje anda
Falando de lado
E olhando pro chão, viu

Você que inventou esse estado
E inventou de inventar
Toda a escuridão
Você que inventou o pecado
Esqueceu-se de inventar
O perdão

Apesar de você
Amanhã há de ser
Outro dia
Eu pergunto a você
Onde vai se esconder
Da enorme euforia
Como vai proibir
Quando o galo insistir
Em cantar
Água nova brotando
E a gente se amando
Sem parar

Quando chegar o momento
Esse meu sofrimento
Vou cobrar com juros, juro
Todo esse amor reprimido
Esse grito contido
Este samba no escuro

Você que inventou a tristeza
Ora, tenha a fineza
De desinventar
Você vai pagar e é dobrado
Cada lágrima rolada
Nesse meu penar

Apesar de você
Amanhã há de ser
Outro dia
Inda pago pra ver
O jardim florescer
Qual você não queria
Você vai se amargar
Vendo o dia raiar
Sem lhe pedir licença
E eu vou morrer de rir
Que esse dia há de vir
Antes do que você pensa

Apesar de você
Amanhã há de ser
Outro dia
Você vai ter que ver
A manhã renascer
E esbanjar poesia
Como vai se explicar
Vendo o céu clarear
De repente, impunemente
Como vai abafar
Nosso coro a cantar
Na sua frente

Apesar de você
Amanhã há de ser
Outro dia
Você vai se dar mal
Etc. e tal
Lá lá lá lá laiá

145 famílias mexicanas correm risco de morte

Captura_de_tela.pngCaptura_de_tela

145 famílias são deslocadas forçadamente da comunidade de Tabak
Desde fevereiro passado 27 diferentes comunidades no município de Aldama localizadas dentro dos limites territoriais com o ejido Manuel Utrilla município de Chenalhó foram atacados com armas de fogo, ameaçando a vida, a segurança e a integridade da população .
Ataques com armas de fogo de alto calibre são realizadas por um grupo armado de Ejido Manuel Utrilla Chenalhó contra comunidades: Tabak, Koko’, Cotsilnam, Stselej Potop, Xchuchte e Ponte, no município de Aldama, estas comunidades se localizam perto do rio que marca a fronteira entre os dois municípios. Além disso, em 16 de março, o grupo armado proveniente de Manuel Utilla, Chenalhó, entrou na sede municipal de Aldama atirando em casas e edifícios como a igreja, o mercado e a câmara municipal. Os ataques causaram terror entre a população e existe a ameaça de outras incursões armadas causando morte e deslocamento.
Devido a esses atos de violência, desde 20 de março: 145 famílias Tsotsil de Tabak, Aldama, foram deslocadas à força; a comunidade de Koko, composta por 90 famílias, é isolada, pois menciona que seus acessos são guardados por homens com armas de fogo; outras comunidades de Aldama, perto da fronteira com Chenalhó, que já sofreram agressões armadas, não vão trabalhar nas plantações por medo de serem fuziladas; e algumas pessoas tiveram que se abrigar temporariamente no mato devido ao fogo constante.
Há depoimentos que mencionam que esse grupo armado está recrutando pessoas e que coordenou em suas ações com outro grupo de Chenalhó, ligado à Presidente Municipal Rosa Pérez Pérez, que atuou no deslocamento de mais de 5 mil pessoas o município de Chalchihuitán.
Pedimos ao Estado mexicano:
Garantir a vida, integridade e segurança pessoal das comunidades que compõem o povo Tsotsil de Tabak, Koko ‘, Cotsilnam, Stselej Potop, Xchuchte, Puente e o chefe do município de Aldama, Chiapas.
Para responder com urgência à situação de deslocamento de 145 famílias tostsiles de Tabak, Aldama; Imediatamente aplicando os Princípios Orientadores sobre o Deslocamento Interno das Nações Unidas. Bem como a realização de ações preventivas, a fim de evitar que outras comunidades Aldama se movam de forma forçada devido às agressões armadas na região.
Implementar uma estratégia eficaz de desmantelar, desarmar, prender e punir os grupos civis armados na região e investigar minuciosamente as autoridades responsáveis ​​pela organização e ação dos grupos armados. Reiteramos um cessar-fogo.
Ao governador Manuel Velasco Coello, exigimos que ele assuma a sua responsabilidade como governador do Estado e atenda de forma integral e profunda à espiral de violência que existe na região, às violações aos direitos humanos e a emergência em que os habitantes de Aldama se encontram.
Pedimos que você envie seus recursos para:
Sr. Presidente Enrique Peña Nieto,
Residência Oficial de Los Pinos,
Casa Miguel Aleman, Coronel San Miguel Chapultepec,
CP 11850, Cidade do México;
Fax: (+52) 55 5093 4901;
Email: enrique.penanieto@presidencia.gob.mx
Twitter: @PresidenciaMX
Lic. Alfonso Navarrete Prida
Secretário do Interior
Bucareli 99, 1º. chão, Col. Juarez,
Cuauhtemoc, Cidade do México,
CP 06600, México;
Fax: (+52) 55 5093 34 14;
Mail: secretario@segob.gob.mx
Twitter: @NavarretePrida
@SEGOB_mx
Luis Raúl González Pérez,
Presidente da Comissão Nacional de Direitos Humanos,
Building “Hector Fix Zamudio”
Blvd. Adolfo Lopez Mateos 1922, 6º andar,
Col. San Angel Tlacopac,
Delegação Alvaro Obregon, CP 01040;
Cidade do México;
Fax: (+52) 0155 36 68 07 67;
Email: mail@cndh.org.mx
Twitter: @CNDH
Manuel Velasco Coello
Governador do Estado de Chiapas
Palácio do Governo de Chiapas,
1º Andar First Avenue Central e do Leste.
Colonia Centro, CP 29009
Tuxtla Gutierrez, Chiapas, México
Fax: +52 961 61 88088 – + 52 961 6188056;
Extensão 21120. 21122;
Mail: secparticular@chiapas.gob.mx
Twitter: @VelascoM_
@gubernaturachis
Juan Carlos Gómez Aranda
Secretário Geral do Governo no
Palácio do Governo de Chiapas , 2º. Andar, Centro CP 29000 Tuxtla Gutiérrez, Chiapas.
Interruptor: (961) 61 8 74 60 Ramal 20003
E-mail: secretariaparticular.sgg@gmail.com
Twitter: @Secgob_Chiapas
Pedro Gómez Gómez
subsecretário de Governo da Região Altos Tsotsil-Tseltal
Francisco I. Madero No. 101, Barrio Guadalupe
C.P. 29200 San Cristobal de las Casas, Chiapas.
Telefone: 01 (967) 67 465 94 Fax: 01 (967) 67 465 94
Fonte: https://frayba.org.mx/accion-urgente-en-riesgo-la-vida-de-indigenas-tsotsiles-de-aldama/

Ahed Tamimi está completando 17 anos numa prisão sionista

Add your name to our birthday card to Ahed Tamimi.

AhedTamimiCard

Uma sociedade que prende crianças, Ahed Tamimi é uma adolescente de 16 anos e vibra na luta pelos direitos do seu povo - o povo palestino, é este o seu crime.

Uma sociedade que prende crianças, Ahed Tamimi é uma adolescente de 16 anos e vibra na luta pelos direitos do seu povo – o povo palestino, é este o seu crime.

“Kul sana wa inti salmeh ya Ahed!
Sending you love and solidarity on your 17th birthday, Ahed.
We stand with you and with all Palestinian prisoners.
Thank you for your bravery and steadfastness, and happy birthday!”

Send Ahed Tamimi a message of support and solidarity on her birthday

Comemoração em Londres do centenário da expulsão dos palestinos de sua terra

Newsletter – 30 October 2017
Justice Now: Make It Right For Palestine – National March & Rally
Saturday 4 November – Assemble 12 noon
Grosvenor Square, W1K 6LF (note the change of assembly point), London

Demonstrate this Saturday to mark the centenary of the Balfour Declaration in which Britain laid the basis for the creation of the Israeli state and the subjugation of the Palestinians. Israeli Prime Minister Benjamin Netanyahu is going to be in London for the centenary, which makes it all the more important that we have a massive turnout.

Stop the War is one of the co-organisers of the march, alongside the Palestine Solidarity Campaign, Palestinian Forum in Britain, Friends of Al Aqsa and the Muslim Association of Britain. Join us! If you are able to volunteer for Stop the War at the demo, please contact us at office@stopwar.org.uk.
Stop the War showing of The Coming War on China
Fundraiser screening and Q&A with John Pilger
28 November | 6 for a 6.30 start – 9pm
Rio Cinema

107 Kingsland High Street
E8 2PB
London

The Coming War on China is a documentary film by the award-winning journalist and filmmaker John Pilger.

Filmed over two years in the Marshall Islands, Japan, Korea, China and the United States, the film reveals a build-up to war on the doorstep of China. More than 400 US military bases now encircle China in what one strategist calls “a perfect noose”. Bringing together rare archive and interviews with witnesses, Pilger reveals the US’s secret history in the region.

As Trump threatens China with a trade war and worse, this film is both a warning and an inspiring story of resistance.

You can book your ticket here. The film starts at 6.30 sharp.
A chance for change – urgent Stop the War appeal

We’ve launched an appeal on Friday. A big thank you to everyone who has donated already.

Recent revelations that the UK has dropped more than 3,400 bombs and missiles in Iraq and Syria have confirmed how involved Britain has been in the carpet bombing which is estimated to have led to 40,000 civilian deaths in Mosul alone.

We now have a chance to break this cycle of violence and to develop a peaceful foreign policy in Britain. Stop the War is at the forefront of the campaign for change.

We need to intensify our campaigning and we are asking for your generous help. Your donations will enable us to promote the anti-war arguments more widely, support new Stop the War groups springing up around the country, sustain an increased level of staffing and upgrade our communications.

The target for our appeal is £25,000. Please give generously.

The first 10 to donate £100 or above will receive a copy of the book People Power: Fighting For Peace signed by Lindsey German.

£50 pays for an advert reaching thousands of people.
£100 pays for 50 placards.
£300 is enough to book a film screening.
£650 pays for a public rally.

Donate here